Federação Paulista e TJD erram feio. Mas Palmeiras não ajuda a expor os absurdos

Gian Oddi
Gian Oddi
Maurício Galliote, presidente do Palmeiras: rompido com a FPF
Maurício Galliote, presidente do Palmeiras: rompido com a FPF ESPN

.

O Palmeiras tem, desde abril do ano passado, inúmeras razões para se irritar, criticar, e combater judicialmente a Federação Paulista de Futebol e o Tribunal de Justiça Desportiva do Estado.

Tudo começou com a  estranha posição da Federação Paulista ao se recusar a investigar a suposta interferência externa na arbitragem da final do Campeonato Paulista de 2018 contra o Corinthians.

Não está em pauta aqui o pênalti (que para mim não houve) daquela final em si, até porque o clubismo impregnado nessa discussão acaba por ofuscar o que de mais importante houve em todo aquele imbróglio: o desinteresse da FPF por buscar a verdade sobre a eventual interferência externa e, se possível, melhorar.

Ao contrário do que fazem até os mais maquiavélicos bandidos da política brasileira, a batida frase “vamos apurar o que houve e, se necessário, tomar as providências devidas, punir os culpados e evitar que esse tipo de coisa volte a acontecer” foi imediatamente descartada pela Federação. Por mais que houvesse indícios da tal interferência, à FPF nunca interessou saber.


Um ano depois, a briga entre Palmeiras e Federação Paulista segue firme (alimentada por embates da política alviverde que não interessam aqui) e, quem diria, viu a entrada de uma terceira instituição que deveria ser, pelo menos em teoria, “independente”: o TJD-SP.

Na semana passada, o presidente desse tribunal, Antonio Olim, respondeu assim aos questionamentos do Palmeiras a respeito de uma possível má utilização do VAR nas quartas-de-final contra o Novorizontino:

“Chamar de Paulistinha, quer esculachar? Desculpa, isso é uma vergonha para o Palmeiras, vamos ganhar na bola, no jogo, vamos parar de chorar. O Palmeiras é um grande clube, mas esse cara (Maurício Galiotte) pensa num mundinho pequeno, tem de pensar no Palmeiras, e não pensar num timinho”.

Não discordo inteiramente da afirmação (logo chegaremos lá), mas certamente não caberia a Olim emitir tal opinião, nessa forma, dias antes de participar de julgamentos importantes envolvendo o clube.

Chegamos então a esta quinta-feira, quando o portal UOL informa que este mesmo Tribunal pode ter tirado o meio-campista Moisés do Paulista através de uma manobra “sem previsão na legislação esportiva. Consultado pelo portal a respeito do fato, o TJD se limitou a dizer que a manobra está “prevista no regimento interno do tribunal”, se recusando, porém, a mostrar o regimento (ao contrário do que é praxe em diversos tribunais, desportivos ou não).

De novo: é séria e grave a falta de transparência de Federação Paulista e, agora, do TJD-SP. O Palmeiras tem razão para se incomodar.

O clube, porém, age de maneira contraproducente para escancarar os absurdos quando toma suas atitudes muito mais com o coração do que com a razão.

Ir às redes sociais menosprezando o Campeonato Paulista chamando-o mais uma vez de “Paulistinha” é não apenas um desrespeito aos torcedores que já pagaram (caros) ingressos para assistir às suas partidas, como uma incoerência sem tamanho para quem chega a priorizar a escalação no tal “Paulistinha” em detrimento da Libertadores. Vociferar contra lances de arbitragens discutíveis atribuindo-os ao rompimento com a Federação também não ajuda em nada, é apenas mais do mesmo.

O Palmeiras tem motivos reais para reclamar e precisa se ater a eles, combatendo-os com informação e equilíbrio, através de procedimentos jurídicos e de comunicação. Caso contrário, as manifestações do clube só dão margem para serem ignorados e ironizados. O que só é bom para a Federação Paulista e, claro, para o “independente” TJD.

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Fonte: Gian Oddi

Comentários

Federação Paulista e TJD erram feio. Mas Palmeiras não ajuda a expor os absurdos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Brasileiros avançam com bom futebol na Libertadores. E a Conmebol precisa ressaltar: é isso que conta

Gian Oddi
Gian Oddi

Com ótimas atuações em seus jogos de volta pelas oitavas de final da Conmebol Libertadores, Flamengo, Palmeiras e São Paulo se uniram ao Atlético-MG (de atuação pouco brilhante) e já estão nas quartas de final do torneio, que ainda podem contar com Internacional e Fluminense. Ou seja: dos oito times na próxima fase da competição, seis podem ser brasileiros.

Que os resultados são reflexo de maior potencial técnico e de maior capacidade de investimento das equipes brasileiras parece óbvio, tanto que os quatro times do país já classificados às quartas eram, antes mesmo de seus confrontos, pelos elencos que têm, os favoritos para avançar na competição.

Reflete-se assim, portanto, uma realidade relativamente nova da principal competição sul-americana de clubes: ao contrário do que imperou por décadas na Libertadores, ser melhor jogando futebol, entre as quatro linhas apenas, é cada vez mais relevante e suficiente para se atingir boas campanhas no torneio.

Cenas lamentáveis! Nos túneis do Mineirão, Boca e Atlético-MG entram em confronto, e grades e lixos são arremessados; veja

Apesar das reclamações de arbitragem favorável aos times brasileiros (algumas justas, outras, não), o lugar-comum de que “Libertadores se ganha nos bastidores”, “na catimba” ou “na porrada” vai aos poucos, de forma gradual, ficando para trás.

Há, porém, como se viu no segundo confronto entre Atlético e Boca Juniors, quem ainda encare a Libertadores como uma competição bélica, na qual um jogo de futebol, se não puder ser vencido com gols, será vencido com intimidações, socos, pontapés e depredações.

Não se trata de criar estereótipos sobre nacionalidades, de repetir clichês tolos e injustos, de querer rotular argentinos, uruguaios, brasileiros ou bolivianos.

Se trata tão somente de avaliar episódios específicos e dar a eles os tratamentos justos e necessários para confirmar o que é uma inegável, ainda que lenta, evolução na competição. Se a Conmebol tiver interesse em desfazer a ideia por tantos anos tão comum de que na Libertadores o futebol é um detalhe, ela não deveria ignorar ou minimizar o bizarro episódio de quarta-feira à noite no Mineirão.

A cobiçada taça da Libertadores
A cobiçada taça da Libertadores Twitter Oficial Conmebol


 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Brasileiros avançam com bom futebol na Libertadores. E a Conmebol precisa ressaltar: é isso que conta

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Campeão por campeão: a análise de cada jogador na merecida (e coletiva) conquista da Itália

Gian Oddi
Gian Oddi

Campeã da Euro-2020 após a vitória nos pênaltis na decisão contra a Inglaterra, a Itália fez por merecer sua conquista mais que qualquer outra seleção. Não porque tenha jogado muito melhor que todos seus rivais, pois neste aspecto houve notável equilíbrio – e a Itália esteve, certamente, entre as melhores.

Também não é pelo fato de os italianos, na casa do rival, terem tido 65% de posse de bola na final e terem finalizado 19 vezes (6 no alvo) contra apenas 6 finalizações (2 no alvo) dos ingleses que a conquista se torna mais merecida. Estes números, afinal, são um reflexo do contexto que se apresentou na decisão após o gol inglês logo no início.

O título italiano é merecido, acima de tudo, porque o trabalho de seu treinador, Roberto Mancini, é de longe o melhor entre os treinadores das grandes seleções da Euro-2020.  Mancini transformou em campeã europeia, com uma invencibilidade de 34 jogos, uma seleção que não havia nem mesmo se classificado para a Copa do Mundo de 2018.

Comemoração italiana! Leonardo Bertozzi é 'atrapalhado' por rostos conhecidos comemorando título da Itália na Eurocopa


E  o fez sem grandes estrelas. Sem nomes como Mbappé, Pogba, Lukaku, De Bruyne, Cristiano Ronaldo ou Harry Kane. O fez com um elenco de bons jogadores (alguns dos melhores perdidos por lesões antes ou durante o torneio), mas que, no conjunto, se comparado, fica atrás de pelo menos quatro outras seleções que disputaram esta Euro.

O título da Itália é um título coletivo. O título de um grupo, acima de tudo. O que não nos impede de analisar, uma a uma, as participações dos 27 jogadores do elenco de Roberto Mancini na conquista:

Elenco italiano celebra com o goleiro Donnarumma após pênaltis defendidos na final
Elenco italiano celebra com o goleiro Donnarumma após pênaltis defendidos na final Twitter oficial Eurocopa

5 ESTRELAS

Donnaruma – eleito o melhor jogador do torneio, foi o campeão com mais minutos em campo e fundamental nas disputas de pênaltis contra Espanha e Inglaterra.

Jorginho – Apesar do erro no pênalti na final, foi o dono do meio-campo italiano durante toda a Euro e o jogador de linha que mais atuou entre o elenco campeão.

Bonucci e Chiellini – É justo manter a dupla da Juventus unida também nesta avaliação: segurança, experiência e liderança em dobro. Ter recuperado Chiellini após a lesão contra a Suíça foi essencial. E Bonucci ainda fez o gol de empate na decisão.

 

4 ESTRELAS

Spinazzola – Enorme na defesa e no apoio, era o melhor jogador da Itália até se machucar nas quartas-de-final contra a Bélgica.

Insigne – Ainda que se esperasse mais momentos brilhantes como o gol contra a Bélgica, deu muito trabalho às defesas adversárias durante toda Euro. O mais técnico ao lado de Chiesa.

Chiesa – Ganhou a vaga durante a Euro não por lesão de um titular, mas por desempenho técnico. Vinha muito bem na final até se machucar. Um dos cinco jogadores do elenco a marcar dois gols.

Verratti – Recuperou-se da lesão que colocou em dúvida sua participação na Euro e atuou bem o suficiente para manter Locatelli no banco de reservas.

 

3 ESTRELAS

Di Lorenzo – Ganhou lugar no time pela lesão de Florenzi e não saiu mais. Mesmo sem ser brilhante, foi defensivamente seguro em quase todos os momentos dos jogos eliminatórios.

Barella – Titular em todo o torneio, fez importante gol contra a Bélgica, mas não rendeu na seleção o mesmo que na Inter. 

Berardi – Fez ótima estreia contra a Turquia, mas depois acabou perdendo a vaga de titular graças ao bom rendimento de Chiesa. Virou opção importante no banco.

Emerson – Teve a dura missão de substituir Spinazzolla após sua lesão nas quartas. Ainda que sem o mesmo brilho, e apesar de início titubeante na final, cumpriu sua função.

Pessina – Tirando o jogo contra Gales, que pouco valia e no qual fez um gol, atuou por poucos minutos. Mas entra aqui pelo gol decisivo marcado nas oitavas contra a Áustria.

Immobile – Fez dois gols nos dois primeiros jogos, brigou muito, foi sempre titular, mas suas atuações foram bem abaixo da média do que costuma mostrar pela Lazio.

 

2 ESTRELAS

Locatelli – Titular nos dois primeiros jogos na ausência de Veratti. Teve atuação monstruosa contra a Suíça, quando fez dois gols. Depois disso, não chegou a somar 40 minutos em campo.

Acerbi – Substituiu o machucado Chiellini contra a Suíça, entrou também contra Gales e foi titular com boa atuação nas oitavas de final contra a Áustria.

Belotti – Substituto de Immobile, só foi titular contra Gales, mas entrou em outras 5 partidas. Contudo, não conseguiu marcar e ainda perdeu seu pênalti na final.

Toloi -   Jogou 20 minutos contra a Suíça, foi titular contra Gales e entrou nas partidas das quartas contra a Bélgica (bem no final) e na semi contra a Espanha (16 minutos + prorrogação).

Cristante - Jogou poucos minutos por partida, mas, exceção feita à semifinal contra a Espanha, participou de todas elas.

Bernardeschi - Só foi titular contra a Gales. Entrou na semi contra a Espanha e na final contra a Inglaterra, convertendo seus pênaltis nas disputas de penalidades dos dois jogos.

 

1 ESTRELA

Bastoni, Florenzi, Raspadori, Castrovilli, Sirigu e Meret - Com exceção de Meret, que nem chegou a atuar, todos jogaram por pelo menos um minuto no torneio, mas não foram peças fundamentais na conquista. Bastoni atuou o jogo toda contra Gales, em que a Itália cumpria tabela, e Florenzi, que seria o titular da lateral-direita na Euro, deixou o time após a lesão com 48 minuto de estreia para só voltar nos últimos minutos da prorrogação da final.


 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Campeão por campeão: a análise de cada jogador na merecida (e coletiva) conquista da Itália

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Além de um inspirado Messi, Argentina encontrou sua tão cobrada base. Veja qual é

Gian Oddi
Gian Oddi

Lionel Messi é até aqui o artilheiro da Copa América. O líder de assistências. Das seis partidas disputadas pela Argentina, foi eleito o melhor em campo em quatro delas – contra Chile, Uruguai, Bolívia e Equador. Diante desses fatos, é normal que se crie a narrativa da messidependência e, mais do que isso, que se ignore qualquer evolução no trabalho de um técnico inexperiente como Lionel Scaloni.

A Argentina não é brilhante, assim como o (hoje favorito e bem mais consolidado) Brasil não o é, mas sua marca de 17 partidas de invencibilidade com 10 vitórias e 7 empates não pode ser atribuída apenas às atuações de Messi.

Scaloni definiu a base que tantas vezes foi acusado de não encontrar por mexer muito na equipe. Com critérios lógicos – aquilo que (não) fizeram nos seus clubes durante a temporada –, deixou de convocar nomes badalados como Dybala e Icardi. Pelo mesmo motivo, deu chances a jogadores como Dibu Martinez, Cuti Romero e Nico González, hoje seus titulares. Fez vários testes e com base neles tem definido escalações e alterações.

É o que se espera de um técnico de seleção. E de alguém com uma carreira curta como a de Scaloni não dava para esperar ou exigir muito mais.

Adriano detalha gol histórico contra Argentina na Copa América e admite: 'Dei uma cotovelada no cara, mas não pegou'; assista

     

Os argentinos vivem um tabu de 28 anos sem conquistas com sua seleção principal, o que muitas vezes faz com que se coloque num mesmo balaio trabalhos de níveis bem diferentes dos que dirigiram a Albicesleste nesse período. Um período no qual, já com Messi, a Argentina chegou a uma final de Copa do Mundo e três finais de Copa América (sem contar a atual) – todas elas perdidas, duas nos pênaltis.

No futebol, contudo, uma desafortunada derrota nas penalidades muitas vezes é capaz de condenar um bom trabalho da mesma forma que uma vitória imerecida é capaz de consagrá-lo. O desfecho da grande final deste sábado (10) pode, inclusive, ser o mesmo das últimas disputadas pela seleção argentina.

Uma nova (e até mais provável) derrota para o Brasil, porém, não deveria ocultar o fato de que uma nova base existe, sim. E é esta abaixo:

No gol, aproveitando-se do espaço deixado pela ausência de Franco Armani (River Plate) por causa da COVID-19 já nos últimos jogos das Eliminatórias, Emiliano Martinez (Aston Villa), após ótima temporada na Premier League, tomou a posição de titular e parece ter se consolidado no posto com as defesas dos três pênaltis diante da Colômbia na semifinal da Copa América.

As laterais talvez tenham sido e ainda sejam as posições com maiores dúvidas para Scaloni. Hoje, porém, o jovem Nahuel Molina (Udinese) parece estar um pouco à frente de Montiel (River Plate) do lado direito, enquanto na esquerda a escolha entre Tagliafico (Ajax) e Acuña (Sevilla) fica condicionada a uma ideia de jogo respectivamente mais ou menos prudente, de acordo com o adversário.

Entre os zagueiros, Cuti Romero (Atalanta), um dos melhores defensores do último Campeonato Italiano, tornou-se em poucos jogos pela seleção nome indiscutível entre os 11, ainda que não deva jogar contra o Brasil por problemas físicos. Talvez para compensar sua falta de experiência, na cabeça de Scaloni o seu parceiro ideal é hoje o experiente Nicolás Otamendi (Benfica). Assim, Germán Pezzella e Martinez Quarta (ambos da Fiorentina) tornam-se as opções seguintes na hierarquia do treinador.

No meio de campo, já faz algum tempo, o técnico elegeu Leandro Paredes (PSG), Rodrigo De Paul (Udinese) e Giovani Lo Celso (Tottenham) como seu trio base e geralmente titular – meio-campistas dinâmicos, que marcam e jogam. A Copa América, porém, lhe trouxe a boa alternativa do nome de Guido Rodriguez (Betis), opção mais defensiva e especialmente útil em confrontos contra adversários mais técnicos como Colômbia e Brasil.

A exemplo do que ocorre no meio, o trio ofensivo base de Scaloni também já está claro e é composto por Lionel Messi (Barcelona?), Lautaro Martinez (Inter) e um voluntarioso Nico González (agora Fiorentina), que por sua enorme dedicação tática ficou com a vaga que também pode ser ocupada por Di Maria (PSG) ou Papu Gomez (Sevilla), hoje alternativas para o segundo tempo ou para enfrentar times contra os quais a necessidade de recompor seja menor.

A base está aí, sujeita a mudanças de acordo com adversário ou contextos específicos, e podendo no futuro ter acréscimos de outros bons jogadores hoje nem convocados. E ainda que Scaloni esteja longe de ser um dos melhores técnicos do mundo e de fazer sua seleção brilhar (quem faz?), sua permanência no comando da Argentina, seja qual for o resultado deste sábado, é uma obviedade que não deve ser nem mesmo discutida.

Messi: sua Copa América excepcional ofusca as evoluções da Argentina
Messi: sua Copa América excepcional ofusca as evoluções da Argentina Getty

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Além de um inspirado Messi, Argentina encontrou sua tão cobrada base. Veja qual é

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Piadas, provocações e mais um show midiático: agora em Roma, o Mourinho de sempre

Gian Oddi
Gian Oddi


Quem esperava um José Mourinho redimensionado, diferente e eventualmente mais focado no futebol talvez tenha se decepcionado com as respostas vagas sobre ideias táticas ou a utilização de jogadores como Zaniolo. Já aqueles que resolveram assistir à apresentação do técnico português na Roma atrás de um show midiático de uma das figuras mais carismáticas do futebol mundial certamente curtiram.

Entre muitas piadas, algumas estocadas (“tem quem ganha e não paga os salários”, disse, em clara referência à Inter) e as já tradicionais exaltações da própria carreira, Mourinho foi mais ou menos o Mourinho de sempre. Numa sala de imprensa cheia de jornalistas de todo o mundo, o técnico português iniciou sua fala citando o imperador Marco Aurélio e brincou sobre o desejo de encerrar a entrevista antes mesmo que ela começasse.

Levantou-se uma vez, ainda no início, para arrancar pessoalmente uma proteção nas janelas que fazia barulho por causa do vento. Em mais de uma oportunidade, mesmo que com simpatia, solicitou o fim da entrevista ao responsável pela comunicação (“quero treinar!”), que, contudo, pediu paciência ao português.

De diferente, talvez pela consciência da força dos rivais, desta vez não prometeu conquistas num curto prazo: “vocês só falam de títulos, nós falamos de tempo, de projeto, de trabalho. Título não é só uma palavra, seria uma promessa fácil, mas a realidade é outra coisa. Títulos vão chegar, mas este clube não quer conquistas isoladas. Ele quer chegar lá e ficar lá. Queremos ser sustentáveis”.

Quem quiser pode ver a entrevista na íntegra, em italiano, clicando aqui

Leia abaixo alguns trechos da entrevista de José Mourinho na sua chegada à Roma.     

Sobre a recepção dos torcedores da Roma: 
“A reação à minha contratação foi excepcional. Tive a sensação de ainda não ter feito nada para merecer isso e me senti imediatamente em débito porque a torcida me acolheu de um jeito muito emocionante. E a primeira coisa que preciso fazer aqui é agradecê-los.”

A cidade influenciou na sua escolha de carreira?
“Não, porque eu não estou aqui em férias. A incrível ligação do clube com a cidade de Roma é óbvia: o símbolo, as cores o nome. No mundo todo se confunde a cidade e o clube, e essa é uma responsabilidade, mas não estamos aqui para fazer turismo, estamos aqui para trabalhar. Por isso, treino às 16h, arriverdeci, ciao! (e se levanta antes mesmo da primeira pergunta)”.

Veja a chegada de Mourinho!

 

         

 

    


Sobre a chance de ganhar títulos com a Roma:
“Queremos chegar a conquistar títulos. Mas ganhar imediatamente? Claro que isso pode até acontecer, porque no futebol essas coisas acontecem, mas seguindo uma trajetória normal não será assim”.

Se ele será beligerante na Roma como era nos tempos da Inter:
“Para defender os meus, o meu clube e os meus jogadores, farei de tudo. Para procurar problemas, não. Estou mais maduro”.

O que diria a quem afirma que ele já não está no seu auge?
“Sou uma vítima daquilo que fiz, de como as pessoas me olham. No Manchester United eu ganhei três títulos e para muitos foi um desastre. No Tottenham eu cheguei a uma final que não me deixaram jogar e foi um desastre. O que para mim é um desastre, para os outros é uma coisa fantástica”.

Após ser comparado com Antonio Conte, campeão com a Inter:
“Existem treinadores na história de um clube que você não deve jamais comparar. Neste clube, por exemplo, se você fala de (Nils) Liedholm ou de (Fabio) Capello, não os compare com ninguém, nunca. Quando você fala da Inter, não compare ninguém comigo ou com Helenio Herrera”.

José Mourinho em sua apresentação à Roma
José Mourinho em sua apresentação à Roma reprodução Roma Channel

Sobre o Italiano não ser mais o principal campeonato do mundo como em seus tempos de Inter:
“Talvez estejamos aqui falando do futebol campeão europeu. Talvez. No mínimo estamos falando do vice-campeão, e com quase todos os jogadores atuando na Itália, neste campeonato. E se esse não é mais o campeonato principal, a responsabilidade é nossa de passar a fazer algo a mais. Eu trabalho para a Roma, mas de modo indireto trabalho pelo futebol italiano”.

Sobre o confronto com Cristiano Ronaldo:
“Ronaldo não precisa se preocupar comigo porque eu não sou zagueiro. Se jogar, vou ter que bater nele com certeza, mas infelizmente estou muito velho para isso”

Questionado sobre se Dzeko voltará a ser o capitão do time
“Não preciso te dizer o que faço dentro do clube. Se entrarmos nessa dinâmica de eu precisar dizer o que faço, com quem falo, o que falo, desculpe mas eu serei um antipático que não vai dividir com vocês o que faço internamente. Sobre o capitão, é o clube e os jogadores que têm que saber isso antes de vocês”.


 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Piadas, provocações e mais um show midiático: agora em Roma, o Mourinho de sempre

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Itália e Espanha contra a síndrome dos malvadões viris

Gian Oddi
Gian Oddi

Italiano Chiellini abraça e brinca com espanhol Jordi Alba
Italiano Chiellini abraça e brinca com espanhol Jordi Alba reprodução TV

.

Apesar da rivalidade esportiva, há quem atribua o que ocorreu na semifinal em Wembley durante o jogo entre Itália e Espanha às boas relações e muitas semelhanças entre os dois países. Há quem ache que a amizade entre seus integrantes, explicitada pelo “agora vou torcer pela Itália” do técnico espanhol Luis Enrique, foi determinante. Há quem pense que só o fato de um cara diferente como Chiellini estar em campo já deixa tudo mais leve. Certamente há também quem acredita que foi apenas um acaso, coisa rara.

Não importa o motivo. Importa o que houve, como aconteceram os 120 minutos de futebol disputados entre as seleções italiana e espanhola nesta última terça-feira. Importa perceber que as coisas podem (e devem) funcionar assim.

Itália comemora classificação

 

         

 

    

 

Tratamos de uma semifinal após a qual não soa demagógico dizer que as duas seleções poderiam e até mereciam ter passado. A Itália por tudo que faz na Euro e pelo que fez nos último três anos, um enorme trabalho de renovação e reinvenção capitaneado por Roberto Mancini. A Espanha por ter entendido onde e como precisava mexer para fazer com que sua ainda jovem equipe conseguisse se impor na maior parte do tempo contra um time que, até ali, havia jogado mais.

O jogo era enorme, tenso, disputado. E nem por isso qualquer uma das seleções – que neste aspecto estão longe de ser as mais exemplares da Europa – recorreu ao jogo de intimidações, ameaças ou qualquer tipo de violência para se impor em relação ao adversário. Pelo contrário, o que se viu em campo foi cordialidade, abraços e, pasmem, até bom humor e sorrisos.

Quem não aprecia lutas de qualquer tipo possivelmente vê como patéticas, um tanto cênicas e de efeito prático duvidoso aquelas famigeradas cenas de intimidação de lutadores após as pesagens nos dias anteriores aos embates. Parece justa a desconfiança. Mas ainda que também a mim (que nada entendo de lutas) essas cenas soem patéticas, é preciso admitir que esse tipo de intimidação pode fazer algum sentido em esportes nos quais o objetivo é espancar uma pessoa até que ela não consiga mais se sustentar em pé.

Um sentido que fica bem mais difícil de encontrar numa modalidade na qual o objetivo é fazer gols no adversário.

Vivemos numa era em que tudo é filmado, reproduzido, copiado. Um tempo em que ações ou reações sem sentido transformam-se em padrão sem que se reflita muito sobre o quanto aquilo faz sentido ou não. É por isso que você já deve ter cansado de ver, seja na escola dos seus filhos ou no campinho em que joga sua pelada semanal, crianças ou marmanjos transformando o futebol num embate de virilidade tão ridículo quanto grotesco.

Chiellini aperta bochecha de Jordi Alba
Chiellini aperta bochecha de Jordi Alba Carl Recine - Pool/Getty Images

Para quem se acostumou com isso, foi muito curioso ver o que as seleções de Itália e Espanha fizeram em Wembley. Para surpresa de muita gente, elas fizeram parecer que jogar futebol pode até ser divertido. 

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Itália e Espanha contra a síndrome dos malvadões viris

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Tite, Abel Ferreira, Hulk e as críticas mais valiosas

Gian Oddi
Gian Oddi

Depois da vitória por 1 a 0 e a classificação sobre o Chile nas quartas-de-final da Copa América, Tite não teve dúvidas e, mesmo já multado pela Conmebol por ter feito críticas à organização atabalhoada da competição, voltou a reclamar, novamente com razão, desta vez do gramado do Estádio Nilton Santos.

“Poderia ser um grande espetáculo, muito mais bonito. Eu fiquei triste com o espetáculo. Até para bater tiro de meta o Ederson teve dificuldade. Por favor, tenham responsabilidade. Humildemente eu falo: encontrem um campo melhor para jogarmos. Está perigoso machucar, são jogadores de alto nível. Por favor, encontrem um campo melhor”, afirmou Tite.

‘Deveria ser proibido jogar futebol aqui': Abel Ferreira detona gramado da Ilha do Retiro

Dois dias depois, neste domingo, o técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, fez coro às reclamações do treinador da seleção, agora referindo-se ao gramado da Ilha do Retiro, onde seu time venceu o Sport por 1 a 0 pelo Campeonato Brasileiro.

“Deveria ser proibido jogar aqui. Um jogador que tem um bom jogo, terá um impacto no futuro. O Danilo Barbosa jogou 15 ou 20 minutos e estava com dores incríveis no tendão de Aquiles. Isso mostra bem o desgaste que este campo provoca. Tite, estou contigo: se queremos melhorar o futebol brasileiro, precisamos melhorar as condições dos gramados”, afirmou.

Hulk reclamou do gramado da Arena Pantanal. Após vencer
Hulk reclamou do gramado da Arena Pantanal. Após vencer Pedro Souza / Atlético


Também no domingo, outro vitorioso da rodada, o atacante Hulk, do Atlético, tocou no assunto após derrotar o Cuiabá por 1 a 0 na Arena Pantanal: “O campo está irregular, a gente conduz a bola e atrasa o jogo. Sabemos que vamos enfrentar campos assim, difíceis, mas é preciso entrar em campo concentrado para não pecar e perder pontos”.

Em comum, nas críticas públicas feitas pelos três, não está apenas o foco das reclamações: o estado dos gramados onde se pratica futebol no Brasil. Há em comum, também, o fato de que tanto os treinadores como a estrela do Atlético, todos com boas experiências em campos internacionais, fizeram suas reclamações após vencer.

Num universo em que estamos acostumados a encarar reclamações como “choro de perdedor” ou “mimimi”, é essencial que as figuras relevantes que fazem o futebol no Brasil reclamem daquilo que julgarem relevante reclamar após as vitórias, sobretudo após as vitórias.

Não só porque essas críticas costumam ser menos passionais e mais técnicas, pois menos contaminadas pela insatisfação com o resultado. Mas também para não passar a impressão de que o que se busca é exclusivamente o benefício próprio, o olhar apenas para o próprio umbigo – uma outra característica marcante do futebol brasileiro.


 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Tite, Abel Ferreira, Hulk e as críticas mais valiosas

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A vergonha por não demitir um técnico

Gian Oddi
Gian Oddi

Quem viu a entrevista do vice-presidente gremista Marcos Herrmann ao responder os questionamentos sobre se demitiria ou não o técnico Tiago Nunes após a derrota por 2 a 0 para o Juventude, na noite dessa quarta-feira (30), certamente notou seu constrangimento ao dizer que não, não o demitiria, pelo menos por enquanto.

Feita a importante ressalva de que acreditava na comissão técnica por perceber que seu trabalho nos treinos é bom, realizado com afinco e intensidade, Herrmann parecia se desculpar com os torcedores pela decisão de manter um técnico contratado há pouco mais de dois meses.

“Vamos fazer algum fato novo, mas nesse instante não é a troca de técnico, pelo menos não nesses dias”, afirmou o dirigente, pouco antes de deixar claro que o “nesses dias” significa o período até domingo (4), quando o Grêmio precisará derrotar o Atlético-GO para não passar por uma nova troca de treinador - quem sabe tentando contratar o mesmo nome demitido em abril (Renato Gaúcho).

Vice do Grêmio diz que trabalho de Tiago Nunes é bom, mas cobra resultados: 'Seis jogos sem vitória é inaceitável'; assista


O constrangimento de Herrmann não é um caso único, claro, e só ficou escancarado porque o dirigente se dispôs a conceder entrevista logo após a derrota, algo que nem todos os cartolas costumam fazer.

Dirigentes brasileiros costumam usar demissões de treinadores como escudos, e mesmo quando não pretendem fazê-lo, como foi o caso nessa quarta, sentem-se de tal forma pressionados que chegam a se envergonhar por não atender aos clamores de demissão. Porque trocar de treinador é a resposta mais óbvia e lógica, é o padrão. O melhor “fato novo”.

Em 2017, quando perguntado pelo repórter João Castelo-Branco se dois ou três meses bastavam para se avaliar o trabalho de um técnico, Pep Guardiola deu risada. Para o melhor e maior técnico do planeta, a ideia de que um treinador possa ser avaliado e demitido em tão pouco tempo é tão anômala quanto é, para nós, a ideia de não demitir um técnico de clube grande após seis jogos sem vitória.

Quem estará com a razão?

Tiago Nunes, técnico do Grêmio (até domingo?)
Tiago Nunes, técnico do Grêmio (até domingo?) Lucas Uebel / Grêmio FPA

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

A vergonha por não demitir um técnico

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Com várias razões para insatisfação, Abel Ferreira perde a razão

Gian Oddi
Gian Oddi

Primeiro é bom fazer a ressalva, porque vivemos num ambiente em que qualquer crítica a um treinador é encarada como sugestão de demissão: Abel Ferreira é ótimo técnico, bem acima da média nacional, com enormes méritos nas recentes conquistas do Palmeiras e, assim como toda sua equipe, pelo que me relatam os que trabalham no dia a dia com ele, totalmente obcecado e focado no seu trabalho.

Não faz sentido algum, portanto, o clube cogitar uma troca de treinador.

Abel Ferreira desabafa e explica relatório por reforços entregue à diretoria: 'Fiquei sem esperanças'; assista


Dito isso, é preciso constatar que Abel Ferreira, mesmo que com eventual razão, está exagerando na maneira pública e pouco diplomática como comunica suas insatisfações em relação à falta de contratação de reforços por parte da diretoria palmeirense.

Ainda que seja compreensível e legítima a irritação por perder partidas sem poder contar com nove ou 10 jogadores importantes, é preciso lembrar que esta é uma consequência do insano e burro calendário do futebol brasileiro, que não apenas tira dos clubes seus atletas mais importantes, os convocáveis, como expõe todo o grupo a desgastes de toda ordem e a lesões praticamente inevitáveis.

Não é, portanto, apenas o Palmeiras a sofrer com isso. Pelo contrário, o clube é provavelmente, pelo tamanho e qualidade do seu elenco, e por todas as condições de que dispõe, um dos mais aptos a buscar soluções internas num momento em que sair às compras, em todo o planeta, parece ser privilégio apenas do Paris Saint-Germain.

De qualquer forma, não se trata de avaliar aqui a real necessidade ou não de reforços, mas de compreender que fazer as cobranças públicas da forma e no tom que Abel Ferreira tem feito demonstra, acima de tudo, um completo desapego do treinador português em relação à sua permanência no Palmeiras.

Além disso, vale lembrar do seu histórico de entrevistas no clube para que nos questionemos: qual seria o real peso da falta de reforços no seu pacote de insatisfações?

O quanto não pesam na sua atitude as cobranças absurdas, as maquiavélicas e as passionais, por parte de torcedores e jornalistas? O quanto não conta ter que jogar e falar o tempo todo, com pouco tempo para trabalhar e treinar em paz? O quanto não influencia a saudade que ele tem da família e que faz com que repita toda semana, com sofrimento no olhar, sobre "o alto preço que paga” por ter escolhido vir ao Brasil?

Mais do que a falta de reforços, estes parecem ser problemas insolúveis. Os que dizem respeito ao futebol já foram incorporados de tal forma no nosso dia a dia que uma eventual mudança levaria anos. Sobre aquele relacionado às questões pessoais, convenhamos, só um maluco resolveria, no contexto atual, tirar as pessoas que mais ama da Europa para trazê-las ao Brasil.

É compreensível que todos esses fatores, assim como a falta de reforços, influenciem no estado de espírito do treinador. O que não é compreensível é ele despejar publicamente toda sua irritação e inconformismo no único alvo com o poder para encerrar sua bela trajetória pelo Palmeiras. A não ser que seja justamente essa a sua intenção...

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Com várias razões para insatisfação, Abel Ferreira perde a razão

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Fraco, covarde, prolixo, comunista: o que faz sentido nas críticas a Tite após 5 anos de trabalho?

Gian Oddi
Gian Oddi

Em 56 jogos, foram 42 vitórias, 10 empates e apenas 4 derrotas nos 5 anos da seleção brasileira comandada por Tite. Um incrível aproveitamento de 81% dos pontos disputados que tornam no mínimo contestáveis as críticas feitas ao técnico da seleção.

Vale a breve recapitulação: Tite substituiu Dunga na 7ª rodada das Eliminatórias da Copa 2018, quando a seleção, no 6º lugar, somava 9 pontos em 6 jogos. Dali pra frente, mesmo sem alterações substanciais no elenco que era convocado por Dunga, venceu 10 jogos e empatou 2, encerrando o torneio na liderança com 10 (!) pontos sobre o vice-líder Uruguai.  

No Mundial da Rússia, a queda contra a ótima Bélgica nas quartas-de-final se deu em um jogo no qual o Brasil finalizou 27 vezes (9 no alvo) contra 9 finalizações (3 no alvo) dos europeus. Não significa dizer que Tite não pudesse ter feitos outras escolhas (podia), mas vale nos perguntarmos se um jogo com aquele roteiro deveria bastar para invalidar seu trabalho.

Tite completa 5 anos de seleção brasileira: qual é a nota do trabalho do técnico? Gian Oddi e Bertozzi analisam


Excluídos os amistosos, vieram então o título da Copa América de 2019, um aproveitamento até agora de 100% em seis jogos nas Eliminatórias da Copa de 2022 e um bom início na atual edição da Copa América. Até mesmo a alegação dos maus resultados contra europeus é contestável: em 8 confrontos até hoje, foram 6 vitórias, 2 empates e apenas 1 derrota (justamente para a Bélgica) contra equipes do velho continente.

Tite x Europeus
Tite x Europeus arte ESPN

São todos fatos, objetivos e, ainda que no futebol um ou outro resultado possa não representar o que se passou em campo e possa não ser necessariamente consequência de um bom trabalho, isso não se aplica quando tratamos de um recorte com mais de 50 partidas.  

Que técnicos de futebol no Brasil sofrem cobranças e pressões exageradas não é novidade. E se isso já ocorre com qualquer técnico, é compreensível que o da seleção brasileira sofra em dobro num país onde a relação conflituosa entre clubes e seleção é maior do que em qualquer outro lugar.

Tite durante partida entre Brasil e Venezuela, seu 55º jogo pela seleção
Tite durante partida entre Brasil e Venezuela, seu 55º jogo pela seleção Getty


A seleção de Tite não é brilhante, de acordo. Mas qual é? A França, hoje com um elenco até superior ao do Brasil, venceu a última Copa do Mundo (e segue jogando) com uma estratégia que, se utilizada pelos clubes brasileiros mais poderosos, geraria críticas de quem acredita que o mérito, no futebol, advém da posse, da imposição, do domínio territorial.

Portanto, mesmo quem não gosta de como joga a seleção brasileira precisa admitir que suas boas campanhas não são frutos do acaso, mas de uma ideia de jogo, de solidez, de consistência e, talvez, também do que muitos consideram (justificadamente ou não) excesso de prudência de seu treinador.

Em um torneio curto como a Copa do Mundo, Tite poderia ter levado mais em consideração as respostas positivas que teve ao fazer substituições nas fases iniciais. Tite poderia ter aproveitado seu imenso prestígio no início do trabalho para tentar antecipar, ainda em 2018, o que parece (parece!) ser um Neymar mais focado e responsável de 2021.

Bem menos relevante, Tite poderia até repensar a forma de se comunicar, ser menos prolixo e usar menos termos técnicos para falar diretamente aos torcedores, não precisando assim de “intérpretes”. Ao aceitar a seleção, lá atrás, Tite não precisaria ter cumprimentado com beijo o mesmo Marco Polo Del Nero que pouco antes criticava. Tite não precisaria ter ameaçado contestar a Copa América no Brasil se era para as coisas terminarem como terminaram.

Elogiar o que Tite fez em cinco anos de seleção brasileira não significa aprovar todas suas atitudes e decisões. Mas dizer que seu trabalho é ruim, hoje, soa quase tão bizarro quanto chamá-lo de comunista.


 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Fraco, covarde, prolixo, comunista: o que faz sentido nas críticas a Tite após 5 anos de trabalho?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Euro 2020: o que cada seleção precisa fazer na última rodada da fase de grupos; veja as contas

Gian Oddi
Gian Oddi

Encerrada a segunda rodada de jogos da Eurocopa, chega o momento em que todas as seleções não classificadas começam a fazer as contas para avaliar a possibilidade de avanço às oitavas de final.

Num torneio em que os quatro melhores dos seis terceiros colocados avançam à próxima fase, é muito provável que 4 pontos sejam suficientes para ir adiante. Matematicamente, porém, só Itália, Bélgica e Holanda já estão classificadas – os holandeses com a liderança da chave assegurada. E só uma seleção, a Macedônia do Norte, está eliminada. Os demais fazem contas. Restam 13 vagas.

Contas que publicamos abaixo para facilitar a compreensão do que cada seleção precisa fazer para avançar matematicamente ou, pelo menos, ter boas chances de fazê-lo mesmo que seja como terceira colocada de sua chave.

Devido aos inesperados tropeços da França contra a Hungria e da Inglaterra diante da Escócia, fica difícil prever como serão formadas as chaves que levam à final da Euro, um exercício que o blog também pretendia fazer. O que dá para afirmar, hoje, é que na provável hipótese de Itália e Bélgica confirmarem suas lideranças, italianos e belgas ficarão do mesmo lado da chave, podendo se enfrentar logo nas quartas de final, enquanto a Holanda estará do outro lado.

Cristiano Ronaldo, Shearer, Henry... veja os 10 maiores artilheiros da história da Eurocopa

Vamos às contas para cada equipe, lembrando que o confronto direto é o primeiro critério de desempate:

GRUPO A

1) ITÁLIA (6 pontos)
Já classificada, joga por um empate com Gales para ser líder do grupo.

2) PAÍS DE GALES (4 pontos, saldo 2)
Tem boas chances de ir às oitavas mesmo se perder (seja em 2º como em 3º), mas para garantir a vaga em 2º sem depender de Turquia x Suíça precisa ao menos empatar com a Itália. Se vencer, toma a liderança da chave.

3) SUÍÇA (1 ponto, saldo -3)
Precisa vencer a Turquia para ter chances. Se conseguir, tem boas possibilidades de avançar em 3º . Para ser segunda, está difícil: tem que vencer, torcer para a Itália bater Gales e ainda superar os galeses no saldo (hoje está 5 atrás).

4) TURQUIA (0 ponto, saldo -5)
Praticamente eliminada, teria que golear a Suíça por ampla margem e ainda torcer por uma improvável combinação de resultados nas outras chaves para conseguir avançar como um dos melhores 3ºs . Para não depender do saldo, precisaria vencer e torcer para que pelo menos dois 3ºs colocados não superem os dois pontos nas outras chaves. Improvável. 

GRUPO B

1) BÉLGICA (6 pontos)
Já classificada, garante a liderança com um empate contra a Finlândia.

2) RÚSSIA (3 pontos, saldo -2)
Vencendo a Dinamarca, avança em 2º. Um empate também lhe basta para isso, se a Finlândia não ganhar da Bélgica. Já se empatar seu jogo e a Finlândia vencer, tem boas chances de avançar em 3º. Com uma derrota a classificação em 3º seria improvável..

3) FINLÂNDIA (3 pontos, saldo 0)
Pode até ser líder da chave, mas para isso precisa vencer a Bélgica. Com um empate, tem ótimas chances de avançar, nem que seja em 3º; mas, se a Rússia não bater a Dinamarca, o empate lhe daria o 2º lugar. Com nova derrota vai secar os rivais de outros grupos, mas fica com chances pequenas.

4) DINAMARCA (0 ponto, saldo -2)
Se a Finlândia perder da Bélgica (provável), precisará apenas vencer a Rússia por qualquer placar que não seja 1 x 0 para garantir a vaga em 2º lugar; caso a vitória seja por 1 a 0, tudo dependeria do placar de Bélgica x Finlândia e de quem vai ter o melhor saldo geral entre Rússia, Finlândia e Dinamarca. Empate ou vitória da Finlândia no outro jogo deixa a situação bem mais complicada, porque o avanço precisaria ser em 3º e com apenas 3 pontos. 

GRUPO C

1) Holanda (6 pontos)
Já está classificada em primeiro.

2) UCRÂNIA (3 pontos, saldo 0)
Precisa apenas de um empate com a Áustria para avançar em segundo, porque tem 1 gol marcado a mais.

3) ÁUSTRIA (3 pontos, saldo 0)
Precisa vencer a Ucrânia para se garantir como 2º lugar. Em caso de empate, tem boas chances de avançar como 3º. Já uma derrota diminui consideravelmente as chances de avanço na terceira colocação, porque ela teria que ocorrer com 3 pontos e saldo negativo.

4) MACEDÔNIA DO NORTE (0 ponto)
Já está eliminada, por causa dos confrontos diretos.

França reforçada na Eurocopa? A diferença entre Benzema e Giroud no comando do ataque; assista

 GRUPO D

1) REPÚBLICA TCHECA (4 pontos, saldo 2)
Com um empate ou vitória diante dos ingleses, garante a liderança da chave, mas mesmo com derrota tem boas chances de avançar, em 2º ou 3º, dependendo do resultado da Croácia.

2) INGLATERRA (4 pontos, saldo 1)
Se quiser ser líder da chave terá que derrotar os tchecos. Um empate lhe classifica, mas no 2º lugar. Mesmo se perder, avança em 2º se a Escócia não vencer a Croácia e ainda tirar a diferença de saldo (3) para os ingleses.

3) CROÁCIA (1 pontos, saldo -1)
Tem que vencer a Escócia. Assim, tem boas chances de avançar, nem que seja no 3º lugar; mas pode ser até em 2º caso a Inglaterra derrote a República Tcheca e assim os croatas consigam tirar também a diferença de saldo para os tchecos (hoje -3).

4) ESCÓCIA (1 pontos, saldo -2)
Outra que precisa de uma vitória para ter boas chances de avançar nem que seja em 3º. Mas, nesse caso, poderia até ser em 2º: para isso a República Tcheca teria que vencer a Inglaterra, e os escoceses ainda conseguirem tirar a diferença de saldo para os ingleses (hoje -3)

 GRUPO E

1) SUÉCIA (4 pontos, saldo 1)
Se vencer será líder da chave. Empatando com a Polônia garante pelo menos o 2º lugar, que pode ser primeiro caso não haja vencedor em Eslováquia x Espanha. Empate no outro jogo seria bom para os suecos até em caso de derrota, porque assim eles seriam 2º colocados e nem precisariam brigar como 3º.

2) ESLOVÁQUIA (3 pontos, saldo 0)
Se vencer se classifica, podendo ser até em 1º caso a Suécia não vença a Polônia. Se empatar, deve avançar ao menos como 3º, mas pode ser em 2º caso a Polônia não derrote a Suécia (nesse haveria empate triplo entre suecos, poloneses e eslovacos com a definição indo para saldo ou gols marcados). Com uma derrota teria chances reduzidas de avançar em 3º.   

3) ESPANHA (2 pontos, saldo 0) Precisa ganhar da Eslováquia para se classificar ao menos em 2º,  mas poderia ser 1º caso a Polônia derrote a Suécia (ou até empate, dependendo dos placares). Se empatar, terá pequenas chances de avançar em 3º e pode até acabar em último do grupo.

4) POLÔNIA (1 ponto, saldo -1) Precisa ganhar da Suécia: assim, em caso de vencedor no jogo Eslováquia x Espanha, o 2º lugar é certo. E em caso de empate no outro jogo, a decisão de 1º, 2º e 3º entre suecos, eslovacos e poloneses iria para o saldo de gols, mas com boas chances de todos avançarem com 4 pontos ganhos.

GRUPO F

1) FRANÇA (4 pontos, saldo 1)
Com um empate diante de Portugal assegura a vaga, mas não a liderança da chave: para isso terá que vencer os portugueses ou então empatar e torcer para a Alemanha não ganhar da Hungria. Mesmo em caso de derrota tem grandes chances de avançar em 3º.   

2) ALEMANHA (3 pontos, saldo 1)
Com uma vitória diante da Hungria, se classifica. E pode até ser como líder se a França não bater Portugal. Um empate mantém grandes chances de avanço, seja em 2º, caso Portugal não ganhe da França, ou até mesmo em 3º, no caso de vitória portuguesa. Perdendo, pode acabar em último da chave ou ficar em 3º sem pontuação suficiente para avançar.    

3) PORTUGAL (3 pontos, saldo 1)
Em caso de vitória contra a França, garante a vaga e ao menos o 2º lugar, que pode ser 1º caso a Alemanha não ganhe da Hungria. Empatando com os franceses fica em boas condições para avançar ao menos em 3º, mas poderia ser em 2º caso a Alemanha não consiga ganhar da Hungria. Se perder da França também se complica muito, até mesmo na busca da vaga como 3º do grupo.     

4) HUNGRIA (1 ponto, saldo -3)
Precisa ganhar da Alemanha. Neste caso, pode até ser 2º do grupo caso Portugal perca da França; mas mesmo se os portugueses pontuarem, os húngaros ficariam com boas chances de avançar, na terceira colocação. 

Alemanha: grupo com França, Portugal e Hungria está totalmente indefinido
Alemanha: grupo com França, Portugal e Hungria está totalmente indefinido Harry Langer/Getty Images)

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Euro 2020: o que cada seleção precisa fazer na última rodada da fase de grupos; veja as contas

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Euro e Copa América expõem: seleção brasileira é a menos querida em seu país. E isso não tem nada a ver com Tite

Gian Oddi
Gian Oddi
Seleção brasileira: por que tanta gente não se interessa por ela?
Seleção brasileira: por que tanta gente não se interessa por ela? Lucas Figueiredo/CBF


Se você for uma exceção, um fã fervoroso da seleção brasileira, você deve até se incomodar com isso, mas precisa admitir: é incrível o quanto ela não consegue mobilizar e sensibilizar os apaixonados por futebol em seu próprio território.

Em tempos de Euro e Copa América simultâneas, o fato fica ainda mais claro porque nos permite comparar as relações de outros países com suas seleções, seja através da cobertura jornalística, seja por aquilo que conseguimos captar de sentimento dos torcedores – mesmo com estádios (quase) vazios.

Exceção feita à Espanha, onde a relação com La Furia é conturbada em certas regiões por razões políticas, nos países futebolisticamente relevantes em que as seleções nacionais são alvos de críticas constantes, essas críticas ocorrem apenas por razões esportivas e não pelo simples desinteresse ou antipatia pela seleção em si.

É o que acontece, por exemplo, na Argentina: há quem discuta a capacidade do técnico Scaloni, quem se irrite com Otamedi na zaga, quem ache que a Albiceleste não vai para frente enquanto não deixar de ser uma panela com os preferidos de Messi. Mas quase não se vê o “não estou interessado” quando o tema é seleção. O desconforto é esportivo, e só.

Neymar dá aula de bobinho, mete toque de letra 'nojento', e Alex Sandro e Richarlison se perdem na qualidade

Na Holanda muitos criticam as escolhas de Frank de Boer. Os alemães, que recuperaram o orgulho por sua equipe desde 2006, vivem um momento de baixa e nem por isso perderam o interesse pela Nationalelf. Na Itália existe empolgação com o trabalho de Mancini pela Azzurra. Os ingleses sempre desconfiam, até ironizam, mas estão bem esperançosos com o English Team. A França desfruta de seu momento de superpotência.

Já a seleção brasileira, exceção feita à Copa do Mundo, parece no melhor dos casos não interessar à maioria daqueles que amam futebol no Brasil. E, no pior, despertar irritação, chegando até mesmo a fazer com que muita gente torça contra uma equipe que já foi vista como principal motivo de orgulho nacional. Por que será?

A resposta certamente não passa pelo trabalho de Tite, que conseguiu formar uma equipe eficiente e sólida, hoje a melhor do continente. Mesmo não sendo brilhante (e afinal, qual seleção do planeta brilha constantemente?), o Brasil entrega o suficiente para não ser criticado. Dessa forma, fica evidente que o desinteresse ou antipatia pela seleção brasileira surge por outras causas, que nenhuma relação tem a ver com o jogo ou com seu treinador.

Reflexo em dia! No treino da seleção brasileira, Weverton opera 'milagre' com a mão esquerda

Parece óbvio: enquanto as seleções continuarem jogando no mesmo período dos times de futebol mais amados do Brasil, enquanto elas seguirem desfalcando as equipes mais fortes do país em jogos importantes, enquanto a ideia for colocar a seleção brasileira para concorrer e rivalizar com aqueles que despertam interesses e paixões maiores que ela, não haverá solução para este problema.

Ganhar uma Copa do Mundo, claro, fará com que tudo seja esquecido por semanas. O amor pela amarelinha será revigorado. Até que o ciclo se reinicie.

O curioso é que o padrão de ação da CBF, mantendo eternamente as rodadas com jogos importantes de competições nacionais nas datas Fifa, não só provoca desinteresse e antipatia pela seleção brasileira e pelo futebol de seleções de forma geral, como deixa o seu próprio campeonato mais pobre, com seus melhores times incompletos, sem suas maiores estrelas.

É estranho, porque no fim das contas a CBF prejudica esportivamente, com uma mesma medida, seus dois principais produtos: a seleção brasileira e o Campeonato Brasileiro. Pode-se supor, portanto, que a prioridade é alguma outra coisa...

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Euro e Copa América expõem: seleção brasileira é a menos querida em seu país. E isso não tem nada a ver com Tite

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Uma interpretação livre, direta (e um pouco mais rude) sobre a carta dos jogadores da seleção brasileira

Gian Oddi
Gian Oddi

A tal carta dos jogadores da seleção brasileira sobre a disputa da Copa América no Brasil você certamente já cansou de ler. Sem delongas, então, publico abaixo minha interpretação sobre o texto – com os trechos originais em itálico.

_________________________________________________

Quando nasce um brasileiro, nasce um torcedor. E para os mais de 200 milhões de torcedores escrevemos essa carta para expor nossa opinião quanto a realização da Copa América.

A gente vai começar essa carta de um jeito poético, mas sabemos que no fim das contas o que precisamos mesmo é falar sobre a tal da Copa América já que faz uma semana que ninguém nos pergunta nada sobre futebol. Se a gente soubesse que ia dar esse rolo todo...


Somos um grupo coeso, porém com ideias distintas. Por diversas razões, sejam elas humanitárias ou de cunho profissional, estamos insatisfeitos com a condução da Copa América pela Conmebol, fosse ela sediada totalmente no Chile ou mesmo no Brasil.

Não adianta vocês viajarem achando que todo mundo aqui pensa igual. Na verdade, até existe entre nós um pessoal preocupado com a pandemia, COVID, a situação do Brasil, esses papos, mas tem outra parte que queria mesmo é tirar férias e não queria jogar nem aqui e nem na China. E só pra deixar claro, a culpa é toda da Conmebol, nada a ver esse papo de CBF e Bolsonaro que vocês ficam falando. Pô, os gringos pediram, vai fazer o que? Dizer não?!


Todos os fatos recentes nos levam a acreditar em um processo inadequado em sua realização.

Agora, numa coisa a gente concorda: que não precisava ter Copa América, isso não precisava.


É importante frisar que em nenhum momento quisemos tornar essa discussão política. Somos conscientes da importância da nossa posição, acompanhamos o que é veiculado pela mídia e estamos presentes nas redes sociais. Nos manifestamos, também, para evitar que mais notícias falsas envolvendo nossos nomes circulem à revelia dos fatos verdadeiros.

É chato pra caramba a gente ser chamado de comunista só porque não concordamos com essa Copa América. Os caras tão chamando o Tite e o Neymar de comunistas. O Tite e o Neymar, pensa! A gente tem Instagram, estamos vendo tudo que vocês estão escrevendo e falando, viu? Não é porque a gente se posicionou sem deixar claro qual era a nossa posição que vocês podiam ficar supondo ou inventando o que a gente pensava.  

Por fim, lembramos que somos trabalhadores, profissionais do futebol. Temos uma missão a cumprir com a histórica camisa verde amarela pentacampeã do mundo. Somos contra a organização da Copa América, mas nunca diremos não à Seleção Brasileira.

Por fim, só pra lembrar, mesmo que a gente ganhe um pouco mais que vocês, nós também somos trabalhadores. E vocês sabem, né? Manda quem pode, obedece quem tem juízo.

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Uma interpretação livre, direta (e um pouco mais rude) sobre a carta dos jogadores da seleção brasileira

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

A linda emoção do título do Colón não é acessível para todos nós

Gian Oddi
Gian Oddi

Talvez não tenha o sido o mais relevante do futebol nos últimos dias, mas em meio a tanta discussão sobre cartolas, denúncia de assédio e todos os necessários debates extracampo que têm assolado o futebol mundial nos últimos 18 meses, soaram como alento as imagens vindas da Argentina que tomaram conta das redes sociais desde a última sexta-feira à noite.

A conquista da Copa da Liga Argentina pelo Colón, um clube de 116 anos de história que até sexta só tinha em sua galeria de troféus uma taça da segunda divisão vencida em 1965, provocou em seus torcedores, sobretudo os mais velhos, reações que nos lembraram para que serve (ou deveria servir) o futebol e por que ele é, com boa margem, o esporte mais popular do planeta.

Colón vence Racing e é campeão da Copa da Liga Argentina; assista


São muitas as cenas que rodaram o mundo e fizeram boa parte dele chorar por tabela com o título do Colón – um clube sem dúvida modesto, mas não nanico, pertencente à cidade de Santa Fé, uma das 10 mais populosas da Argentina.

O emocionado senhor de 91 anos rodeado por parentes tão emocionadas quanto; um outro senhor que chora copiosamente enquanto desabafa com um palavrão após a espera de uma vida; o comediante famoso que, ao lado do filho pequeno, tenta em vão conter o choro na hora do apito final; o rapaz que resolve “brindar” com o avô já morto, abrindo para isso não apenas a garrafa de vinho que havia comprado há anos, mas também a urna de cinzas do parente querido. (É improvável, mas se você ainda não viu, pode acessar os vídeos por este fio do Twitter)

As imagens, todas elas, não soam falsas como costuma ocorrer (também no futebol) em tempos nos quais o prazer de desfrutar da repercussão em redes sociais parece por vezes maior que a capacidade de apreciar o momento em si. São vídeos verdadeiros, captando sentimentos intensos, que aliás devem soar como puro desequilíbrio para quem não gosta ou não entende o que o futebol pode causar.

Veja festa dos jogadores do Colón após o apito final


Já quem é apaixonado por futebol certamente compreende.

Compreender, contudo, não significa ter a chance de um dia viver emoção equivalente à que viveram alguns dos torcedores do Colón na última sexta-feira. Jejuns de títulos até podem, eventualmente, aproximar torcedores dos grandes clubes de algo parecido, e não faltam exemplos disso no próprio futebol brasileiro. Exemplos de torcedores para os quais um mero título estadual, pelo contexto, pela espera, pelo sofrimento, tem valor bem maior que uma Libertadores.

É justo que seja assim.  

Porque a hierarquia da alegria no futebol não é ou não deveria ser matemática, não se dá por chancelas, graduações, pontos de rankings ou hegemonias. Ela é baseada na emoção. E, nesse quesito, dificilmente alguma coisa será capaz de superar a espera de uma vida toda, ainda que estejamos falando de espera por um mero título da Copa da Liga Argentina. 

Um modesto campeonato que, na última sexta, ficou maior que qualquer final de Champions League.

Torcedores do Colón vibram com conquista da Copa da Liga Argentina
Torcedores do Colón vibram com conquista da Copa da Liga Argentina reprodução

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

A linda emoção do título do Colón não é acessível para todos nós

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Copa América no Brasil: usar os erros vigentes para justificar um outro é no mínimo burrice

Gian Oddi
Gian Oddi

Rogério Cabloco, presidente da CBF, que ao lado de Jair Bolsonaro colocou o Brasil como opção de sede para a Copa América 2021
Rogério Cabloco, presidente da CBF, que ao lado de Jair Bolsonaro colocou o Brasil como opção de sede para a Copa América 2021 Lucas Figueiredo/CBF


A lógica deveria ser simples: se qualquer país do planeta se nega a receber um torneio de futebol por causa da COVID, não será o Brasil, na situação que atravessa – vacinação lenta, rumo ao meio milhão de mortos e novas variantes chegando ao país nas últimas semanas –, que deveria fazê-lo. Para surpresa do mundo inteiro, porém, assim será.

Argumentar que já temos coisas erradas ou campeonatos que não deveriam estar sendo disputados para deixar que a situação torne-se ainda pior do que já está é no mínimo ignorância, burrice. Mas é ela, a ignorância, que tem pautado todas as ações e omissões do Governo Federal desde o início da pandemia. Não seria diferente agora com o futebol, a nossa meca do negacionismo.

Ao agradecer nominalmente ao presidente Jair Bolsonaro e à CBF em seu Twitter, a Conmebol deixa claro que sabe poder contar com aliados firmes em seu propósito, aliados que não se abalam com críticas ou contestações. Diante de interesses ideológicos, políticos e financeiros que se colocam acima dos sanitários, não será a falta de apoio popular a preocupá-los neste caso. Nele, as contestações parecem preocupar tanto quanto as mais de 462 mil mortes. E daí? 

A irrelevância esportiva do torneio, da qual tanto já falamos, é completamente irrelevante diante do absurdo que se configura, no contexto atual, o Brasil SE OFERECER para sediar qualquer nova competição esportiva. Mesmo que se tratasse do torneio mais importante do mundo, fosse a final da Champions League ou a Copa do Mundo, não faria sentido fazer o que se pretende fazer. 

Afinal, não estamos falando de uma competição que, se não ocorrer, interromperá o trabalho ou eliminará o emprego de milhares de profissionais de futebol pelo país, como pode-se até argumentar em relação às diversas divisões do futebol brasileiro. A Copa América é um problema que o Brasil chama para si por motivos hoje menores, ignorando completamente sua situação sanitária, que deveria ser a prioridade.      

Com o STF permitindo aos governos estaduais decidirem suas próprias políticas no combate à pandemia, restaria a esperança de que esses governos, a exemplo do que já ocorreu com os de Pernambuco e do Rio Grande do Norte, se recusassem a receber os jogos da Copa América. Hipótese improvável se levarmos em conta a primeira manifestação sobre o caso por parte do governo de São Paulo e tudo que temos visto há meses dos governos de Rio de Janeiro e Distrito Federal no que diz respeito ao futebol.

Bem mais provável é que o desfecho de tudo isso seja uma final da Copa América no Maracanã. Com a presença de público, evidentemente.

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Copa América no Brasil: usar os erros vigentes para justificar um outro é no mínimo burrice

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O que Guardiola ensina aos brasileiros ao beijar medalha de vice da Champions League

Gian Oddi
Gian Oddi

Pode ter acontecido numa mera disputa de crianças ou até mesmo numa irrelevante competição jogada por jornalistas: se você já teve a chance de assistir a campeonatos de futebol amadores, certamente já viu os derrotados numa final arrancarem de seus pescoços as medalhas de prata como se elas fossem compostas por algum material radiativo.

É justo dizer que a sensação do fracasso e o incômodo da derrota recente podem colaborar com a atitude, tão antipática quanto antidesportiva. Mas não é só isso. Porque nada justifica que, diante da derrota, todos reajam da mesma maneira, como se houvesse não só uma uniformidade nos sentimentos, mas nas reações a esses sentimentos. Como se fôssemos todos iguais.  

Chelsea domina, vence o Manchester City e é campeão da Champions League; assista


Já faz um bom tempo, desde a existência da comunicação de massa, que gestos de ídolos como jogadores de futebol tendem a ser copiados. Copiados por atletas mais jovens, candidatos a ídolos. Copiados nos videogames. Copiados por crianças. Por tiktokers. Por jornalistas em campeonatos de brincadeira. Copiados incondicionalmente, sem pensar. São muitas vezes gestos estéticos, poses, nada além.

Por isso chamou a atenção de tanta gente, no último sábado, quando Pep Guardiola, o maior e melhor técnico do planeta, beijou sua medalha de prata logo após perder por 1 a 0 para o Chelsea na final da Champions League. Não foi certamente um gesto ensaiado ou arquitetado, até porque não seria normal o técnico catalão ter ensaiado o que faria em caso de derrota.

Dentro de campo, Guardiola tentou surpreender, com uma escalação inusitada (e estranha), o alemão Tomas Tuchel. Não deu certo. Na premiação, seu surpreendente gesto, conscientemente ou não, passou uma mensagem óbvia e clara, que só poderia partir de quem consegue olhar não apenas para os últimos 90 dos 1.170 minutos de futebol jogados pelo Manchester City na Champions.

É uma mensagem que serve para nos lembrar – e especialmente no Brasil precisamos ser lembrados disso toda hora – que o futebol é um esporte e, como em todo esporte, haverá sempre vencedores e derrotados. Serve para nos lembrar que perder uma final é melhor que não chegar ali. Serve para nos lembrar que uma derrota não nasce sempre de erros e que o mérito do vencedor pode ser maior que o demérito do perdedor. Que um jogo perdido não deve ser sempre motivo de crise.  Serve para nos lembrar, basicamente, o que é o futebol.

Técnico do Manchester City, Pep Guardiola beija a medalha de vice-campeão da Champions League
Técnico do Manchester City, Pep Guardiola beija a medalha de vice-campeão da Champions League Pierre-Philippe Marcou/Getty Images

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

O que Guardiola ensina aos brasileiros ao beijar medalha de vice da Champions League

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

No maior jogo de sua história, Villarreal busca frear evolução do gigante Manchester United. Tudo sobre a final da Liga Europa

Gian Oddi
Gian Oddi

Quem bate o olho no duelo que decidirá a Europa League nesta quarta-feira, em Gdansk, na Polônia, pode imaginar um confronto desigual. Afinal, se de um lado está o Villarreal, time de uma cidade com menos de 50 mil habitantes, 7º colocado do último Espanhol e ainda em busca do primeiro título de sua história em sua primeira final continental, do outro temos o atual vice-campeão inglês Manchester United, potência mundial que ostenta em sua sala de troféus nada menos que 68 conquistas nacionais e internacionais relevantes, com sete finais continentais na bagagem, das quais cinco vencidas.

As diferenças continuam quando se faz a avaliação dos nomes nos elencos de cada equipe: com um grupo bem mais caro do que aquele que conseguiu sua última conquista – justamente a da Liga Europa, em 2017, ainda com José Mourinho –, o poderoso United tem um elenco que vale hoje, de acordo com o site Transfermarkt, quase o triplo do que valem os jogadores da equipe espanhola.

Trata-se, porém, de futebol. Um esporte no qual cifras, estatísticas e história têm sua relevância, mas estão longe de determinar o que vai acontecer numa final, sobretudo se disputada num jogo único, possivelmente com prorrogação e disputa de pênaltis – porque será este o caminho se as duas equipes repetirem na Polônia aquele foi o placar nas outras quatro vezes que se encontraram em toda história: 0 x 0.

Veja os gols de Cavani



Caminho e técnicos

Para chegar ao tão aguardado jogo único, contudo, os finalistas tiveram que passar por duelos de ida e volta, enfrentando times importantes ou em bom momento no cenário europeu. O United, que entrou no mata-mata da Liga Europa após ser 3º no seu grupo da Champions League, eliminou Real Sociedad, Milan, Granada e Roma com uma campanha de 5 vitórias, 2 empates e só 1 derrota. O Villarreal teve caminho menos complicado, mas fez ainda melhor: chega invicto à decisão e, contando os jogos da fase de grupos, tem 12 vitórias e 2 empates, com os quais eliminou Salzburg, Dynamo Kiev, Dinamo Zagreb e Arsenal no mata-mata.

Arsenal que, vale lembrar, era a equipe anterior do técnico Unai Emery, hoje comandante do Villarreal e considerado uma espécie de Mr. Liga Europa: campeão três vezes com o Sevilla e finalista uma vez com o Arsenal, nenhum técnico no mundo treinou tanto (92 vezes) pela Liga Europa como ele. Sua contratação, aliás, teve a ver com a meta de conquistar a competição, cujo recorde de partidas disputadas (87) e gols marcados (151) é justamente do Villarreal.

Solskjaer e Emery
Solskjaer e Emery Getty Images

No outro banco, engana-se quem imagina um desejo menor de conquistar o título baseando-se na gloriosa história de conquistas do United. A explicação foi dada pelo técnico norueguês Ole Gunnar Solskjaer em sua entrevista pré-final: “Reconstruímos este time ao longo dos últimos anos, e espero que este seja o recomeço de algo ainda maior. Noites assim são noites grandiosas para nós e podem ser o trampolim para um futuro brilhante”.

Para Solskjaer, que assumiu o comando da equipe (à época interinamente) em dezembro de 2018 e desde então teve diversos momentos de contestação do seu trabalho, a conquista do primeiro título como treinador pelo United (enquanto jogador ele chegou a vencer até a Champions) seria algo muito significativo, sobretudo por coroar uma temporada de inegável evolução na disputa da Premier League.

Cavani, de contrato renovado, é uma das muitas estrelas do United na final
Cavani, de contrato renovado, é uma das muitas estrelas do United na final EFE/EPA/Laurence Griffiths
  

Portanto, se para o Villarreal o que está em jogo é o primeiro título da sua história e uma valiosa vaga na próxima Champions League que o faria desprezar a vaga na nova Conference League conquistada através do Campeonato Espanhol, ao United, além da conquista de seu 9º troféu internacional, o jogo vale a consolidação de um trabalho e, por que não dizer, de seu carismático e adorado treinador.   

Veja os preparativos para a final!



Dúvidas e escalações
Com foco total na decisão desta quarta, Solskjaer poupou todos seus titulares e até um ou outro reserva na vitória sobre o Wolverhampton no domingo. Embora alguns ainda discutam quem será o goleiro contra o Villarreal, parece improvável que após a brilhante atuação na segunda semifinal contra a Roma o técnico saque De Gea (que tem jogado a Liga Europa) para promover a entrada de Henderson (o titular na Premier League).

Gerard Moreno, a estrela do Villarreal, em jogo contra o Real Madrid
Gerard Moreno, a estrela do Villarreal, em jogo contra o Real Madrid EFE/Rodrigo Jiménez

A principal e séria dúvida, portanto, é sobre as condições físicas do titularíssimo zagueiro Maguire, que há duas semanas sofreu uma lesão no tornozelo. Ele tem trabalhado para ficar em forma visando a final, mas não participou dos treinos desta terça; se não tiver condições de jogo, Eric Bailly, ex-jogador do Villarreal, será o provável titular ao lado de Lindelof.

Pelo lado do Villarreal, a mesma questão sobre escalação do goleiro titular “da Liga Europa” ou “da liga nacional” é discutida, mas a exemplo do que ocorre com os ingleses deve prevalecer a manutenção de Rulli, o argentino titular nas semifinais contra o Arsenal – e autor de uma defesa essencial, já no final do segundo jogo, para que o clube enfim quebrasse a barreira das semifinais onde costumava parar nas competições continentais.

Se no caso do United a ausência de Maguire é provável, no do Villarreal o meia-atacante Samuel Chukwueze, machucado, é desfalque certo. Jeremy Pino e Moi Gómez são seus possíveis substitutos. Em compensação, o lateral-direito Foyth está de novo à disposição e pode voltar à equipe para auxiliar na difícil missão de parar as estrelas do United como Pogba, Bruno Fernandes, Cavani e Rashford.

Outro nome que volta a ficar disponível, este após cumprir suspensão por ter sido expulso na primeira semifinal contra o Arsenal, é o volante Capoue. Na frente, Bacca e Paco Alcácer brigam para ver quem será o parceiro de Gerard Moreno, o artilheiro, maior estrela do time e um dos melhores espanhóis (não à toa convocado para a Euro) da última Liga Espanhola.

Outro destaque do Villarreal, também este convocado para a Euro, é o jovem zagueiro Pau Torres, que não negou o favoritismo do Manchester United atribuído pelo seu próprio treinador para esta final. Mas que logo na sequência, depois de afirmar ser esta a partida mais importante da sua vida, fez questão de lembrar: “O Arsenal também era o favorito nas semifinais”.     

 

PROVÁVEIS ESCALAÇÕES

Villarreal
Rulli, Foyth (Mario Gaspar), Albiol, Pau Torres e Pedraza; Jeremy Pino (Moi Gómez), Capoue, Dani Parejo e Trigueros; Bacca (Paco Alcácer) e Gerard Moreno. Técnico: Unai Emery

Manchester United
De Gea, Wan-Bissaka, Bailly (Maguire), Lindelof e Luke Shaw; Fred e McTominay (Greenwood); Rashford, Bruno Fernandes e Pogba; Cavani. Técnico: Ole Gunnar Solskjaer

Arbitragem:  Clément Turpin, assistido por Nicolas Danos e Cyril Gringore (todos FRA)
Estádio e público: Energa Gdansk, em Gdansk (Polônia). Cerca de 4 mil torcedores, sendo 2 mil de cada equipe estarão presentes no estádio.   
Horário (de Brasília) e transmissão: Fox Sports, 16h (Abre o Jogo a partir de 15h)



 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

No maior jogo de sua história, Villarreal busca frear evolução do gigante Manchester United. Tudo sobre a final da Liga Europa

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Campeonato Brasileiro de Priorizações

Gian Oddi
Gian Oddi

A palavra priorizar passou a fazer parte do vocabulário do futebol brasileiro tanto quanto bola, jogador, trave ou gramado. Afinal, no contexto maluco em que vivem os clubes de futebol no país, priorizar é preciso. Fazer escolhas é uma necessidade, não uma opção. Não existe outra alternativa a não ser menosprezar jogos ou competições.

É normal que cada um faça suas escolhas de acordo com o momento que vive, com as (diferentes) necessidades e pressões que tem, com as possibilidades maiores ou menores que enxerga para ganhar um ou outro campeonato.

Acontece que dentro da cultura de cobranças exageradas que vive qualquer profissional de futebol no Brasil, a partir do momento em que fazer escolhas significa abrir mão ou diminuir consideravelmente as chances de sucesso em alguma frente, a porrada virá junto com os maus resultados nessa mesma frente.

São Paulo e Palmeiras decidiram o Paulistão pela última vez em 1992, com hat-trick de Raí na ida; assista

Até mesmo quando a escolha é óbvia, como era no caso do Palmeiras (campeão sul-americano e da Copa do Brasil) escalando uma mescla de times B e C no Paulista, há sempre uma turma à espreita, pronta para criticar com contundência o primeiro revés.

No caso do São Paulo, que vive um momento bem diferente pelo jejum de títulos que atravessa, as escolhas eram e são mais complexas. Mas é bom lembrar: mesmo quando Crespo fez uma opção óbvia, a de colocar reservas num clássico que pouco valia, houve quem reclamasse com argumentos não muito mais inteligentes do que o “aqui é São Paulo”.

Especificamente na escolha dos jogadores para enfrentar Rentistas, Ferroviária, Mirassol e Racing, a impressão – e esta é apenas uma impressão, minha, anterior aos quatro jogos – era a de que times mistos nas quatro partidas poderiam ter avançado à final do Campeonato Paulista da mesma forma, e ao mesmo tempo somado mais pontos na Libertadores.

Jamais saberemos, porém, se seria mesmo assim. Agindo da forma que a mim parecia mais lógica, o São Paulo poderia também ter caído no Paulista e suas consequências talvez fossem mais pesadas do que estão sendo com a agora muito provável perda do primeiro lugar do seu grupo na Libertadores.

Não dá para tratar dúvidas como certezas e, baseados no que aconteceu, afirmar o que teria acontecido. Mesmo quem discorda da escolha – meu caso –, precisa reconhecer que ela não era tão fácil quanto pode parecer após a derrota para o Racing.

Agora, na final do Paulista, existem só duas opções: título para o São Paulo ou para o Palmeiras. Se der São Paulo, os tropeços na Libertadores serão amenizados e talvez esquecidos. Se der Palmeiras, é provável que as críticas às escolhas da direção e comissão técnica são-paulinas se amplifiquem, mas sem razão.

Afinal, uma eventual derrota na decisão, onde o São Paulo estará com sua força máxima, nada terá a ver com o fato de o time ter poupado na Libertadores – esta sim com resultados prejudicados pelas escolhas feitas.

Se o resultadismo costuma fazer parte do nosso futebol com muita frequência, tentemos deixá-lo de lado pelo menos nas avaliações do Campeonato Brasileiro de Priorizações, essa realidade tão nossa, tão particular. Observar os contextos e as lógicas utilizadas é o mais importante para tentar avaliar as escolhas, que nem sempre são fáceis ou óbvias.

Crespo, técnico do São Paulo, escolheu força máxima nas quartas e semifinais do Paulista
Crespo, técnico do São Paulo, escolheu força máxima nas quartas e semifinais do Paulista Twitter Oficial do São Paulo

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Campeonato Brasileiro de Priorizações

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Seleção é momento, mas não só

Gian Oddi
Gian Oddi

Não houve grandes surpresas nem novidades na convocação de Tite para os dois primeiros jogos das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, contra Equador e Paraguai. Lucas Veríssimo chega para ser observado após bom início no Benfica comandado por Jorge Jesus, enquanto Fred e Daniel Alves voltam ao grupo.

Se entre esses a volta de Daniel Alves poderia surpreender por se tratar do chamado de um jogador já com 38 anos atuando no futebol brasileiro, seu histórico monstruoso na seleção brasileira e alto rendimento no São Paulo, aliados ao baixo nível da concorrência, tornam sua convocação normal agora que os jogos são para valer.

Everton Ribeiro e Roberto Firmino, pelos momentos que atravessam, estiveram entre os nomes questionados – sempre haverá, em qualquer seleção – por muita gente.

É fato que o meia do Flamengo não vem jogando bem, a ponto de muitos questionarem sua presença até mesmo entre os titulares de Rogério Ceni. Firmino, gols feitos no clássico contra o Manchester United à parte, também está longe de viver sua melhor temporada. Nessa linha, baseando-se na fase atual, pode-se ainda discutir um ou outro nome da relação de Tite (e ao mesmo tempo uma ou outra ausência).

Tite lembra últimos jogos de Everton Ribeiro pela seleção; veja o que ele disse


“Seleção é momento” é uma frase batida e até certo ponto verdadeira. Seleção, porém, não pode ser apenas momento.

Ao mesmo tempo em que técnicos de seleções são privilegiados por poderem escolher os melhores dentro de uma ampla gama de jogadores, eles também são obrigados a lidar com pressões constantes para que convoquem os jogadores em melhor fase no momento de cada chamado. 

Essa pressão não faz sentido.

Impor a um técnico que convoque sempre os jogadores em melhor fase nos seus clubes significaria fazer mudanças significativas e constantes a cada convocação. Porque jogadores, afinal, são humanos – vivem bons e maus momentos, sobem e descem de produção como quase qualquer um, em qualquer atividade.

Além disso, essa imposição parte de um pressuposto que não pode ser considerado verdadeiro para quem acompanha futebol com um pouco mais de atenção: o pressuposto de que o trabalho do técnico de seleção é apenas chamar os melhores e colocá-los em campo para desempenhar a mesma função que fazem em seus clubes.

Se assim fosse, faria sentido reclamar das convocações dos jogadores em mau momento.

O que levou Lucas Veríssimo à seleção? Veja a resposta da comissão técnica


Foi nessa linha a resposta de Tite quando questionado sobre Everton Ribeiro: “Ele é um jogador criativo. A gente esteve com ele nos últimos três jogos da seleção e ele foi muito bem. A consistência e o desempenho dele dentro da seleção tem nos trazido essa certeza do grande jogador que ele é”.

Um técnico de seleção, ao escolher seus jogadores, precisa levar em conta, sim, a fase de cada atleta. Mas precisa considerar, também, o trabalho já realizado e a viabilidade para criar desenhos táticos, implementar ideias, gerar movimentações automáticas e jogadas ensaiadas com aquelas peças.

Se tudo isso não funcionar, e se os jogadores em má fase nos clubes não renderem também na seleção, restará sempre a alternativa de apelar à mais simplória união daqueles em melhor fase. Para o que, convenhamos, nem é preciso ser um grande treinador.

Everton Ribeiro, do Flamengo, em ação pela seleção brasileira
Everton Ribeiro, do Flamengo, em ação pela seleção brasileira Miguel Schincariol/CBF

 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Seleção é momento, mas não só

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Uma vitória contra a intolerância: como o Ibra da Roma desafiou a morte para fugir da fome

Gian Oddi
Gian Oddi
Ebrima Darboe, em sua estreia como titular da Roma contra o Crotone
Ebrima Darboe, em sua estreia como titular da Roma contra o Crotone Getty

Ebrima Darboe estava pronto para partir. Tinha apenas 14 anos e chorava muito quando abraçou sua mãe, seu irmão mais novo e suas duas irmãs antes de iniciar uma longa e perigosa viagem que o levaria de Bakoteh, um distrito de Serekunda, na Gâmbia, até a Líbia, de onde ele pretendia alcançar a Europa.

Àquela altura seu destino final era incerto, e se alguém lhe dissesse que cerca de cinco anos depois ele estaria vestindo a camisa da Roma contra o Manchester United por uma competição da UEFA, por maiores que fossem seus sonhos, ele mesmo desconfiaria.

Atravessar em veículos lotados e insalubres os mais de 3.600 quilômetros que separam a pequena Gâmbia da Líbia era só a primeira adversidade que aquele garoto, órfão de pai já havia alguns anos, enfrentaria. Darboe, como muitos refugiados pelo planeta, partia com planos vagos, mas um objetivo claro: fugir da fome, ganhar dinheiro e ajudar sua família. Se possível, jogando futebol.

Após duros meses de viagem, quando finalmente conseguiu chegar à Líbia, as coisas não melhoraram. Pelo contrário: exposto à máfia de tráfico de pessoas que ganha dinheiro explorando o sonho de milhares de seres humanos em condições de necessidade, o menino foi submetido a diversos tipos de violência. Fugir ainda era sua prioridade.

Começava então a segunda etapa da viagem: como fazem milhares de refugiados todos os anos – e como morrem muitos deles também todos os anos  –, Darboe conseguiu espaço numa precária embarcação que partia da Líbia em direção à Sicília, na Itália. O risco de cruzar o Mar Mediterrâneo naquelas condições, sem nenhuma garantia de segurança, é enorme e causa centenas de histórias dramáticas e tocantes ano após ano .

Exemplo de embarcação com imigrantes da Tunísia e da Líbia que chegam à costa italiana
Exemplo de embarcação com imigrantes da Tunísia e da Líbia que chegam à costa italiana Getty

“São viagens desumanas e não existe uma só coisa da qual não se tenha medo durante essa travessia, mas certamente a pior sensação é a de poder morrer a qualquer momento”, conta à ESPN Miriam Peruzzi, hoje agente (e como veremos à frente quase parente) do atleta. Ela seria, algum tempo após a chegada do garoto à Sicília, uma das principais responsáveis pelo conto de fadas que Ebrima Darboe tem vivido nas últimas semanas.

Ao desembarcar na Itália, o garoto de boa estatura (ele tem hoje 1,80m) era só pele e osso: pesava apenas 50 quilos, 20 a menos de seu peso atual. Como menor de idade desacompanhado, acabou sendo acolhido pelo SPRAR, um sistema criado pelo governo italiano para dar proteção a refugiados que chegam ao país em busca de asilo.

A instituição, então, encontrou para ele uma provisória casa de família na cidade de Rieti, região do Lácio. Foi ali que Darboe reencontrou-se com a bola, um outro amor que havia deixado em sua terra natal junto à mãe e irmãos. “Havia um campinho bem em frente de casa, atrás de uma mesquita. A minha primeira bola era feita de pano, eu não a largava e chorava se minha mãe a tirasse de mim”, contou o jogador em uma das (ainda) poucas entrevistas concedidas como jogador da Roma.

Em sua nova cidade, Darboe – cujo curioso apelido é “Ibra”, o mesmo do veterano craque sueco do Milan – passou a jogar na escola de futebol Young Rieti, que o ajudou também no processo de se inserir na comunidade local, fazendo com que o garoto passasse a frequentar a escola, onde ele aprendeu a falar bem italiano. 


Persistência e descoberta

Foi aí que Miriam Peruzzi entrou em sua vida. Trabalhando como caça-talentos para clubes importantes da Europa, ela estava em Rieti para assistir a jogos da Scopigno Cup, um importante torneio com jovens de grandes clubes. Através de um amigo, Darboe ficou sabendo de sua presença na cidade e não teve vergonha ao surgir do nada no estádio em que ela estava para pedir que fosse ver seu jogo de amadores, onde poderia mostrar seu talento.

Miriam ouviu o pedido, mas não atendeu. Seu objetivo ali era outro. No dia seguinte, insistente, Darboe reapareceu e mais uma vez fez o apelo para que ela o visse jogar. A agente relembra: “Foi então que eu pensei nas dificuldades que tive para ser aceita num mundo machista como o futebol. E se eu consegui é porque tive quem me ajudasse, então pensei que deveria também tentar ajudar ao Ibra”.

Sorte dele. Bem impressionada com a qualidade do garoto, ainda que num jogo de amadores longe das condições ideais para se fazer tal avaliação, Miriam Peruzzi sugeriu à Roma que fizesse um teste com o garoto. Assim como ela, a Roma não se arrependeu: “Depois de apenas 20 minutos, [Massimo] Tarantino, na época o responsável pela base da Roma, me perguntou se eu gostava do clube. Foi maravilhoso!”, contou Darboe.

Era agosto de 2017, e com 16 anos completados havia dois meses, Ebrima Darboe já poderia se considerar um jogador da Roma. A partir daquele momento, com auxílio da Fifa, o clube começou a tocar as complexas questões burocráticas em relação ao asilo do garoto, além de providenciar também a obrigatória educação para jovens atletas em situações do gênero.

Nas suas redes sociais, Darboe exalta De Rossi e Zaniolo, à sua frente na imagem
Nas suas redes sociais, Darboe exalta De Rossi e Zaniolo, à sua frente na imagem Instagram Ebrima Darboe

Nas categorias de base da Roma, um novato e ainda tímido Darboe foi bem recebido pelo técnico Alberto De Rossi, ex-jogador do clube e pai de um outro volante, pelo menos por enquanto bem mais famoso que o gambiano: o campeão do mundo Daniele De Rossi.

Dois anos se passaram e tão logo completou 18, Darboe pôde, já maior de idade, assinar seu primeiro contrato como jogador de futebol, válido até 2023, pelo qual passou a receber 50 mil euros brutos por ano. Com os descontos, a cifra cai para cerca de 30 mil euros, o que mensalmente significa algo em torno de 16 mil reais, dos quais boa parte Darboe manda para a família em Bakoteh.

Em campo, o volante correspondia. Tanto que já no dia 27 de outubro de 2019, como consequência das muitas lesões no elenco profissional, acabou convocado para ficar no banco no jogo Roma x Milan pelo Campeonato Italiano. Na ocasião, não faltou quem apontasse a ironia de a chance surgir justamente contra o time de Matteo Salvini – um dos políticos mais relevantes da Itália e ao mesmo tempo um dos maiores opositores à entrada de refugiados no país.

Naquela partida, porém, Darboe não jogou. Sua estreia como profissional só viria ocorrer mais de um ano e meio depois, no último 2 de maio, quando Darboe substituiu Gonzalo Villar para jogar os 8 minutos finais de Sampdoria x Roma. Quatro dias mais tarde e veio a estreia europeia, contra o Manchester United pela Liga Europa: quando o zagueiro Smalling se machucou, ao invés de utilizar as opções para a posição que tinha no banco, o técnico Paulo Fonseca preferiu colocar Darboe em campo, recuando Mancini, um zagueiro titular que havia iniciado como volante.

A boa atuação de Darboe nos 60 minutos contra o United foi suficiente para lhe garantir a primeira titularidade com a Roma já na partida seguinte, neste último domingo, na vitória por 5 a 0 sobre o Crotone pelo Campeonato Italiano. À sua atuação, o rigoroso jornal La Gazzetta dello Sport atribuiu uma boa nota 6,5, acompanhada por alguns elogios.


A segunda família

Um dia antes de sua estreia como titular da Roma, o blog tentou contato com o jovem Ibra pelas redes sociais para esclarecer duas dúvidas simples. Simpático, em italiano e com emojis, ele respondeu lamentando não poder dar entrevistas, mas enviou-nos o contato de Miriam Peruzzi.

A quem, aliás, fez questão de agradecer logo na primeira chance que teve para falar com a imprensa após enfrentar o Manchester United. “Conhecer a Miriam mudou minha vida, porque ela me transformou em parte da sua família. Eu era muito novo e precisava de uma família. Me senti em casa com eles, então queria muito agradecer à família Peruzzi porque sei que eles estão nos assistindo”, disse, emocionado, em entrevista à Sky Itália.

Família Peruzzi: a família italiana que Darboe ganhou na Itália (de vermelho, Miriam)
Família Peruzzi: a família italiana que Darboe ganhou na Itália (de vermelho, Miriam) arquivo pessoal

Ao blog, Miriam Peruzzi explicou melhor a relação do novo volante da Roma com seus pais: “Meu pai é técnico de futebol, ele e Ibra sempre passaram horas ao telefone falando sobre tática. Nos dias em que ele estava livre, Ebrima sempre vinha ficar com a gente, com a nossa família, então meus pais decidiram adotá-lo”.

A relação dos Peruzzi com o garoto, é bom ressaltar, começou bem antes de que seu sucesso como jogador tenha se transformado em algo aparentemente inevitável. E assim, na Itália, Darboe encontrou não só a chance de ganhar dinheiro e ajudar sua família fazendo o que mais gosta. Ele encontrou, também, uma nova família, novos amigos e um mundo que hoje, quem diria, parece não lhe impor mais fronteiras ou limites.

Tudo isso não o impediu de, quando questionado sobre a fábula que parece viver, lembrar-se dos refugiados que não tiveram a mesma sorte: “Quando eu penso em quem não conseguiu me dá uma tristeza enorme, é uma experiência que eu não desejo a ninguém”.

Na mesma entrevista à Sky Itália, ele mandou uma mensagem aos que de alguma forma almejam uma trajetória parecida: “Diria para que tenham esperança e deem o máximo, que continuem acreditando nos seus sonhos”. Na era de influenciadores e instagramers, a frase pode soar um tremendo clichê ausente de qualquer valor. Partindo de Ebrima Darboe, é uma inquestionável lição de vida.

***

Veja trechos da entrevista de Darboe após o jogo contra o Manchester United (em italiano):



 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

Uma vitória contra a intolerância: como o Ibra da Roma desafiou a morte para fugir da fome

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O que se espera de Mourinho?

Gian Oddi
Gian Oddi


José Mourinho é um técnico vencedor. A lista de títulos que ele ostenta no currículo ou que enumera mostrando os dedos para provocar a torcida adversária sempre foi aquilo que levou seus clubes a contratá-lo.

É preciso admitir que esse mesmo adjetivo, “vencedor”, não é o que melhor define a Roma. Seus três suados scudetti não seriam suficientes para manter a fidelidade e paixão daquele tipo de torcedor que precisa arrotar taças, conquistas e placares quando quer encerrar uma discussão sobre futebol.

A conclusão lógica, quase matemática, é, portanto, a de que a euforia causada na capital italiana pela contratação de José Mourinho tem a ver só com isso, tem a ver com o “chegou o cara que vai encher nossa sala de troféus”. Mas não é isso, não é nada disso.

E não é nada disso não só porque a experiência de Mourinho no Tottenham, em vários aspectos um equivalente da Roma no futebol inglês, foi uma passagem pouco frutífera e animadora.

A meta de qualquer clube importante, nenhum dirigente seria louco de dizer o contrário, é conquistar títulos – nem que seja a médio ou longo prazo. Mourinho negar essa ambição ao chegar na Roma renegaria sua história; a nova gestão que o escolheu negar isso seria burrice.

Do ponto de vista técnico e racional, porém, o José Mourinho de 2021 não parece ser melhor escolha que o italiano Maurizio Sarri, até ontem o mais cotado para assumir a Roma. Mesmo assim, o otimismo, a alegria e a euforia deram o tom predominante às margens do Tibre nessa última terça-feira. Por que?

Talvez porque, ao contratar Mourinho, em questão de minutos a Roma tenha conquistado um protagonismo com o qual não está acostumada. Talvez porque a chegada de um técnico renomado como o português denota ambição esportiva como não se via desde os tempos de Fabio Capello. Mas, acima de tudo, porque José Mourinho é como é.

É fácil odiar José Mourinho na mesma medida em que é fácil amá-lo: bom para a Roma
É fácil odiar José Mourinho na mesma medida em que é fácil amá-lo: bom para a Roma Getty

Você pode não gostar de Mourinho, da sua marra, do seu jogo, do seu ônibus. Mas qualquer tentativa de negar seu carisma e a grandeza do personagem será em vão. É fácil odiar José Mourinho na mesma medida em que é fácil amá-lo. E a torcida da Roma só quer amar, só quer amar, só quer amar.

Foi assim não apenas com Francesco Totti, como era óbvio ser. Foi assim com Daniele De Rossi, cujos 18 anos vestindo a camisa do clube não lhe renderam mais que duas Copa da Itália. E foi assim, evidentemente em outra medida, com nomes que foram de Taddei a Naingollan. Em Roma, na Roma, amor com amor se paga, e a chegada de um técnico tão fácil de se gostar tem boa parte na aceitação que se viu nessa terça.

“A inacreditável paixão dos torcedores da Roma me convenceu a aceitar esse desafio” foi a primeira frase de José Mourinho como técnico do time. Pode ser um sentimento verdadeiro, pode ser demagogia. Mas o simples fato de não chegar prometendo títulos em sua primeira fala demonstra alguma compreensão do que dele se espera, do que dele se quer.

Entre jogos posicionais, pressões nos portadores, externos desequilibrantes e campos cheios de terços, Mourinho pode parecer obsoleto, não é sombra do que foi. Se seguir olhando para trás enquanto anda pra frente, seu sucesso talvez dependa mais da alquimia, dos astros ou da lua em Saturno. Mas e daí?

A escolha de um personagem, e não do melhor treinador, talvez soe insensata em quase todo clube do mundo. Mas não na Roma. Essa é, certamente, uma visão otimista e com certa carga emocional. Mas o futebol também é feito disso, o futebol depende disso.    

Em toda sua carreira, para Mourinho, os meios pouco importaram, porque sempre justificaram seus fins: ser campeão. Na Roma ele talvez nem precise disso para ser amado. Mas se a lua estiver em Saturno...

LEIA TAMBÉM:

Pequenos são os títulos perto do futebol. A Roma comprova

8.821 dias depois: Grazie, Totti!

Lágrimas em Roma: o que explica tanta emoção no adeus de De Rossi


 
No instagram @gianoddi
No Facebook /gianoddi

Comentários

O que se espera de Mourinho?

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading