D'Alessandro vira líder fora de campo. Nenê faz o contrário

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


A capa do jornal "Zero Hora" de Porto Alegre desta segunda-feira estampa uma foto grande de D´Alessandro beijando o escudo do Internacional na sua camisa. Dentro da foto, ao lado dele, o título “Ele decide”. Assim tem sido com o ídolo colorado nos últimos tempos. E não necessariamente dentro de campo.

Recentemente foi visto no alambrado atrás de um gol, sem chuteira, apoiando o time aos berros.

D`Alessandro é o caso do jogador que está perto do fim da carreira e que tem o entendimento preciso de como pode continuar sendo relevante a um grupo mesmo sem pisar no gramado em todas as partidas.

Neste domingo Nenê não foi a campo no empate com o Flamengo. Assim que o jogo acabou, pegou suas coisas e se mandou do Morumbi, com cara de poucos amigos.

Pode ter ficado irritado por não ter sido aproveitado no jogo, mas ter sido aproveitado para a encenação feita por Diego Aguirre antes de a bola rolar. O treinador levou doze jogadores (Nenê entre eles) para o aquecimento que os times fazem no campo antes da entrada em oficial.

Entendo que não tinha espaço para ele na partida, mas esta é uma outra questão.

Fato é que a atitude do jogador foi mais um ingrediente no caldeirão de problemas que se transformou em São Paulo no segundo turno do Brasileirão. O time que está se esforçando no limite para não perder a quarta colocação no campeonato agora tem outra questão para ser resolvida.

Não é possível comparar a idolatria de D´Alessandro no Internacional com a de Nenê no São Paulo. Um tem uma longa história de dedicação ao Colorado. O outro chegou este ano depois de passagem por outros grandes clubes do Brasil.

É injusto também dizer que Nenê não foi útil ao Tricolor. Fez um ótimo primeiro turno, no momento em que o São Paulo virou líder do campeonato. Seu rendimento caiu com o time na segunda etapa.

Mas há outro tipo de colaboração que jogadores mais experientes podem dar a um time. O próprio Nenê foi positivo para o ambiente quando o time vinha bem no Brasileiro. Um dos líderes do elenco, uniu o grupo, deu destaque a Reinaldo, que era muito introvertido até outro dia e ajudou para que o jogador se soltasse, por exemplo.

Um jogador do tamanho e currículo importante como Nenê (jogou em grandes times do Brasil e teve interessante passagem pela Europa) tem muito a contribuir com um time. Não necessariamente dentro de campo.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

D'Alessandro vira líder fora de campo. Nenê faz o contrário

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Um jantar com Eurico Miranda

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


No dia 14 de março de 2017 Eurico Miranda esteve nos estúdios da ESPN para fazer um Bola da Vez. Ele só topou participar com uma condição: se fosse ao vivo. Condição aceita, o programa foi ao ar na mesma data. Depois do programa os participantes (eu incluído) saíram para jantar, já muito tarde na noite paulistana.

Dias depois escrevi sobre o assunto em uma coluna no LANCE!, que reproduzo abaixo.

Em 2017, como se fosse nos anos 80

O telefone toca e ele tira o aparelho do bolso da calça que está segura por um suspensório. O aparelho é flip (daqueles que você abre para atender, cujo modelo mais famoso foi o lendário StarTac da Motorola. Você mesmo deve ter tido um desses). Não tem email, whatsapp, aplicativos, internet… nada… Faz e recebe chamadas apenas. Pode parecer uma aberração hoje, mas era assim que a coisa funcionava não muito tempo atrás.

A conversa ao fone não dura mais do que cinco minutos e ele volta  a atenção para a mesa de jantar do restaurante. Ele não quer ver o cardápio. Prefere pedir seu prato à moda antiga.

Eurico Miranda, ex-presidente do Vasco
Eurico Miranda, ex-presidente do Vasco Thiago Ribeiro/Agif/Gazeta Press

"O que vocês servem aqui?" E o garçom: "Tem carne, tem massa...". Ele interrompe: "Eu perguntei o que vocês servem aqui. O que é bom? Qual a especialidade da casa?" O garçom: "É massa". Ele: "Então eu quero ravioli". Garçom: "Com qual molho?" Ele: "Sem molho". Garçom: "Só na manteiga?". Ele: "Sem molho."

Como em todos os estabelecimentos comerciais da cidade, é proibido fumar. Mas ele gostaria de acender seu charuto como nos velhos tempos em que isso era permitido. Gostaria de bater as cinzas num cinzeiro colocado à mesa (pensar nisso hoje em dia é quase como uma bizarrice. As mesas nem sequer tem cinzeiros em cima). E ganha uma autorização especial do dono da cantina, já que o restaurante está vazio no começo da madrugada em São Paulo.

Sua fragilidade física contrasta com seu discurso veemente e a voz ainda forte. Fala sobre tudo com um mau-humor que chega a ser engraçado. Olha para todos por cima dos óculos. É um homem que viveu e passou muitas coisas, entre elas uma doença gravíssima.

Tudo isso dá a esse personagem um charme sedutor. É irresistível tentar encontrar doçura naquela imensidão de truculência e ela é brota quando ele conta histórias do futebol de uma forma deliciosamente divertida.

Depois de algumas horas ao lado deste personagem, mesmo quem não soubesse de sua existência perceberia que se trata de alguém que vem de longe, que vive em um mundo distante das loucuras, da velocidade de tudo de hoje e que mantém seus hábitos e crenças intactos, como se ainda estivesse nos anos 80. Em 2017, Eurico Miranda é o presidente do Vasco.

Fonte: Eduardo Tironi, blogueiro do ESPN.com.br

Comentários

Um jantar com Eurico Miranda

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Carille e Sampaoli fogem da mesmice no clássico

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

O clássico ganhou fogo durante a semana quando Fabio Carille foi perguntado em uma entrevista coletiva sobre as "novidades" que Sampaoli trouxe ao futebol brasileiro e respondeu: "novidades para vocês da imprensa".  A partir daí, o confronto entre os dois treinadores ganhou enorme expectativa. 

A notícia ruim para aqueles que ficam à espreita esperando uma derrota para dizer que tinha razão é que os dois treinadores trabalharam bem no empate de 0 a 0 em Itaquera.

Carille foi melhor do que Sampaoli no primeiro tempo. Adiantou a marcação, impediu que o Santos recuperasse a bola rapidamente e não correu riscos. Com menos posse de bola, teve o jogo mais controlado, o que indica que a questão não é a posse, mas a forma como o time se comporta em campo. E o Corinthians fez um ótimo primeiro tempo com chances de abrir o placar. Apenas Pedrinho destoava.

Sampaoli faz um trabalho diferente do padrão que temos visto no futebol brasileiro. E uma de suas características que sentimos falta por aqui é a inquietude. Seu time voltou para o segundo tempo com duas alterações: Cueva no lugar de Alison e Rodrigo no lugar de Jean Lucas. Se pouco incomodou no primeiro tempo por ter ficado pressionado em seu campo de defesa, o argentino respondeu fazendo seu time mais ofensivo. Em vez de se fechar, tentou jogar. E a segunda etapa santista foi bem melhor, com boas chances de marcar.

Temos falado muito sobre coragem, sobre formas de propor o jogo, sobre como o futebol brasileiro precisa se libertar do pragmatismo que virou uma espécie de praga que se alastra por todos os lados.

Carille e Sampaoli mostraram coragem neste domingo. Cada um a seu estilo, buscaram a vitória, não se contentaram com pouco, não jogaram apenas "no erro do adversário". 

O jogo não é só o resultado. O 0 a 0 de hoje foi menor do que o futebol produzido em Itaquera pelos dois times.

Sampaoli e Carille no clássico entre Corinthians e Santos
Sampaoli e Carille no clássico entre Corinthians e Santos Gazeta Press


Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Carille e Sampaoli fogem da mesmice no clássico

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Corinthians não fracassa em jogo decisivo em 2019. Até quando?

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


Em 2019 o Corinthians não perdeu nenhum jogo que não poderia perder. Este é o resumo do trabalho iniciado por Fábio Carille no começo do ano.  Venceu os clássicos do Paulista, passou raspando duas vezes contra times muito mais fracos na Copa do Brasil e ontem se classificou na Copa Sul-Americana ao vencer o Racing na Argentina na disputa de pênaltis.

Cássio foi o nome da classificação ao defender a cobrança decisiva do time argentino. O goleiro já está no panteão dos maiores jogadores que vestiram a camisa do clube.

Posto isso, vamos ao jogo. O Corinthians jogou contra o time que está perto da conquista do título argentino e em fim de temporada, portanto, mais pronto. Mas com um detalhe: na ida e na volta escalou a maioria de reservas. Nesta quarta-feira, apenas dois titulares iniciaram a partida.

Mas o time de Carille não perde jogos decisivos em 2019.

O primeiro tempo foi dominado pelos argentinos, no segundo o Corinthians melhorou um pouco ao avançar mais a marcação. Mas ainda assim foi pressionado e teve apenas 32,2% de posse de bola.

Mas o Corinthians de Carille não perde jogos decisivos em 2019.

Ainda no segundo tempo, o Timão teve até chances mais claras de marcar, sempre no contra-ataque, mas não conseguiu. E acabou sofrendo.

Mas o Corinthians não perde jogos decisivos em 2019.

Este é o mantra que pode ser repetido neste começo de temporada de Fabio Carille.

Não estava na conta de nenhum torcedor encarar logo na primeira fase da Sul-Americana um time tão forte quanto o Racing. E depois do empate em casa no primeiro jogo, a classificação também já não era tão esperada.

Mas o Corinthians não perde jogos decisivos em 2019.

As classificações aos trancos e barrancos e vitórias em clássicos dão oxigênio para tudo ser organizado com calma. Mas para esta maré seguir a favor, o Corinthians vai precisar mostrar mais.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Corinthians não fracassa em jogo decisivo em 2019. Até quando?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Corinthians precisa melhorar antes de uma tragédia

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


A expressão de Henrique comemorando o primeiro gol ao fim do primeiro tempo dá a exata medida da confiança que o Corinthians adquiriu ao longo dos últimos anos. Ela dizia: "vamos virar este jogo."

E o Corinthians de fato virou sobre o Avenida em Itaquera pela Copa do Brasil na noite desta quarta-feira: 4 a 2. Mas o placar nem de longe representou o que foi o jogo.

O time de Fábio Carille sofreu horrores para se livrar de um de 2 a 0 contra que se meteu logo no começo do jogo. Os dois últimos gols corintianos saíram depois dos 40 minutos do segundo tempo.

A confiança citada acima foi um combustível importante para a virada. Porque de resto o Corinthians continua jogando menos do que deveria, mesmo considerando que estamos em começo de temporada.

Este é o segundo flerte com tragédia do atual Timão. O outro foi semana passada contra o Ferroviário, também pela Copa do Braisil. Um 2 a 2 em que o rival foi melhor o tempo todo e perdeu pela imensa inferioridade técnica.

Hoje o Avenida não foi melhor do que o Corinthians, mas perdeu também porque é muito mais fraco tecnicamente.

São Caetano, Guarani, Red Bull… são muitos os resultados ruins do time de Carille neste começo de ano. Mas as vitórias em jogos grandes compensaram tudo até agora: Palmeiras e São Paulo.

Difícil imaginar que Carille não consiga fazer este time render mais. Ele diz que já achou a ideia de jogo. Ela pode até existir, mas por enquanto não é muito segura.

Sobretudo porque o sistema defensivo falha mais do que o normal e do que se espera de um time de Carille.

Ainda é cedo para análises definitivas. Mas o Corinthians já deu alguns sinais fortes de que está muito longe do pode. E longe do que se esperava neste momento. Quando uma tragédia começa a bater muito na porta, uma hora a porta se abre.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Corinthians precisa melhorar antes de uma tragédia

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

No caos do Maracanã, a vítima virou culpada

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

Casal corre desesperado nos arredores do Maracanã
Casal corre desesperado nos arredores do Maracanã Gazeta Press

A imagem que simboliza muito do que aconteceu na final da Taça Guanabara do Campeonato Carioca entre Vasco e Fluminense  é esta acima. Um casal vascaíno correndo desesperado tentando proteger um bebê de colo.

No mundo como ele deveria ser, levar uma criança a um estádio de futebol não teria nada demais. Futebol é um lazer do qual o cidadão tem direito de ir e voltar para casa com conforto e segurança.

Mas no Brasil atual não. O casal que passou momentos de terror virou culpado na avaliação de muitos, sobretudo nas mídias antissociais. O pai foi um irresponsável por levar um bebê a um local perigoso. A mãe também.

Pouca coisa simboliza melhor a inversão de valores pelo que passa a sociedade brasileira do que isso. Define-se que estádio de futebol é um campo minado e, portanto, tudo o que acontecer com qualquer torcedor nos arredores é de responsabilidade dele.

Invocam o conselho tutelar, o Juizado de Menores e outras instâncias. E o verdadeiro absurdo do caso, que é uma final não ter torcedor (ou ter ou não ter ou ter ou não ter dependendo do que o juiz de plantão determinar) é tratada com a “indignação marqueteira” de momento e segue o jogo.


Deveríamos lamentar e muito o fato de uma família simplesmente não poder entrar em um estádio de futebol, a manifestação cultural mais importante do nosso país. Mas não: preferimos apontar o dedo para a vítima como se ela fosse a culpada.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

No caos do Maracanã, a vítima virou culpada

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Na final da Taça Guanabara, a vitória valeu pouco

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


Em duas televisões colocadas lado a lado na redação, o bizarro estava à mostra. Em uma delas, cenas de selvageria pura fora do Maracanã. Bombas, gás, correria, gente gritando, gente chorando, cavalos da polícia… Na outra, a bola rolando em silêncio no estádio absolutamente vazio na final da Taça Guanabara.

O que aconteceu na tarde deste domingo no Rio de Janeiro é de tal forma surreal que há argumentos de lado a lado,  pró-Fluminense e pró-Vasco da Gama. E por incrível que pareça quem tem razão não é o mais importante agora. O que importa é que a vitória dentro de campo do Cruzmaltino foi engolida por uma derrota de todos e, principalmente, do futebol carioca e brasileiro.

Há poucos meses estávamos achando inaceitável a final da Libertadores ser disputada na Espanha. Neste domingo, vimos torcedores impedidos de fazer o que é a razão de sua existência: assistir e apoiar seus times em uma final de Taça Guanabara.

Como a vida segue, o futebol precisa ser analisado.

O título do Vasco premiou o time que entendeu suas limitações, fez um jogo simples e sólido, contrariando até as pretensões de início de carreira de Alberto Valentim. Para um clube que sofreu e sofre tanto nos últimos anos, é um alento.

A derrota do Fluminense, por outro lado, não pode ser encarada como fracasso. O time de Fernando Diniz pela forma como joga é uma das coisas mais interessantes deste pobre começo de temporada do futebol brasileiro. Os limites técnicos podem impedir voos mais altos, mas é bom ver coragem em campo.

A Taça Guanabara vale muito pouco hoje em dia e esta é mais uma desserviço que a Ferj presta ao futebol carioca. A de hoje especificamente será muito mais lembrada pelas cenas tristes do que pelo que aconteceu em campo.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Na final da Taça Guanabara, a vitória valeu pouco

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Nem tudo vai bem no Corinthians, nem tudo foi ruim no São Paulo

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi
Carille durante derrota do Corinthians para o Red Bull Brasil
Carille durante derrota do Corinthians para o Red Bull Brasil Gazeta Press


O resultado se impõe: mais uma vitória do Corinthians sobre o São Paulo em Itaquera. Mas o placar não mostra tudo. 

Antes de entrar no ponto que pretendo deste texto, falo logo dos lances polêmicos.

Na minha opinião:

1 - Bola saiu no escanteio que deu origem ao 1o gol do Corinthians

2 - Antony fez falta no Avelar no escanteio que deu origem ao gol do São Paulo

3 - Não achei falta do Love em Volpi no 2o gol do Corinthians

4 - Achei mão do Carneiro no gol anulado do São Paulo.

Agora, sobre a partida, os times, etc…Questões que não se encerram no apito final deste domingo, mas coloca luz sobre o futuro de Corinthians e São Paulo.

O São Paulo de 2019 é tão carente de qualquer ideia que, por incrível que pareça, surpreendeu positivamente. Apenas quando comparado ao que vinha apresentando até então, óbvio. Brigou, lutou, não se entregou, mas seu limite é baixo. E perdeu mais uma vez em Itaquera, o que já não pode ser considerado algo fora do normal.

Mas o time de Mancini ao menos foi minimamente mais organizado do que o de Jardine. O banco para Diego Souza e Nenê e a escalação de Carneiro e Igor Vinicius foram acertos. E a derrota veio por conta de uma falha de Tiago Volpi, que chegou cercado de enorme expectativa, mas até agora não fez ainda o que grandes goleiros fazem: ganhar jogos. Pelo contrário, quando foi exigido, falhou em um gol.

Quanto ao Corinthians, Carille falou na entrevista depois da vitória que está encontrando o time ideal. Mas diante de um rival tão frágil, sua equipe poderia mais. Bola longa, cruzamentos na área...pouco para quem prometeu atuar com posse e troca de passes. A vitória veio mais por conta da fragilidade até psicológica do rival (que afinal nunca venceu em Itaquera) do que exatamente por virtudes corintianas.

De bom, Sornoza centralizado rendendo mais do que atuando pelo lado, Gustavo deixando definitivamente de ser apenas um atacante folclórico (apesar do gol sem querer, mostrou ótimo senso de colocação), e o gol de Manoel para dar confiança.

A vitória em mais um clássico dá uma enorme força mental e psicológica para o Corinthians e isso conta demais no mundo do esporte. Mas além de confiança, vai ter de mostrar mais jogo. E tem como fazer isso.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Nem tudo vai bem no Corinthians, nem tudo foi ruim no São Paulo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A entrevista do anúncio de Cuca foi um resumo do que é o São Paulo

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

Cuca, Palmeiras, 2017
Cuca, Palmeiras, 2017 gazeta press

A maior vantagem da contratação de Cuca sem que o treinador assuma efetivamente o São Paulo é que neste período de “quarentena” ele não poderá ser demitido no clube grande que mais incinera técnicos no Brasil.

A situação é tão vexatória que o presidente Leco foi perguntado por um jornalista na entrevista coletiva sobre o espantoso número de oito treinadores que passaram pelo clube em sua gestão. A resposta foi: - eu não tenho certeza se foram oito mesmo.

Não há maior atestado público de incapacidade, inaptidão e despreparo. Porque tanto faz se foram oito, sete ou nove. Fato é que o São Paulo envergonha sua torcida há dez anos sem nenhum sinal de reação dos dirigentes.

Ou quase nenhum: porque ano passado Diego Aguirre levou milagrosamente o time para a liderança do Brasileiro.  Foi quando a diretoria entrou em ação e o demitiu a cinco rodadas do final do campeonato para dar lugar a André Jardine, provavelmente o erro de avaliação mais grotesco já feito nos últimos anos pelos lados do Morumbi. E olha que erros grotescos não são raros por ali.

RAÍ E LECO PONTUAM SEUS ERROS NO SÃO PAULO

Se Jardine deveria seguir no comando? Está evidente que não, desde quando foi incapaz de manter o time na quarta colocação do Brasileiro ano passado. Mas, justiça seja feita, ele é apenas um dos culpados.

Raí também deu sua contribuição na entrevista coletiva constrangedora. Visivelmente desconfortável, antes de anunciar o óbvio (Jardine não será mais o treinador), um dos maiores ídolos da história do clube passou pelo menos seis minutos falando das qualidades do profissional degolado. Um desavisado teria certeza que estavam falando da contratação de um novo técnico e não de uma demissão.

O nível de vergonha que o clube passa nos últimos anos chegou ao ponto de o anúncio de Cuca ser recebido com críticas sob quase todos os aspectos: desde o fato de que ele assumirá sabe-se lá quando  (depende de questões médicas) e até se é o nome ideal para trabalhar com um elenco lento e com média de idade de 30 anos.

Das duas uma: ou Cuca mudou a forma como pensa o jogo (marcação individual, intensidade máxima…) ou os alguns jogadores terão de ser dispensados.

Enquanto isso, o São Paulo terá Vagner Mancini “quebrando um galho”. Já pensou se por uma obra do acaso ele começa a fazer um bom trabalho?

Comentários

A entrevista do anúncio de Cuca foi um resumo do que é o São Paulo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Corinthians classifica, mas ainda está confuso

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi



Corinthians tem uma vitória contra o Palmeiras dentro do Allianz Parque. E por enquanto, é isso o que garante calma pelos lados de Itaquera. Porque o desempenho do time até aqui tem deixado muito a desejar.

Nesta quinta-feira, o time de Carille por pouco não foi eliminado pelo Ferroviário em Londrina, na primeira fase da Copa do Brasil. Uma falha do goleiro Gleibson no primeiro gol e um chutaço certeiro de Gustavo resultaram nos dois gols do Corinthians, que garantiram o empate salvador.

A ressalva de que ainda é começo de temporada sempre é muito relevante. Há tempo de sobra para que Carille encontre a formação ideal e que os jogadores entrem em forma. O mais importante neste momento é não deixar que nada saia do controle (como um resultado muito ruim em um jogo grande). Neste ponto, o Corinthians até agora não falhou: venceu o Palmeiras e avançou na Copa do Brasil.

Mas Carille precisa ter uma alternativa para quando Jadson não vai bem, precisa encontrar profundidade pelos lados do campo, precisa ter uma zaga minimamente mais  segura.

Carille tem muito trabalho pela frente
Carille tem muito trabalho pela frente Gazeta Press

Outro ponto relevante: Carille prometeu o Corinthians de 2019 com posse de bola. Por enquanto, tem a posse de bola, mas ela não dá nem o controle da partida e nem significa ofensividade.

Em 2017, o Corinthians (também comandado por Carille) quase foi eliminado pelo Brusque na Copa do Brasil. Terminou campeão brasileiro. Resta saber se em 2019 ele vai conseguir encaixar as peças e fazer crescer o nível de atuação de seus jogadores como fez naquele ano.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Corinthians classifica, mas ainda está confuso

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Se o São Paulo se salvar será a vitória do despreparo

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi









Quarta-feira que vem no Morumbi o São Paulo poderá inverter o resultado trágico colhido contra o Talleres em Córdoba porque no futebol tudo é possível, até o improvável.

Porém, mesmo que passe para a próxima fase da Copa Libertadores, isso não apagará a péssima preparação para o jogo na Argentina. A diretoria e a comissão técnica do São Paulo foram se colocando numa espécie de estado de coma aos poucos, com ações importantes que empurraram o time para a U.T.I. da Libertadores.

A demissão de Aguirre ano passado, a efetivação de Jardine, a Florida Cup, o começo de temporada titubeante (para se dizer o mínimo) que o treinador faz até aqui… foram gotas que encheram um copo que agora está a um ponto de transbordar e comprometer toda a temporada.

É verdade que o período de preparação foi curto, que treinadores são cobrados cedo demais e que se continuar assim nunca haverá evolução. Porém, Jardine assumiu o São Paulo dizendo que com o elenco que tinha em mãos poderia entregar mais do que Aguirre tinha entregado. Prometeu jogo ofensivo e posse de bola. Em Córdoba, o time teve 42% de posse. Contra o Santos 46%. Foram os dois jogos importantes que o time fez este ano.

Quando se promete muito, a cobrança no mesmo tom não soa exagerada. E a verdade é que o São Paulo de Jardine é no máximo parecido com o de Aguirre, com uma diferença fundamental: o time do uruguaio, mesmo nos seus piores momentos, não tinha um nível tão baixo de entrega e intensidade como o de Jardine demonstrou em dois jogos grandes: Santos e o segundo tempo contra o Talleres. (Dado aqui o devido desconto para o fato de ser começo de temporada e a questão física pesa).

De boas intenções o inferno está cheio, diz o ditado. Por mais interessante que seja a ideia de Jardine (e por enquanto tudo o que ele tem são ideias, com nenhuma execução aparente no campo) está bem claro agora que era arriscada demais para o momento do clube e os desafios que batiam na porta já em fevereiro.

Agora o estrago parece iminente. Como no futebol tudo é possível, o São Paulo pode até se classificar. Mas nada disso apagará tudo o que vem sendo feito de errado.

Como tragédias podem sempre piorar, Jardine corre o risco de ser demitido e não aceitar voltar para a base, onde tem bom trabalho reconhecido. Será a perda tripla: o São Paulo compromete a temporada, o clube perde um bom sujeito na base e o time principal fica sem treinador.

Vale lembrar que 25 conselheiros viajaram às custas do clube para assistir ao vexame em Córdoba. De perto, à beira do campo, será que enxergaram mais do que a imensa torcida tricolor vem enxergando?

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Se o São Paulo se salvar será a vitória do despreparo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

As lições de Palmeiras 0 x 1 Corinthians

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


Os recados que o clássico Palmeiras 0 x 1 Corinthians passam:

Carille e o Corinthians mais uma vez demonstraram entendimento absoluto do que é um clássico. A maioria dos torcedores quer mais jogo, mais coragem, mais beleza. Mas TODOS os torcedores querem vencer. Se isso é uma pregação pela vitória a qualquer custo? Quem me acompanha sabe que não. 

Mas qual seria a alternativa de Carille diante de um rival jogando em casa, com mais jogadores talentosos e com um time praticamente pronto, senão colocar na cabeça de seus atletas que aquilo era um Palmeiras x Corinthians e que em um jogo desses todos os detalhes são importantes? Foi exatamente isso o que o treinador do Corinthians fez: deixou claro que em um jogo desses tudo o que não pode acontecer é passar ao torcedor a sensação de indiferença. 

Nos clássicos, mais do que nunca, a arquibancada vê sua representação no campo. Carille mais uma vez entendeu isso.

O Palmeiras vai precisar de mais repertório. A superioridade técnica e o elenco muito recheado não vão resolver a vida do time em todas as partidas. Ontem foi o exemplo. Diante de um adversário fechado e muito bem montado, restou ao time de Felipão jogar bolas na área, em vão. 

O Palmeiras tem uma temporada com muitos desafios ao longo do ano. Vai precisar entregar mais coletivamente e ofensivamente. Pelo tempo de casa, as peças e o prestígio que tem, Felipão já poderia estar fazendo isso.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

As lições de Palmeiras 0 x 1 Corinthians

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Ganso e Fernando Diniz: encontro de duas figuras que precisam de mais uma chance

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi


A chegada de Paulo Henrique Ganso ao Fluminense parece o encontro de duas figuras que têm na carreira mais uma chance. Falo do jogador e de Fernando Diniz.

Há anos Ganso tenta ressuscitar o atleta que ele foi no Santos há um bom tempo. Mas o meia clássico desejado na lista da Seleção que foi para a Copa de 2010 deu lugar a outro, irregular, com lampejos de gênio e sumiços dentro de campo. No São Paulo, chegou a ensaiar uma retomada, que nunca se tornou sólida. Na Europa, fracassou tremendamente, terminando sua passagem como reserva no minúsculo Amiens.

Fernando Diniz teve no Athletico Paranaense o melhor cenário da sua carreira: um time bom, o apoio dos dirigentes, a estrutura excelente do clube. Acabou na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e foi demitido. Thiago Nunes pegou tudo o que tinha de bom em seu trabalho, aperfeiçoou e acabou campeão.

Ele tenta agora no Fluminense emplacar mais uma vez seu arrojado (e muito interessante) modo de pensar o futebol.

A chegada de Ganso coloca mais um ingrediente nesta empreitada. Diniz ganha um jogador que tem no passe sua melhor qualidade. E o passe é a base do trabalho do treinador.

Ganso tem mais uma chance na carreira
Ganso tem mais uma chance na carreira Aitor Alcalde Colomer/Getty Images

A esperança de que pode funcionar está nesta ligação entre o jogo de passes do treinador e a principal qualidade de Ganso. Se vai dar certo? A história recente do jogador indica que não. Mas se existe uma chance é esta, com este treinador.

Ganso precisa de Diniz, Diniz precisa de Ganso. O Fluminense precisa do melhor dos dois.

Fonte: Eduardo Tironi, blogueiro do ESPN.com.br

Comentários

Ganso e Fernando Diniz: encontro de duas figuras que precisam de mais uma chance

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Carille sente na pele como é difícil mudar o tipo de jogo

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

Em dezembro de 2016 um desconhecido Fábio Carille assumiu o super vitorioso Corinthians. Na sua entrevista de apresentação, falou por 13 minutos. O diretor de futebol Flavio Adauto falou por 35.


O que se passou depois disso todos sabem. Carille formou um grupo compromissado, um time muito forte defensivamente. Vários jogadores subiram de produção a um nível que não se imaginava, o Corinthians foi campeão paulista e campeão brasileiro, passeando em um primeiro turno espetacular.

Carille voltou ao Corinthians este ano e na entrevista de apresentação falou bem mais. Falou inclusive que pretende jogar com dois meias, que pretende fazer o time atuar de outra forma, tendo mais posse de bola. Algumas entrevistas depois declarou que pretende escalar Vagner Love e um “nove” no

Carille durante derrota do Corinthians para o Red Bull Brasil
Carille durante derrota do Corinthians para o Red Bull Brasil Gazeta Press
ataque.

Em tempo: esta é uma das qualidades do treinador, além de tantas outras: falar escalações, formas de jogar, pensamentos… sem nenhuma preocupação de “entregar o jogo ao inimigo”.

O novo Corinthians ainda está em formação. São poucos jogos, algumas tentativas, mas o único padrão visto até agora foi o de que o time piora seu desempenho a cada apresentação. Se fez uma partida ok contra o Santos em um amistoso antes do Paulista, só foi piorando até chegar à derrota para o Red Bull quinta-feira em Itaquera.

Carille está tentando e não dá para duvidar da capacidade de um sujeito que fez o Corinthians de 2017 campeão. Mas não é um caminho simples e recentemente temos fracassos neste sentido.

Depois da surra que tomou do Barcelona na final do Mundial de 2011 com o Santos, Muricy tentou mudar seu estilo defesa segura/bola parada. Fracassou.

O então novato Rogério Ceni tentou implantar um estilo diferente no São Paulo de 2017 e fracassou. Retomou sua carreira com sucesso no Fortaleza, é verdade.

Fernando Diniz tenta há anos emplacar seu futebol de obsessão pela posse de bola e troca de passes. No Fluminense, por enquanto faz sucesso, mas contra times praticamente amadores do Carioca.

Carille tem um imenso desafio pela frente. No Brasil, fazer um time jogar com posse de bola e imposição pode ser tão complicado como assumir um clube gigante sendo um treinador desconhecido. Um desses desafios ele conseguiu superar.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Carille sente na pele como é difícil mudar o tipo de jogo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Sampaoli contrariou verdades estabelecidas no futebol brasileiro

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi
Jorge Sampaoli está com 100% de aproveitamento em jogos oficiais pelo Santos
Jorge Sampaoli está com 100% de aproveitamento em jogos oficiais pelo Santos gazeta press

Em pouco  mais de 90 minutos, Sampaoli não só dilacerou o São Paulo como contrariou verdades estabelecidas no futebol brasileiro. São elas:

  1. Sem um elenco recheado e ideal, não é possível jogar de forma ousada e ofensiva.

    O Santos deste domingo foi melhor e incansável durante todo o primeiro tempo e foi premiado com um gol no final. O padrão brasileiro indicava um time retraído na segunda etapa. Pois Vanderlei não fez uma única defesa e o Alvinegro seguiu intenso, veloz, buscando a vitória. 2 a 0 foi pouco.

    2. Com pouco tempo de trabalho é muito difícil implementar um padrão de jogo. 

       Sampaoli fez seu primeiro treino com o Santos no dia 2 de janeiro, mais ou menos no mesmo momento que outros treinadores que iniciam seu trabalho nesta temporada por aqui. E, independentemente dos resultados, o Santos é o time brasileiro que mais é possível enxergar a filosofia do treinador entre todos aqueles que mudaram de comando do ano passado para cá.

Se o argentino terá vida longa no Brasil é difícil prever. As cascas de banana no caminho são muitas e ele pode ser engolido no meio do caos.

Mas em seu único mês no Brasil foi possível enxergar um futebol raramente visto por aqui. Sua presença pode servir como um desafio para nossos professores.

Comentários

Sampaoli contrariou verdades estabelecidas no futebol brasileiro

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Obsessão por cifras fez o Corinthians pagar mico. E o torcedor é que sofre

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

A profissionalização do futebol no mundo todo e a transformação deste esporte em uma mina de dinheiro fizeram brotar no torcedor uma certa obsessão por cifras nos últimos tempos.

Muita gente passou a comemorar como um título de Libertadores quando um contrato novo do seu clube é fechado (com números vitaminados) ou quando um jogador médio é vendido por uma bela grana e possíveis ganhos futuros.

Os mais radicais passaram a se emocionar com o pagamento de dívidas, certidões negativas de débito, etc, etc… Sem falar nos contratos de TV, que provocam discussões sangrentas no bar, no Twitter, nos trabalhos e salas de aula.

O Flamengo está aí para provar que o caminho da austeridade e responsabilidade vale a pena. Apertou o cinto nos últimos anos e agora pode se dar ao luxo de torrar uma grana preta em reforços, alguns que possivelmente valem menos do que o valor pago. Mas quem tem dinheiro pode se dar ao luxo de fazer isso, desde que com responsabilidade.

A obsessão pelo dinheiro (e clubes precisam ser saudáveis financeiramente, isso não se discute) chegou à parte da cartolagem da pior maneira possível. Alguns seguiram gastando o que tem e o que não tem acreditando que o resultado do campo pode pagar qualquer barbaridade que se faça com as contas.

Outros fazem o que fizeram os cartolas corintianos no meio da semana. Jogaram no ar um papo de que o patrocínio com a BMG vai dar ao Corinthians muito mais do que o que está garantido. R$ 30 milhões anuais viraram R$ 12 milhões quando a própria BMG revelou os valores verdadeiros em ata.

O Corinthians não chegará em hipótese alguma aos R$ 30 milhões? PODERÁ chegar, embora seja pouco provável diante dos resultados da própria instituição financeira nos últimos anos. Há uma aposta (alta) na fidelidade do torcedor corintiano para que essa grana toda entre. Portanto, é melhor aguardar.

Mas os cartolas corintianos não só deram a entender no primeiro momento que tudo seria muito simples como ainda fizeram uma comparação entre aquilo que o Corinthians acabara de fechar com o negócio entre Palmeiras e Crefisa. Por provocação ou outro motivo desconhecido. Fato é que o tiro saiu pela culatra.

Restou constrangimento à torcida do Corinthians. Esta que os dirigentes esperam que vitamine o patrocínio e traga os tais R$ 30 milhões.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Obsessão por cifras fez o Corinthians pagar mico. E o torcedor é que sofre

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O elenco reforçado do Fla pode ajudar Diego. Renovar foi uma boa

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi
Sem a missão de ser protagonista, Diego pode ser útil ao novo Fla
Sem a missão de ser protagonista, Diego pode ser útil ao novo Fla gazeta press

Com um vídeo curto e bem humorado postado em sua conta no Twitter, Diego Ribas anunciou a renovação de seu contrato com o Flamengo nesta terça-feira.

Desde que desembarcou no Rio de Janeiro, Diego nunca conseguiu ser o que a torcida esperava: um líder indiscutível e, dentro de campo, um jogador que pudesse mudar significativamente o nível de jogo do time. O problema está no jogador ou está na expectativa criada? Fico com a segunda opção.

Ao longo de toda a sua carreira, ele sempre foi um bom jogador e muito regular (sem altos e baixos). Mas poucas vezes teve depositado em suas costas o manto de protagonista. Quando surgiu no Santos, dividia a missão de líder com Robinho. No Werder Bremen, sim, teve este papel. Nos outras equipes de sua ótima carreira internacional foi útil, mas nunca foi “o cara”.

O “novo” Flamengo que surge agora, recheado de ótimos jogadores sobretudo do meio para a frente, pode ser uma ótima boa para Diego. Ele não terá a responsabilidade de ser o camisa 10 em todos os sentidos do Rubro-Negro, mas poderá ser uma peça muito útil para o conjunto.

A estratégia de Abel será a de utilizar dois times para a temporada dura que vem pela frente. Neste aspecto, descartar uma figura como Diego parecia uma má ideia. Comparando: mesmo quando rendia muito pouco no Palmeiras, Lucas Lima nunca foi rifado. Sua importância ficou clara na campanha do título brasileiro de 2018.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

O elenco reforçado do Fla pode ajudar Diego. Renovar foi uma boa

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Palmeiras e Flamengo travam uma Guerra Fria da bola

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

Quando acabou a Segunda Guerra, o mundo foi dividido em duas correntes político/econômicas, uma liderada pelos Estados Unidos, a outra pela então União Soviética.

Por praticamente quarenta anos, cada umas das potências lutou para ter mais influência sobre os destinos do planeta. Foi neste cenário que nasceu a Guerra Fria.

Esta "aula" chinfrim de história (não sou professor, desculpe) é só para fazer um paralelo com o que ocorre no futebol brasileiro neste momento. Palmeiras e Flamengo formam as duas potências no país neste momento e parecem estar disputando uma Guerra Fria da bola.

Estados Unidos e União Soviética travaram uma batalha feroz pela produção de armamentos cada vez mais letais e por uma corrida espacial maluca do pós-guerra até os anos 80. Os clubes paulista e carioca fazem o mesmo no mercado de jogadores atualmente. O rubro-negro 'rapela' adversários nacionais contratando Gabigol e Arrascaeta numa tacada só; o alviverde contra-ataca e fecha com Ricardo Goulart.

As agremiações mais ricas do país na atualidade mostram seus músculos a cada ida ao mercado. Nenhum outro rival é capaz de acompanhar. 

O São Paulo, por exemplo, gastou um bom dinheiro para trazer Hernanes e Pablo, mas não conseguiu manter o ritmo de seus rivais e parou por aí. O Corinthians, enrolado em problemas financeiros, tentou o bom e barato, esperando que o técnico Fábio Carille melhore o desempenho de algumas peças que hoje são apostas.

Enquanto isso, Fla e Palmeiras têm praticamente dois times para encarar o calendário rigoroso que terão pela frente.

A Guerra Fria durou até o fim dos anos 1980. A União Soviética foi incapaz de seguir investindo quando os Estados Unidos criaram o projeto Guerra nas Estrelas, um sistema de defesa sofisticadíssimo que envolvia o envio de equipamentos militares para o espaço. A Cortina de Ferro desabou, e o mundo mudou.

Palmeiras e Flamengo seguem na sua Guerra Fria futebolística. 

Será que vai chegar ao momento em que um deles vai ser incapaz de seguir investindo?

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Palmeiras e Flamengo travam uma Guerra Fria da bola

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Que tipo de jogo Flamengo e Palmeiras podem oferecer ao torcedor?

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

Felipão tem elenco para mostrar um futebol ousado
Felipão tem elenco para mostrar um futebol ousado Divulgação / Palmeiras

Flamengo e Palmeiras iniciam a temporada de 2019 como as principais forças do futebol brasileiro. Têm os melhores elencos, mais dinheiro em caixa e disputarão quase todas as mesmas competições.

Há algo mais em comum: os dois clubes terão no seu comando treinadores medalhões, com longa estrada na carreira.

As comparações sobre qual é o melhor time e quem terá mais sucesso na temporada já começaram, o que é absolutamente natural. Esta é a época do ano em que a confiança do torcedor ainda está intacta.

Mas que tipo de jogo Felipão e Abel Braga oferecerão ao torcedor? A história dos dois desencoraja qualquer esperança quanto a um futebol moderno ou ousado. Mais prudente esperar pelo jogo defensivo muito seguro, que pode, sim resultar em títulos.

A maioria dos torcedores do Palmeiras e do Flamengo está pouco preocupada com o tipo de jogo. O que interessa é levantar taças e não há nenhum problema nisso.

Mas a presença de elencos tão fartos e tão caros poderia despertar incômodo em Felipão e Abel de tentar produzir um futebol interessante. Os dois treinadores não têm uma das muletas mais utilizadas para justificar o jogo pragmático o tempo todo: a da falta de material humano.

Do meio para frente, o time que pode ser o titular do Flamengo, por exemplo, tem jogadores muito talentosos e com passagem pelo futebol europeu, exceto Arrascaeta que, por outro lado, é da Seleção do Uruguai.

O elenco do Palmeiras tem jogador que já disputou Copa do Mundo, além do melhor jogador do último Brasileiro. E um elenco muito forte e equilibrado.

Abel e Felipão nunca quiseram ser o que não são. Nunca posaram de grandes estrategistas, mas sempre entregaram taças pelos clubes que passaram. Seus estilos e formas de trabalhar podem muito bem dar a Flamengo e Palmeiras os títulos que os torcedores desses times querem.

Mas pelo material que têm em mãos e pela estrada que têm, os dois treinadores poderiam buscar um jogo mais elaborado. Há material para se fazer isso.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Que tipo de jogo Flamengo e Palmeiras podem oferecer ao torcedor?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Vamos tomar um café?

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi
O presente que ganhei do João
O presente que ganhei do João Acervo pessoal


Outro dia iniciei um exercício. Escolhi um punhado de seguidores meus de Twitter e mandei mensagens diretas a eles convidando-os para um café. A regra para o convite era bem simples: sujeitos que normalmente me ofendiam na rede social por discordarem de mim.

Confesso que a ideia não foi original. Copiei de uma palestra que vi na internet de uma política estrangeira que no seu país é muito discriminada por ser descendente de imigrantes.

Pois bem, o resultado não foi dos melhores. Alguns convidados não só NÃO me responderam como me bloquearam, como seu eu fosse uma ameaça. Outros foram educados, ficaram surpresos, mas nunca estiveram disponíveis para o café: ou moravam longe ou tinham compromissos inadiáveis... Fato é que aguardo até hoje a possibilidade de encontrar pessoalmente esta gente, debater, trocar ideias, discordar sempre com elegância, olhar no olho e ver quem são elas, do que se alimentam, quais suas motivações. Será engrandecedor. Sigo tentando.

Esta semana chegou para mim na TV um pacote volumoso, vindo do correio. Peguei lá um estilete para rasgar o papel e ainda brinquei: é capaz de ser antraz. Risos sem graça.

Rasgado o papel, achei uma moldura grande de 35x48. Dentro dela, protegida por vidro, um recorte de jornal com a minha coluna de despedida do Diário LANCE!. Atrás do quadro, uma carta de João Batista Andrade Lopes.

Ele lamentava que a partir dali não poderia mais ler meus textos, me desejava boa sorte, sucesso e me enviava uma bênção de Nossa Senhora.

Aquilo deu muito trabalho. O João recortou uma folha do diário, mandou enquadrar, achou um endereço em que eu poderia estar, foi até o correio, pagou pelo envio sem não ter nem sequer a certeza de que chegaria ao destino.

Curioso um mundo em que para discordar é quase sempre necessário ser violento, além de ter apenas de apertar um botão e ter a certeza da distância. Curioso este mesmo mundo ser habitado por gente que ainda manda um objeto pelo correio só para desejar boa sorte.

Não quero viver numa bolha de elogios. Acho a crítica importante. Me ensina, me faz refletir, me faz voltar atrás, me faz reforçar convicções, me faz melhor.

Em 2019 quero mais pacotes grandes. Mas quero também ter a chance de tomar um café com alguém que não gosta de mim ou das minhas ideias. Quero mais debate com quem discorda, mas com a elegância do João Batista.

Comentários

Vamos tomar um café?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Tempestade de desinformação na temporada de contratações

Eduardo Tironi
Eduardo Tironi

Este texto abaixo foi escrito no dia 30 de janeiro de 2018 (portanto há quase um ano) em meu antigo blog no LANCENET!. Era sobre a temporada de contratações. Como permanece muito atual, reproduzo aqui. 


Quem seu time vai contratar?

Mano Menezes será o técnico do Palmeiras e Mina ficará no clube até o meio do ano. Cuca será treinador do Galo e Walter, goleiro do Corinthians, irá para o São Paulo. Já o zagueiro Gil irá para o Palmeiras, enquanto Nino Paraíba irá para o Morumbi. O Corinthians terá de volta Leandro Castán e Jô irá para o Napoli. Tinga trabalhará no Verdão enquanto Mano Menezes, que estaria no Palmeiras, irá mesmo é para a seleção do Paraguai. Kaká encerrará seu contrato nos Estados Unidos e voltará ao São Paulo. Miranda também retornará ao Tricolor. Cuca, que seria treinador do Galo, será na verdade do São Paulo, que também terá Pato de volta. Enquanto isso, Robinho irá para o Corinthians e Lucas Moura para o Cruzeiro. Abel será o treinador do Palmeiras. Ou melhor: Jair Ventura. E Ralf estará no São Paulo. Mas Reinaldo (Chape) acertará com o Corinthians. Felipão treinará alguma seleção que disputará a Copa do Mundo. E Cuca, que estaria no Galo e no São Paulo será, na verdade, treinador do Flamengo. Carleto irá para o Cruzeiro. E Pablo fechará com o Palmeiras, que também terá William (Chelsea). Gabigol sairá da Europa para jogar pelo Flamengo e Rafinha irá para o Palmeiras, que também contará com Deivid, do Vitória. Tevez será do Flamengo e Alejandro Silva do São Paulo. Pablo, que seria do Palmeiras, jogará na verdade no Mengão. Ricardo Oliveira será do Cruzeiro, Geromel do Palmeiras e Trellez do Corinthians. E Ricardo Goulart do Verdão. Mina irá para a Alemanha e Pratto irá para o Cruzeiro. Calleri será do Fla e Diego Souza do Vasco. Luan sairá do Galo para virar cruzmaltino também. Rildo no Bahia e Mena no Corinthians. Fred vai para o Fla e Fernando Torres para o Palmeiras. Ou melhor, para o Flamengo. Barcos no Botafogo. Robinho jogará pelo Vasco e Zeca pelo Fla. Vizeu será santista e Vagner Love voltará ao Timão ou para o Flamengo. Ganso sairá da Europa para retornar ao São Paulo.

Tudo isso que está escrito acima foi divulgado durante a janela de transferência que agitou o futebol brasileiro neste começo de ano. E, caro leitor, se você está acompanhando com atenção o mercado, sabe que nenhuma dessas contratações aconteceu.

A quem interessa a divulgação de uma possível acordo que no fim das contas não acontece? O leitor fica satisfeito apenas em saber que seu time sonha com um jogador? Quem certamente lucra são os empresários dos atletas, que raramente dão entrevistas em on, mas passam todo o período do mercado alimentando jornalistas de “informações” que, como se viu no começo deste texto, não acontecem. Quem certamente sai perdendo é o jornalismo esportivo.

Se a profissão vive tempos difíceis e desafiadores com a proliferação das fake news, que coloca a credibilidade em xeque, tudo isso obrigatoriamente se aplica ao jornalismo esportivo. Com o agravante de que a editoria de esportes já é bombardeada frequentemente por lidar com um tema que envolve paixão.

O jornalismo esportivo, antes de ser esportivo, é jornalismo. E o bom jornalismo tem como missão prioritária a busca da verdade. Tudo o que a profissão não precisa neste momento é de mais combustível que coloque em dúvida seu valor.

Fonte: Eduardo Tironi

Comentários

Tempestade de desinformação na temporada de contratações

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading