Processo migratório, utilização da base e trocas na temporada: futebol europeu mudou drasticamente nos últimos dez anos

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Bayern foi o clube que menos contratou jogadores nos últimos dez anos na elite europeia
Bayern foi o clube que menos contratou jogadores nos últimos dez anos na elite europeia GettyImages

Enquanto países optam por fechar fronteiras e recusar imigrantes, o futebol europeu segue o caminho contrário. Cada vez mais as principais ligas nacionais do continente estão internacionais e investindo mais em contratações. Isso tem gerado, também, o aproveitamento menor da base em algumas competições.

O CIES Football Observatory divulgou nesta quarta-feira levantamento estatístico sobre os últimos dez anos de 31 campeonatos de primeira divisão na Europa. Três itens foram analisados entre 2009 e 2018: treinamento (garotos revelados pelo clube), migração (atletas expatriados) e mobilidade (jogadores que mudaram de time durante o mesmo ano).

São considerados revelações os atletas que, entre 15 e 21 anos, passaram pelo menos três temporadas na mesma equipe. A data limite para o término do estudo foi 31 de outubro, ou seja, foram considerados os elencos até esse dia no mês passado. E, por fim, para entrar na conta, o jogador precisava ter atuado em pelo menos uma partida do campeonato nacional na temporada atual ou nas duas anteriores.

Para comparar regiões, a Europa foi dividida no estudo em cinco grandes áreas de análise:

NORTE
Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia

CENTRO
Áustria, Croácia, Eslováquia, Eslovênia, Hungria, Polônia, República Tcheca e Sérvia

LESTE
Belarus, Bulgária, Romênia, Rússia e Ucrânia

SUL
Chipre, Espanha, Grécia, Portugal, Israel, Itália e Turquia

OESTE
Alemanha, Bélgica, Escócia, França, Holanda, Inglaterra e Suíça

Em 2009, 23.2% dos elencos analisados tinham jogadores revelados no próprio clube; Esse índice caiu para 16.9% neste ano. O norte da Europa segue, desde o início, como a região onde os jovens têm mais oportunidades de estrear no time profissional, mas também sofreu redução: 30.7% para 21.9%. Já no sul, os índices são os menores: 16.7% e 21.8%, respectivamente.

A Liga ha'Al, em Israel, é a qual mais utiliza a base na atualidade com 28%. Já a Serie A, na Itália, tem o irrisório número de 7.4%.

Seguindo caminho proporcionalmente contrário, a migração cresceu no geral de 34.7% para 41.5%. Jogadores expatriados são considerados aqueles que se tornam profissionais no mesmo clube revelador. Isso evita que um ucraniano, por exemplo, desenvolvido e revelado por um clube inglês, entre nesse ranking.

No sul estão os clubes que mais têm atletas expatriados em seus elencos, com 51.8% na atualidade. Há dez anos, a marca era de 44.2% e era menor que no oeste (45.7%). É importante ressaltar que esse movimento de aumento ocorre por causa da migração de europeus, que subiu de 58.5% para 65.5%, reduzindo de sul-americanos e asiáticos, por exemplo.

Em nove das 31 ligas nacionais analisadas havia em 31 de outubro deste ano mais expatriados do que atletas locais, incluindo Alemanha, Inglaterra e Itália. A Premier League é a segunda no ranking continental com 62.7%, atrás apenas do Chipre (66.2%).

Para encerrar o levantamento, o percentual de contratações feitas pelo clube no mesmo ano, algo totalmente condicionado aos itens anteriores.

Neste ano, 44.4% dos elencos foram formados com jogadores que chegaram de fora do clube, 0.6% a menos que em 2017, mas 7.3% acima de 2009. Se analisada a média desse período, em 2018 tivemos 27 dos 31 campeonatos nacionais com índice superior.

Diferentemente do que muitos podem imaginar, os clubes que lideram essa estatística não são os mais poderosos. Afinal, eles podem dar estabilidade a um elenco e contratar jogadores pontuais - e pagar muito caro, naturalmente. Por isso, Bayern (76), Real Madrid e Barcelona ocupam a parte de baixo dessa tabela, com o IK Istra, da Croácia, no topo com incríveis 178 contratações nos últimos dez anos.

Confira o estudo completo do CIES Football Observatory.

Comentários

Processo migratório, utilização da base e trocas na temporada: futebol europeu mudou drasticamente nos últimos dez anos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Muito além da técnica e da tática, os jogadores croatas venceram pelo seu país

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Moscou (RUS)

Jamais um jogo de futebol pode ser analisado apenas por um aspecto. Tática, técnica, físico e vontade dos jogadores em campo precisam estar lado a lado. Em algumas partidas, porém, o último aspecto se mostra muito mais determinante que os anteriores. Como em uma semifinal de Copa do Mundo, por exemplo.

Nesta quarta-feira, 11 de julho de 2018, os jogadores croatas jogaram por seu país. Estavam bem orientados pelo técnico Zlatko Dalic e possuem muita qualidade técnica, mas foi a entrega deles que fez a diferença para superarem a Inglaterra e todo desgaste físico de três jogos consecutivos com prorrogação.

Uma nação marcada por guerras e conflitos que rendem polêmicas até mesmo neste Mundial. Domagoj Vida foi vaiado durante todo jogo pelos torcedores russos, por conta das canções de saudação à Ucrânia e contra a Sérvia que ele cantou na classificação às semifinais. Para explicar o futebol croata, inevitavelmente falaremos de política e futebol, e faremos muito isso nos próximos dias.

Ivan Perisic foi determinante com um gol e uma assistência. Mario Mandzukic foi decisivo com o gol que levou à final. O próprio Vida foi muito forte ao jogar contra os ingleses e praticamente todo estádio. Mas não há personagem maior do que Luka Modric: foi espetacular em todos os sentidos possíveis de um jogo de futebol.

Agora a Croácia terá a chance de vingar a geração de 1998. Naquela semifinal em Paris, Davor Suker, hoje presidente da federação croata, abriu o placar, mas viu Lilian Thuram marcar duas vezes e classificar os franceses para a decisão, liderados pelo capitão Didier Deschamps. Essa foi a única derrota croata em Copas para um adversário europeu (cinco vitórias e dois empates também).

Agora, os outros aspectos do jogo analisado.

Taticamente, as duas equipes começaram a partida da mesma foram que atuaram durante toda competição. A Croácia na tradicional variação do 4-2-3-1 para o 4-4-2 nas fases ofensiva e defensiva, respectivamente, enquanto a Inglaterra variou do 3-5-2 para o 5-3-2.

Os ingleses enttraram em campo já vibrando com os torcedores, e conseguiram transformar essa empolgação em um bom íncio de jogo. Tanto é que, logo aos cinco minutos, em bela cobrança de falta, Trippier fez 1 a 0 para a Inglaterra. 

A equipe de Gareth Southgate passou a jogar, então, muito nas bolas longas, procurando principalmente a velocidade de Sterling. Do outro lado, os croatas erravam muitos passes e conseguiam criar fracas chances apenas em cruzamentos.

A partir de 30 minutos, porém, o jogo esquentou novamente. Em bela troca de passes, Dele Alli colocou Kane cara a cara com Subasic, que levou a melhor no primeiro lance. No rebote, o atacante do Tottenham mandou a bola na trave. Já no ataque seguinte, foi a vez da Croácia criar, mais uma vez com o lateral Vrsaljko. Na prática, foi um primeiro tempo equilibrado, mas com as melhores chances do lado inglês.

Mandzukic comemora gol da Croácia
Mandzukic comemora gol da Croácia Getty Images

Na segunda etapa, precisando do resultado, os croatas voltaram pressionando. Luka Modric comandava o meio-campo e aos poucos as oportunidades foram aparecendo. E finalmente, aos 13 minutos, Perisic se antecipou a Trippier e Walker para aproveitar o crruzamento certo de Vrsaljko. Logo na sequência, o mesmo Perisic teve a chance de fazer o segundo e mandou na trave.

A estratégia de Southgate foi tirar Sterling do campo e colocar Rashford, e os ingleses melhoraram. Voltaram a ter velocidade e, no caso, maior precisão com o jogador do Manchester United. Mesmo assim, a Croácia terminou melhor e a partida seguiu para a prorrogação, a terceira consecutiva no Mundial para os croatas.

Somente aos quatro minutos do tempo extra, Zlatko Dalic fez a primeira mudança no time, ao tirar o extenuado Strinic para a entrada de Pivaric. Southgate respondeu sacando Henderson e colocando Dier. Pouco depois, Stones só não marcou de cabeça na sequência porque Vrsaljko salvou em cima da linha.

Com os ingleses melhores, a troca foi no ataque da seleção do Leste Europeu: Kramaric entrou, Rebic saiu. Empolgada e extenuada, a Croácia acreditou, foi para cima e Mandzukic, após toque de cabeça de Perisic, venceu Pickford aos quatro minutos do segundo tempo extra. Mais alterações dos dois lados e a classificação histórica, inédita e emocionante.

Comentários

Muito além da técnica e da tática, os jogadores croatas venceram pelo seu país

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Nos últimos 20 anos, nenhum país esteve em mais finais de Copa do que a França

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de São Petersburgo (RUS)

Mais uma vez sem ser brilhante, a França venceu. Pergunto, porém, qual time brilhou nesta Copa? Não foram os belgas contra os brasileiros, nem os croatas diante dos russos e os ingleses contra os colombianos, para citarmos os semifinalistas. Os franceses, porém, estão jogando exatamente o que se esperava deles.

Com um técnico muito contestado, Les Bleus chegaram ao Mundial no grupo de favoritos, mas com a pecha de "não jogarem bem". Pois não "jogaram bem" até agora e vão decidir o título. Porque têm um meio-campo muito equilibrado, uma boa linha de defesa e um ataque com um bom centroavante, um excelente atacante e um fora de série.

Desde que foi campeã mundial em 1998, nenhum país chegou mais na final da Copa do que a França, classificada pela terceira vez em 20 anos.

Roberto Martínez armou a Bélgica defensivamente no 4-1-4-1, com Chadli na direita e Vertonghen na esqueda da linha defensiva, que tinha Dembélé à frente. A segunda linha era composta por De Bruyne, Witsel, Fellaini e Hazard, com Lukaku atuando como referência no ataque. Quando atacaca, os três zagueiros esperavam, liberando Chadli e Hazard pelas alas e tendo De Bruyne e Fellaini como meias avançados.

Já a França manteve seu padrão tático do 4-3-3 nas fases ofensiva e defensiva - nesta última, com Mbappé e Griezmann ajudando na recomposição do meio-campo.

A partida começou com uma arrancada incrível de Mbappé pela direita, mas esta acabou sendo a melhor jogada do atacante na primeira etapa. Depois os belgas controlaram o jogo, tendo bem mais posse de bola e criando as melhores oportunidades mesmo finalizando menos, além de serem pouco ameaçados - Lloris foi um personagem importante. Nos últimos dez minutos, a França conseguiu avançar e também obrigou Courtois a fazer pelo menos uma grande defesa, em chute cruzado de Pavard.

No retorno do segundo tempo, a Bélgica começou em cima e teve duas rápidas chances, mas em uma cobrança de escanteio aos seis minutos, Umtiti se antecipou a Fellaini na primeira trave e abriu o placar. A partir daí, os belgas aumentaram ainda mais a posse de bola e o volume de jogo, só que cresceram o número de cruzamentos na área também - e sem efetividade.

Umtiti fez o gol da vitória da França
Umtiti fez o gol da vitória da França Getty Images

Com as entradas de Mertens e Carrasco nos lugares de Dembélé e Fellaini, nos minutos finais os belgas voltaram a colocar a bola no chão e a pressão se tornou mais real. Hazard assumiu a responsabilidade e driblava todos que apareciam na frente. Quando Didier Deschamps sacou Giroud e colocou N'Zonzi em campo, ficou definido o roteiro final do jogo. Absolutamente extenuada em campo, a Bélgica ainda tentou com os passes de De Bruyne e a entrada de Batshuayi, mas não foi o suficiente.

Comentários

Nos últimos 20 anos, nenhum país esteve em mais finais de Copa do que a França

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Um mergulho nos números, nas estatísticas e nas curiosidades de Bélgica x França

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de São Petersburgo (RUS)

Em campo deve ser um grande jogo. Do grupo de favoritas ao título, apenas a França sobreviveu, mas se analisarmos o futebol apresentado até agora, a Bélgica é a melhor da competição.

Dois times com estrelas, diversos jogadores nas melhores ligas do planeta e um belíssimo cenário, a majestosa São Petersburgo, para decidir o primeiro finalista da Copa do Mundo de 2018.

Será o 74o jogo entre os países, e se engana quem imagina vantagem francesa. Os belgas venceram 30 vezes, perderam 24 e houve 19 empates, mas em Mundiais, domínio bleu com triunfos nos dois encontros (oitavas de final em 1938 e disputa de terceiro lugar em 1986). Não há adversário, em toda história, mais enfrentado pela França

Será a sexta semifinal francesa, primeira desde 2006, enquanto os belgas alcançam esta fase apenas pela segunda vez na história. Aliás, a França sempre chega na penúltima fase da Copa desde 1982 em todo torneio disputado em território europeu. Enquanto os franceses têm um título e um vice, os belgas jamais alcançaram a decisão e têm no currículo apenas uma final: Eurocopa de 1980, vice-campeã.

A campanha atual, porém, empolga os Red Devils, que estão invictos há 24 jogos, maior sequência da atualidade ao lado da Espanha (eliminada pela Rússia com um empate). É também o 11o time em Copas a vencer cinco partidas consecutivas e busca ser o quinto com seis. Tem o segundo melhor ataque da história chegando nas semifinais, com 14, atrás apenas do Brasil com 15 em 2002.



O domínio do Velho Continente nesta Copa não é inédito, já que nas edições de 1934, 66, 82 e 2006 apenas seleções da Europa chegaram nas semis. Nos últimos anos, quem elimina a França se dá muito bem, e não apenas em Mundiais: Portugal, Alemanha, Espanha, Itália e Grécia em Euro 2016, Copa 2014, Euro 2012, Copa 2006 e Euro 2004, respectivamente, despacharam os franceses e ficaram com o título.

Individualmente também há marcas interessantes em campo. Kylian Mbappé, com três gols, já é o terceiro maior artilheiro de Copas com menos de 20 anos. Já Romelu Lukaku precisa apenas de um tento para se isolar como recordista belga em Mundiais - está empatado com Marc Wilmots, ambos com cinco.

Entre os técnicos, Didier Deschamps vai para seu 11o jogo à frente da França, recorde absoluto para o país em Copas. Roberto Martínez busca ser o primeiro treinador estrangeiro a chegar na final desde o austríaco Ernst Happel, com a Holanda em 1978. Nunca um "gringo" foi campeão.

Comentários

Um mergulho nos números, nas estatísticas e nas curiosidades de Bélgica x França

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Sobre presente e futuro da seleção brasileira, após eliminação para a ótima geração belga

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Kazan (RUS)

Creio que as piadinhas sobre a ótima geração belga vão acabar. Deixemos, de qualquer modo, esse assunto para a sequência da Copa do Mundo, afinal, a Bélgica está classificada para as semifinais. Provavelmente, com a melhor seleção do país em todos os tempos - não nos esquecemos de 1986, com Pfaff, Ceulemans, Scifo...

Foi uma derrota dolorosa para o torcedor, por conta da grande quantidade de chances criadas. Foram 26 finalizações brasileiras, contra oito belgas. Gols perdidos, defesas sensacionais do incrível Thibaut Courtois, excelente partida de Romelu Lukaku e Kevin de Bruyne e a queda nas quartas de final.

Um dia antes da estreia contra a Suíça, publiquei texto defendendo a permanência dessa comissão técnica à frente da seleção brasileira, independentemente do resultado no Mundial. Não mudei de opinião.

Tite precisa permanecer no comando e trabalhar durante todo ciclo de 2022. Precisa, também, aprender com os erros cometidos na primeira experiência comandando uma seleção e chegando na Copa. Decisões de convocação, muito contestadas por exemplo. Da minha parte, para ser coerente desde o início, achava que Arthur poderia estar no grupo na vaga de Taison.

A insistência com alguns atletas na formação titular, mesmo com o rendimento baixo - caso de Gabriel Jesus - também precisa ser revista pelo treinador. São apenas sete jogos no máximo em uma Copa, não se trata de campeonato de pontos corridos disputado por meses.

Sobre o jogo especificamente agora:

Na fase ofensiva, a Bélgica segurava os três zagueiros - Alderweireld, Kompany e Vertonghen - no início e usava Meunier e Chadli como alas. Witsel e Fellaini eram os meio-campistas, com total liberdade para De Bruyne atuar como armador da equipe, tendo Lukaku e Hazard como atacantes.

Sem a bola, linha de quatro defensores, com Meunier como lateral-direito e Vertonghen na esquerda. Trinca de meias à frente, com Chadli compondo o setor ao lado de Fellaini e Witsel, este último centralizado. De Bruyne avançava, para pressionar a saída e recuava à medida que a seleção brasileira avançava, deixando apenas Lukaku e Hazard mais à frente.

Com menos de dez minutos, o Brasil já tinha perdido dois gols. Primeiro Thiago Silva, após toque de cabeça de Miranda, em cobrança de escanteio; Depois Paulinho, completamente livre, na marca do pênalti. Nesse mesmo período, foram três finalizações belgas. Na sequência, porém, Fernandinho falhou e marcou contra.

Depois o jogo ficou muito exposto, o que favoreceu demais o contra-ataque belga. A seleção brasileira seguiu criando e desperdiçando as chances, enquanto em uma jogada iniciada com Lukaku na intermediária defensiva, a Bélgica terminou com o segundo gol em belíssima finalização de De Bruyne na entrada da área. Aliás, o posicionamento do craque do Manchester City nas costas de seu companheiro de clube, Fernandinho, foi determinante para a superioridade da Bélgica.

Quando a seleção mudou para o 4-4-2, equilibrou mais as ações da partida, principalmente na marcação por dentro. Para o segundo tempo, Willian saiu e deu lugar a Roberto Firmino, que passou a ser a referência no ataque, ao lado de Neymar. Gabriel Jesus foi para a direita e Coutinho para a esquerda, mas flutuando bastante por dentro e deixando o corredor aberto para Marcelo. Fágner, na prática, virou zagueiro para que tudo isso acontecesse.

Com os belgas sem arriscar, os brasileiros tiveram campo para avançar as linhas e pressionar, mas sem criar grandes chances. Bolas cruzadas rasteiras, reclamações de pênalti e pouca objetividade. Com Douglas Costa na vaga de Gabriel, algo que deveria ter acontecido no intervalo, ao menos o último item foi corrigido.

Só que individualmente, alguns dos principais jogadores brasileiros tiveram uma noite para esquecer em Kazan. Philippe Coutinho, Paulinho e Fernandinho, além de Willian, todos jogaram muito abaixo do potencial de cada um.

Quando Coutinho acertou o cruzamento, Renato Augusto, que entrara pouco antes na vaga de Paulinho, conseguiu finalmente superar Courtois. Logo depois os belgas mudaram para o 5-3-2, com a entrada de Vermaelen no lugar de Chadli. A partir daí, muito volume da equipe brasileira em busca do empate: chances desperdiçadas, mais defesas impressionantes de Courtois e, no final, vitória de um grande time.

Comentários

Sobre presente e futuro da seleção brasileira, após eliminação para a ótima geração belga

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O ponto forte dessa seleção brasileira é o sistema defensivo

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Samara (RUS)


Em várias oportunidades, sempre que tem a chance Tite fala sobre o sistema defensivo do Brasil. Não sobre a linha de quatro defensores ou o jogador à frente dela, e sim o conjunto brasileiro na fase defensiva marcando no 4-1-4-1 e agora também no 4-4-2. Até o momento na Copa do Mundo, a seleção sofreu apenas quatro finalizações certas e um gol - marcado, na minha opinião, com irregularidade pela Suíça. Se ampliarmos, desde que Tite assumiu foram somente seis gols sofridos.

Não necessariamente isso significa que o time não é pressionado. Um termo muito utlizado por jogadores atualmente, o "saber sofrer", é válido nesse caso. Contra o México mesmo, por exemplo. No início de jogo e na segunda etapa, os mexicanos criaram oportunidades, mas não chegaram a ameaçar claramente o gol defendido por Alisson - oito de 14 finalizações foram bloqueadas e apenas uma chegou ao alvo.

No primeiro tempo, o México conseguiu pressionar a saída de bola do Brasil com muita eficiência. Criou pelo menos duas boas chances nos 20 minutos iniciais e forçou, em alguns lances, o chutão brasileiro. Depois, naturalmente, cansou diante dos 34°C e 26% de umidade relativa do ar em Samara.

Foi quando os brasileiros saíram mais para o jogo e também tiveram chances para marcar. Willian foi mais acionado nos primeiros 45 minutos do que nas três partidas anteriores. Mas a seleção errou demais, tanto nos passes (80.8%, contra 82.9% dos mexicanos no total da partida) como nas finalizações.

No intervalo, Juan Carlos Osorio sacou da equipe sua surpresa inicial, Rafa Márquez, e colocou Miguel Layún em campo. Não mudou o esquema tático, mas alterou peças e funções, invertendo Vela e Lozano - que foram bem demais no primeiro tempo - e colocando Alvarez como meia defensivo e Layún para marcar Neymar.

E foi justamente pela direita da defesa mexicana, que o Brasil abriu o placar. Em bela jogada de Willian, assistência para Neymar. Na sequência, pelo menos dois gols foram perdidos pelo Brasil, que poderia ter rapidamente definido a partida. Não o fez e o México voltou a respirar.

Defesa do Brasil só levou um gol na Copa
Defesa do Brasil só levou um gol na Copa Getty Images

Não chegou a haver blitz mexicana em busca do gol do empate, mas a última parte do jogo, que poderia e deveria ter sido mais tranquila para o Brasil, foi de tensão e muito desgaste. Foi necessária uma arrancada de Neymar aos 43 minutos do segundo tempo, pela esquerda, para tudo acabar com o gol de Roberto Firmino - que demorou muito para entrar. No final das contas, Osorio cumpriu o prometido de disputar a posse de bola: terminou com 54%.

Fágner começou inseguro e depois cresceu demais; Thiago Silva e Miranda foram praticamente perfeito outra vez; Filipe Luís, como sempre, entregou o que se espera dele. Casemiro será desfalque nas quartas, mas com Fernandinho em seu lugar, não há motivo de preocupação. Além disso, a recomposição dos meias centrais e dos extremos (ou Gabriel Jesus) têm funcionado muito bem.

A defesa brasileira segue como o ponto forte do time neste Mundial.

Comentários

O ponto forte dessa seleção brasileira é o sistema defensivo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Encaixe de jogo é principal vantagem do Brasil contra o México, que sonha alto

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman


Indiscutivelmente o Brasil é o favorito no confronto contra o México. Na teoria, na prática, na comparação entre os jogadores, enfim, em qualquer aspecto do jogo a seleção brasileira é considerada melhor do que a mexicana. Para Juan Carlos Osorio, é o melhor time do mundo. Precisará provar isso em campo nesta segunda-feira.

Desde 1990 o Brasil não fica fora das quartas de final de uma Copa do Mundo, enquanto o México acumula seis eliminações seguidas nas oitavas. Este será o quinto duelo entre as seleções em um Mundial, com ampla vantagem sul-americana: três vitórias e um empate.

A média de posse de bola da equipe comandada por Osorio foi de 51.2%, com 81% de aproveitamento nos passes e somente 12 finalizações certas. Já os comandados de Tite ficaram em média com 61.2% do tempo com a bola e acerto de 86.7% nos passes, além de boa pontaria nas finalizações, com 19 corretas (estatísticas ESPN).

Philippe Coutinho, grande destaque brasileiro até agora, com dois gols e uma assistência, marcou seu primeiro gol pela seleção justamente contra os mexicanos, em junho de 2015. Os sete pontos conquistados pelo Brasil vieram com pouco sofrimento, apenas quatro finalizações certas contra o gol defendido por Alisson, enquanto Guillermo Ochoa já viu 20 certeiras contra sua meta.

Osorio quer levar o México às quartas da Copa do Mundo
Osorio quer levar o México às quartas da Copa do Mundo Getty Images

A evolução do conjunto brasileiro é evidente. Ainda possui defeitos e desequilíbrios, não é um time perfeito, mas em uma Copa tão imprevisível como a atual, aumenta seu favoritimo a cada jogo. Contra a Sérvia foi a melhor atuação brasileira, e o próprio Tite, na coletiva deste domingo, ressaltou que a cobrança será sobre o que apresentaram os jogadores em Moscou. Segundo o treinador, todos tiveram desempenho "muito bom ou bom" individualmente.

Com Fágner e Filipe Luís nas laterais, já que Danilo permanece no banco e Marcelo não está 100% fisicamente, há maior equilíbrio na fase ofensiva. O mapa de movimentação do Brasil nas três primeiras partidas deixa evidente o que todos percebem ao assistir ao vivo essa equipe: jogo forte pela esquerda e falta de apoio pela direita.

Brasil mantém mais a posse de bola e ataca muito pela esquerda
Brasil mantém mais a posse de bola e ataca muito pela esquerda ESPN Trumedia

Juan Carlos Osorio tem uma base ofensiva bem definida, com Héctor Herrera e Andrés Guardado trabalhando por dentro, Hirving Lozano muito bem pela esquerda e Chicharito Hernández como referência na frente. Na direita pode haver alguma novidade, com Miguel Layún sendo recuado, abrindo espaço para Jesús Corona. Na linha de defesa, Osorio fez mudanças nas três partidas, e não terá Héctor Moreno, suspenso.

O treinador colombiano garantiu que, independentemente da estrutura tática e da escalação que definir, vai atacar com cinco jogadores sempre. Não quer abandonar seu estilo, e deixou muito claro isso na coletiva de imprensa. Quer disputar a posse de bola e não abdicar dela.

Nesta Copa, México mostrou mais equilíbrio na fase ofensiva, mas não consegue ter tanta posse de bola
Nesta Copa, México mostrou mais equilíbrio na fase ofensiva, mas não consegue ter tanta posse de bola ESPN Trumedia

Para a imprensa mexicana, o jogo contra o Brasil pode ser um divisor de águas para El Tri. Uma mudança de mentalidade está em curso no país, uma tentativa de deixar de ser apenas um coadjuvante e subir o nível, acreditar mais em si mesmo. Ou então, será apenas mais uma eliminação nas oitavas de final.

O grande problema para os mexicanos é que, entre todos adversários da seleção brasileira nesta Copa, o jogo do Brasil mais se encaixa contra o México do que contra qualquer outro. Diante da Alemanha, os mexicanos não conseguiram manter a ideia de seu treinador, foram muito pressionados. Correrão enorme risco se tentarem, realmente, jogar de igual para igual.

Ousadia para pensar grande, assim como o preço a ser pago por isso. Para o bem e para o mal.

Comentários

Encaixe de jogo é principal vantagem do Brasil contra o México, que sonha alto

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Enquanto falam do Neymar, quem assume o protagonismo é Philippe Coutinho

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Moscou (RUS)

Philippe Coutinho foge da marcação de Matic durante partida entre Brasil e Sérvia
Philippe Coutinho foge da marcação de Matic durante partida entre Brasil e Sérvia André Mourão/MoWA Press

Pela terceira vez consecutiva, ou seja, todas nesta Copa do Mundo, Philippe Coutinho foi o melhor jogador do Brasil. Contra a Sérvia, deu uma assistência, acertou 90 de 95 passes tentados, teve duas finalizações, criou mais duas chances de gol e ainda conseguiu dois desarmes.

Neymar esteve muito mais concentrado no jogo e teve boa atuação. Reclamou menos, caiu pouco e jogou mais. Foi forte no um-contra-um (14 vezes, disparado quem mais tentou essa jogada), pediu a bola o tempo todo, não se escondeu e bateu para o gol sete vezes (líder também). Cresce na competição, mas ainda abaixo do pequeno Couto.

No primeiro tempo, o meio-campo funcionou. Casemiro esteve bem e Paulinho apareceu com eficiência e velocidade no ataque. Mais uma vez, Philippe Coutinho roubou a cena. Não apenas pela bela assistência para o companheiro de Barcelona, mas pela movimentação, toques rápidos e precisos e o ritmo que impõe ao jogo. Na prática, ele tem sido o ritmista que Tite tanto queria.


Neymar estava claramente mais concentrado no jogo e não nas reclamações. Ajudou bastante a equipe nos primeiros 45 minutos. Assim como a linha defensiva, como sempre, muito bem organizada e sólida.

O ponto fraco da equipe, não apenas no primeiro tempo e sim no geral, foi Gabriel Jesus, que perdeu pelo menos duas oportunidades. Além, claro, de mais uma lesão: Marcelo sofreu um espasmo na coluna em uma tentativa de arrancada e teve que ser substituído por Filipe Luís, que entrou muito bem na partida.

A volta à segunda etapa, porém, foi abaixo da expectativa. Com os sérvios pressionando mais, o Brasil teve oportunidades no contra-ataque, mas desperdições e passou sufoco nos 15 minutos iniciais, com a Sérvia criando muito pelos dois lados do campo. 


Paulinho saiu para a entrada de Fernandinho, e o Brasil passou a ter uma formação mais defensiva. Graças aos treinos e também um pouco de sorte, logo na primeira jogada após a substituição, em cobrança de escanteio, Thiago Silva ampliou. Se antes do jogo a principal preocupação era a bola parada adversária, foi justamente a bola parada brasileira que definiu a vitória.

A partir daí, apunhalada e ensanguentada, a Sérvia morreu em campo. Não conseguiu mais atacar e ainda escapou de sofrer o terceiro gol. A seleção terminou com 13 finalizações, sendo seis certas, e 56% de posse de bola, com 88% de aproveitamento nos passes (556 certos). É necessário ressaltar também a fortaleza defensiva que foi Thiago Silva. Impecável: duas interceptações, dois bloqueios, um desarme e muito forte nas disputas aéreas.

Por fim, uma atuação soberba de Coutinho. Mais uma, a terceira no Mundial. É disparado o melhor da seleção no torneio. Enquanto todos se preocupam com Neymar e suas atitudes, o meio-campista do Barcelona assume o protagonismo do time.

Comentários

Enquanto falam do Neymar, quem assume o protagonismo é Philippe Coutinho

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O Brasil terá a mesma escalação contra a Sérvia, mas precisa mudar a postura

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Moscou (RUS)


Havia expectativa de mudança na escalação da seleção brasileira para o jogo decisivo contra a Sérvia, mas Tite e sua comissão técnica optaram pela manutenção do mesmo time das duas primeiras rodadas, com a alteração já feita na lateral-direita por necessidade. O conceito e a formação tática são iguais.

Em campo nesta quarta, porém, a postura do Brasil precisa ser diferente. A começar pelo rendimento do meio-campo. nos últimos textos que publiquei, destaquei as atuações abaixo do potencial de Casemiro e Paulinho. Para essa partida contra os sérvios, eu teria escalado Renato Augusto desde o início e sacado Willian. Tentaria aumentar o equilíbrio do time, com Renato participando mais da construção de jogadas a partir da intermediária defensiva, além de cobrir muito bem o lado esquerdo.

Com isso, Paulinho teria sua principal característica, a chegada forte na grande área, melhor aproveitada, já que é sacrificada parcialmente com a escalação de Coutinho como meia-central. Casemiro acaba sofrendo mais no meio com os dois barcelonistas, já que, por orientação da própria comissão, tenta mais passes entre as linhas e também é mais exigido defensivamente.

Escalação do Brasil para a partida contra a Costa Rica
Escalação do Brasil para a partida contra a Costa Rica Getty Images

Além disso, conversaria com Willian para tê-lo como arma importante para o segundo tempo, contra a Sérvia cansada. Hoje, no banco, a única opção ofensiva de lado de campo, sem improvisação, é Taison. Como não haverá mudança, o atacante do Chelsea será a opção de amplitude pela direita, talvez já com um Fágner mais solto e atacando mais - o que lhe beneficiará nas jogadas contra Aleksandar Kolarov e Adem Ljajic ou Filip Kostic.

Sobre o aspecto anímico da partida, que inclui o equilíbrio emocional, me parece evidente que alguns atletas precisam lidar melhor com a adversidade dentro do campo. Neymar é o melhor exemplo. Brigar com Thiago Silva, mandar o árbitro tomar suco de caju e dar soco na bola ou reclamar veementemente a cada lance frustrado pelo adversário ou pela arbitragem não ajudará a seleção. Miranda, capitão pelo exemplo de postura, precisa ser observado pelos companheiros.

E claro, a bola parada defensiva, treinada exaustivamente nos dois últimos dias pela comissão técnica. Nas duas primeiras rodadas da Copa, a Sérvia cometeu 32 faltas - quinta nessa estatística. Foram 22 finalizações, com apenas seis certas e dois gols anotados - um em cobrança direta de falta, com Kolarov, e outro com Mitrovic, após cruzamento de Tadic. Uma vitória e uma derrota, mas marcada por um pênalti escandaloso não marcado a seu favor.

Contra os costarriquenhos dividiu a posse de bola e teve aproveitamento de 83% nos passes, números que caíram para 42% e 78% respectivamente diante dos suíços. Trata-se de um time muito forte fisicamente e alto. Entre todos 12 jogadores que já foram utilizados como titulares na variação tática do 4-2-3-1 na fase ofensiva e 4-4-2 na defensiva, pelo técnico Mlade Krstajic, os menores são os extremos Ljajic, com 1m82, e Tadic, com 1m81. 

Krstajic, aliás, assumiu o time após as eliminatórias e a demissão do treinador Slavoljub Muslin. Extra-oficialmente, assunto bastante comentado entre os jornalistas sérvios, mandado embora pelo presidente da federação, Slavisa Kokeza, por não dar oportunidades ao jovem e talentoso meio-campista Milinkovic-Savic, da Lazio.

No final da coletiva, Cléber Xavier explicou um pouco mais sobre o estilo de jogo do adversário: "Suíça e Sérvia são equipes equilibradas em defender e atacar, também com características diferentes. A Sérvia joga muito no centro do campo, com dois meio-campistas construtores, tem uma linha de quatro defensiva. Trabalha muito a bola parada e os cruzamentos, chegada melhor do Kolarov, chegada mais atrasada do Ivanovic. Pivô que sustenta e tem muita condição de cabeceio, com o Mitrovic. Não tem jogo trabalhado, nem ligação direta, como a Costa Rica, que se defendeu baixo e explorava. A Sérvia tem uma qualidade enorme".

Será um jogo muito difícil para o Brasil, que é claramente o favorito em todos aspectos do jogo.

Comentários

O Brasil terá a mesma escalação contra a Sérvia, mas precisa mudar a postura

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

O Brasil precisava vencer e venceu. Com problemas que devem ser corrigidos

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de São Petersburgo (RUS)

Horas antes do jogo começar, as ruas de São Petersburgo ao redor do Estádio Kretovskiy já estavam tomadas pelos brasileiros. A maior parte da torcida se concentrou em um bar e por lá fez uma festa espetacular. Aguardavam, claro, uma grande atuação do Brasil. Não foi necessariamente o que viram.

A vitória veio, mas com muito sofrimento. Nos primeiros 25 minutos, o Brasil teve 66% de posse de bola, mas muita dificuldade em criar chances de gol. Teve uma única finalização e diversas bolas cruzadas na área, especialmente em cobranças de falta. A Costa Rica entrou em campo com uma única estratégia: marcar com todos jogadores e utilizar a ligação direta na retomada da bola para atacar. Quase marcou o primeiro gol do jogo, mas em uma falha no lado esquerdo da defesa brasileira.

Depois disso o time melhorou, passou a tocar mais a bola e não foi ameaçado. Nos vinte minutos finais da etapa inicial, nenhuma finalização costarriquenha. Mesmo assim, a defesa do adversário prevaleceu.

No intervalo Tite colocou Douglas Costa em campo na vaga de Willian. A postura da equipe mudou completamente, com muito volume e pressão. O  time criou bastante. Gabriel Jesus cabeceou na trave, Gamboa salvou em cima da linha o chute de Philippe Coutinho e a pressão aumentava. Os espaços para os contra-ataques costarriquenhos também.

Roberto Firmino entra no lugar de Paulinho contra a Costa Rica
Roberto Firmino entra no lugar de Paulinho contra a Costa Rica Getty Images

Foi quando aos 23 minutos Tite colocou o Brasil ainda mais no ataque. Paulinho tinha melhorado o rendimento, mas na prática era o segundo atacante do time. Saiu para a entrada de Roberto Firmino. A pressão aumentou, e a Costa Rica abdicou até mesmo de avançar.

Depois do pênalti marcado e anulado em Neymar, um clima absoluto de tensão tomou conta do estádio. O time em campo ficou muito nervoso e parecia que o empate seria o resultado final. Até que Firmino ganhou pelo alto, Gabriel funcionou como pivô na área e Coutinho marcou o merecido gol brasileiro. Depois, Neymar apenas fechou a conta na 23a finalização.

Philippe Coutinho comemora primeiro gol da seleção brasileira na partida
Philippe Coutinho comemora primeiro gol da seleção brasileira na partida Getty Images

Depois de um resultado dramático como esse, é natural que a euforia tome conta de muitos. Tanto jogadores, como torcedores. Cabe à comissão técnica apontar os erros e colocar os pés de todos no chão.

"Bem, com possibilidade de crescer". Essa foi a resposta de Tite quando questionei o rendimento do meio-campo na Copa até agora. Paulinho foi substituído pela segunda vez, por circunstâncias diferentes. Casemiro, contra a Costa Rica, acertou 83 de 97 passes, aproveitamento de 85.6% - no primeiro jogo, com cartão amarelo, foi substituído por Fernandinho. Philippe Coutinho é a exceção positiva, inclusive sendo o melhor do time nas duas partidas.

Sylvinho, que também participou da coletiva de imprensa nesta sexta-feira, foi mais detalhista na resposta sobre a atuação dos meio-campistas. Ressaltou a grande quantidade de vezes que Coutinho terá a bola no pé, a importância de Paulinno na recomposição defensiva e admitiu que Casemiro cometeu equívocos em algumas saídas de bola. Dos três setores o Brasil, o meio-campo é aquele que mais precisa evoluir para a seleção crescer na competição.

Comentários

O Brasil precisava vencer e venceu. Com problemas que devem ser corrigidos

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Como enfrentar e vencer a Costa Rica (agora com Fágner)

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de São Petersburgo (RUS)

Nenhuma novidade no time titular: Alisson, Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Paulinho, Casemiro, Philippe Coutinho; Willian, Gabriel Jesus e Neymar. É a mesma equipe que venceu a Áustria por 3 a 0 no último amistoso antes da Copa e empatou com a Suíça em seu primeiro jogo na competição.

Diante dos suíços foram 20 finalizações e somente quatro certas, com 52% de posse de bola e 460 passes certos em 521 tentados. Poucas chances oferecidas ao rival e um gol sofrido em uma irregularidade não anotada pela arbitragem. No final do jogo, em pelo menos três oportunidades o Brasil desperdiçou a chance de vitória. Na prática, a atuação da seleção na estreia, contra o adversário mais difícil do grupo, não empolgou, mas não foi ruim.

Seleção treina pensando em enfrentar Costa Rica
Seleção treina pensando em enfrentar Costa Rica André Mourão/MoWaPress

Contra a Costa Rica alguns ajustes precisam ser feito e escrevi sobre isso nesta semana.Também perguntei a Tite na coletiva desta quinta exatamente isso, o que precisaria mudar. "Em todos os jogos temos que ter uma boa atuação e vencer, neste jogo também. Ajustes, ser efetivo. Transformar as oportunidades em gol. Continuar proporcionando poucas oportunidades ao adversário".

Em entrevista que fiz com o treinador no Bola da Vez deste ano, além de conversas informais, Tite disse e entende que para vencer a linha de cinco defensores - base defensiva do 5-4-1 costarriquenho - a seleção precisa trabalhar muito bem com amplitude, paciência e ter a qualidade necessária no passe pelo alto por dentro da defesa. Um exemplo desse tipo de jogada que ele me deu foi o gol de Bernardo Silva na vitória do Manchester City sobre o Chelsea, por 1 a 0, em março: o passe, a pressão na bola, o enfrentamento.

Pontos importantes de mudança coloquei no texto já linkado acima, mas sem querer ser repetitivo, e utilizando o que o treinador falou na coletiva sobre Neymar, reforço: a individualidade dele é sua principal característica e precisa ser utilizada a favor do coletivo. Um esquema tático precisa potencializar as individualidades de um time, mas pegar a bola no último terço do campo e arrastá-la presa ao pé até o meio-campo não é produtivo.

"Todos os atletas têm responsabilidade de serem coletivos e individuais. Alguns com características específicas. Do Neymar, não vou tirar a característica do transgressor, do último terço. Mas serve para os outros. Todos nós temos que potencializar equipe, mas respeitar as características. Último terço? Vai dentro, finta. Característica do futebol brasileiro. Não vou retirar isso".

A explicação de Tite é muito clara e correta. Ninguém vai mandar o Neymar, o Coutinho ou o Willian pararem de driblar. Contra a Costa Rica, o drible será muito importante no um-contra-um nas jogadas de linha de fundo, para quebrar a forte marcação que aguarda a seleção. Dentro do contexto coletivo, jogando com inteligência e aproveitando melhor as oportunidades criadas.

Na fase defensiva, não há muito segredos sobre a forma de jogo do Brasil: pressão alta na saída de bola do adversários, como aconteceu em todos os jogos sob o comando da atual comissão técnica. Temporização, recomposição defensiva e posicionamento diminuindo ao máximo o espaço dos rivais.

Atualização: às 23h21 de São Petersburgo, seis horas à frente de Brasília, a CBF informou que Danilo sentiu uma lesão muscular na região do quadril direito e está fora do jogo contra a Costa Rica. Fágner será o titular. O jogador do Corinthians é inferior ao do Manchester City na marcação, além da força física e da altura. É, porém, superior ofensivamente e pode ajudar muito Willian nas jogadas pela direita. Isso, por outro lado, exigirá de Marcelo maior equilíbrio defensivo. Será a estreia de Fágner em Copa do Mundo, por isso a questão comportamental será muito importante.

Comentários

Como enfrentar e vencer a Costa Rica (agora com Fágner)

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Semana da seleção brasileira tem ajustes necessários e três pontos na conta

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman

Seleção brasileira realiza treino em Sochi
Seleção brasileira realiza treino em Sochi Pedro Martins / MoWA Press

Passada a estreia, o Brasil já se prepara para o segundo jogo da Copa do Mundo, contra a Costa Rica nesta sexta-feira, em São Petersburgo. A tendência é que Tite mantenha a mesma equipe que começou no empate em 1 a 1 com a Suíça.

Dentro das variações possíveis dentro do esquema tática definido, 4-3-3 na fase ofensiva e 4-1-4-1 na defensiva, a escalação com Philippe Coutinho por dentro é a melhor opção para enfrentar a linha de cinco defensores costarriquenhos. Na derrota para a Sérvia por 1 a 0, o time da América Central atuou no 5-4-1 do início ao fim.

Os ajustes brasileiros estão em outros aspectos do jogo, como emocional. Tite admitiu que o time ficou ansioso na primeira partida e acabou acelerando demais as ações com bola, o que invariavelmente resultava em passes errados ou finalização imprecisa. Tanto é que o Brasil finalizou 20 vezes a gol contra os suíços, mas acertou apenas quatro - aproveitamento de apenas 20%, enquanto os adversários tiveram 6/2.

Trata-se de um grupo com diversos atletas que estrearam em Copas, mas com experiência suficiente em seus clubes para lidarem bem com a sequência da competição. Um exemplo é Casemiro, que não teve boa atuação, foi substituído e é vital na funcionalidade do time. Além disso, atenção constante de todos na bola parada defensiva.

Contra a Costa Rica a seleção brasileira precisa ser equilibrada novamente. Willian não pode ficar completamente isolado e sem ação pela direita, enquanto o fortíssimo lado esquerdo do Brasil domina todas as ações ofensivas. Danilo dá o equilíbrio defensivo necessário para Marcelo avançar, mas Paulinho precisa subir o nível e ser uma opção de tabela com o jogador do Chelsea e também de entrada na grande área.

E claro, Neymar. Contra a Suíça sofreu dez faltas e há duas explicações para isso, como já escrevi no texto anterior. No começo do jogo percebi uma violência a mais sobre ele, que apanhou bastante. Depois, principalmente, no segundo tempo, segurou demasiadamente a bola, prejudicando o time e "chamando" faltas no meio-campo, sem qualquer perigo para os suíços.

O melhor jogador do Brasil é um atleta individualista. Isso não é novidade, afinal, tem o um-contra-um como ponto forte com seu drible. Não significa que vai jogar de maneira individual por 90 minutos, não está em uma quadra de tênis para atuar sozinho. Precisa compreender o que o jogo pede e soltar mais a bola, envolver os companheiros e fortalecer o coletivo com seu individual.

Se a Suíça é o adversário mais forte do Brasil no grupo, a Costa Rica é o mais inferior. Não gosto do termo "obrigação" no esporte, porque denota muitas vezes desrespeito ao adversário, mas é inegável que a seleção brasileira, uma das favoritas ao título, entra em campo pela segunda rodada da Copa com absoluta responsabilidade em vencer.

Comentários

Semana da seleção brasileira tem ajustes necessários e três pontos na conta

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Atuação abaixo do potencial, arbitragem, Neymar, rendimento suíço: análise da estreia brasileira na Copa

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Rostov (RUS)


Antes do jogo, nas ruas de Rostov, os torcedores brasileiros, em maior número que os suíços, eram só empolgação. Cravavam vitória com larga vantagem. Natural, já que a torcida fica bastante empolgado em dia de jogo, ainda mais em Copa do Mundo. Só que na prática todo mundo sabia que o jogo seria muito difícil, como realmente foi.

A comissão técnica da seleção brasileira sempre colocou a Suíça como o melhor adversário da primeira fase. Além disso, a estreia leva carga maior para todos em campo.

Nos dois últimos amistosos, o Brasil demorou para entender o jogo do adversário. Já contra a Suíça, precisou de apenas cinco minutos para encaixar sua proposta e dominar boa parte do primeiro tempo. O golaço de Philippe Coutinho deu traquilidade para o time, que subiu a marcação e ganhou praticamente toda segunda bola. Não foi ameaçado pelos suíços, mas também parou de finalizar e criar chances de gol.

Sem ser ameaçada, a Suíça voltou a arriscar e saiu mais para o campo ofensivo. Nos últimos dez minutos passou novamente a ter posse de bola superior e tocar bem na intermediária de ataque, mas Alisson não precisou trabalhar.

Neymar durante partida contra a Suiça
Neymar durante partida contra a Suiça Getty Images

Já no segundo tempo, a seleção brasileira voltou dormindo a campo. Willian errou passe, Casemiro fez falta dura e recebeu amarelo. A marcação afrouxou e os suiços avançaram. Na cobrança de escanteio, o meio-campista do Real Madrid errou o tempo de bola, Miranda ficou plantado no chão e Alisson não saiu. Zuber fez o gol, com empurrão no zagueiro brasileiro e falta não marcada.

Tite sacou Casemiro e colocou Fernandinho, depois mandou Renato Augusto a campo na vaga de Paulinho. Coutinho caiu para a direita e Renato passou a criar pela esquerda, além de ajudar a fechar o corredor por onde Lichtsteiner e Shaqiri atacavam com facilidade. O Brasil melhorou apenas nos últimos minutos, quando quase fez o segundo gol com Roberto Firmino, Miranda e depois Renato Augusto.

No final das contas, o Brasil teve 21 finalizações com 53% de posse de bola, mas apenas quatro chutes certos - contra seis no total dos suíços e quatro no alvo. A partida foi complicada como previsto, e apesar do erro da arbitragem no gol de Zuber, a Suíça equilibrou as ações em campo e dificultou ao máximo a atuação brasileira. O árbitro interferiu no resultado, até porque deveria ter consultado o VAR, mas isso não pode diminuir o bom rendimento dos suíços, dentro das limitações que têm.

Sobre Neymar, ele sofreu dez das 19 faltas cometidas pela Suíça. Há duas explicações: segurou muito a bola e os suíços bateram bastante - na prática, ambas estão certas e relacionadas. 

Comentários

Atuação abaixo do potencial, arbitragem, Neymar, rendimento suíço: análise da estreia brasileira na Copa

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Mesmo se perder a Copa do Mundo, o Brasil já venceu

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Rostov (RUS)

Tite, durante Brasil x Croácia, em Liverpool
Tite, durante Brasil x Croácia, em Liverpool Lucas Figueiredo/CBF

Em 12 de junho de 2016, havia absoluto descrédito em relação à seleção brasileira. Aos 30 minutos do segundo tempo, Manuel Ruidíaz marcou o gol da vitória do Peru sobre o Brasil por 1 a 0, resultado que eliminou os brasileiros ainda na primeira fase da Copa América. Esse foi o capítulo final do triste e questionável retorno de Dunga ao comando da equipe.

Por outro lado, foi também o episódio que gerou uma grande revolução na seleção. De maneira alguma uma manobra pensada ou planejada pela CBF, e sim uma decisão movida pela pressão popular e racional. Dunga disse adeus e Tite começou a trabalhar.

A partir daí, aconteceu algo que nós, brasileiros, não estamos muito acostumados: a excelência, a competência no trabalho. Não necessariamente vai resultar no título da Copa do Mundo, e aí está algo importante para ser debatido.

Tudo que vem sendo feito não pode ser avaliado apenas pela conquista do Mundial. Vou além: nem mesmo pelo desempenho, somente. A possibilidade de estar na cobertura da seleção brasileira, in loco, desde o primeiro jogo de Tite, no Equador em outubro de 2016, me faz ver coisas que vão muito além do campo.

No caso desse time, o desempenho também tem sido muito bom. Padrão tático, ideias de jogo bem estabelecidas, belas exibições muitas vezes, tudo isso já está evidente para todos que acompanham futebol. Só que não é resultado apenas das ordens de Tite, mas de uma comissão que avalia jogadores, viaja mundo afora para observá-los, investiga os adversários, enfim, faz o dever de casa, só que esse básico nem sempre foi feito. Desde a organização de Edu Gaspar, passando pela competência de pessoas como Fabio Mahseredjian, Bruno Mazziotti e Cléber Xavier, todo estudo que existe no CPA - Centro de Pesquisa e Análise, além da experiência de Taffarel e Sylvinho.

Na coletiva deste sábado, véspera da estreia contra a Suíça, Tite discordou de mim quando disse "que no Brasil, qualificamos um trabaho pelo título" na pergunta que fiz a ele. Para o treinador, isso está mudando. Talvez, mas não sou tão otimista como ele. Ainda acho que em caso de eliminação, a maioria compreenderá como fracasso. Posteriormente, respondeu meu questionamento se o trabalho feito foi bom: "Sim". E foi mesmo.

Sempre haverá questionamentos, algo absolutamente natural. Por que o Taison e não o Arthur ou o Luan? Fágner e não o Rafinha? Fernandinho dentro e Willian fora do time titular? São opções táticas, técnicas, que sempre existirão com quaisquer profissionais. Além disso, Tite não é unanimidade, e o próprio ressaltou isso na coletiva deste sábado - como sempre fez. Ele erra, assim como eu ou qualquer pessoa. Não é deus e não se coloca dessa maneira.

O mais importante é percebermos como o trabalho está sendo bem feito. Na preparação em Sochi, nos detalhes com a presença dos familiares, no clima menos pesado... Muito provavelmente, se a atual comissão técnica tivesse assumido logo após a Copa de 2014, o Brasil estaria ainda melhor. No tempo que teve à disposição, fez da seleção uma força novamente e entra no Mundial como uma das grandes favoritas. Sem qualquer garantia de título, mas com a certeza que tem plenas condições de vencer qualquer adversário.

Independentemente do resultado final, o Brasil já venceu. E o trabalho precisa continuar.

Comentários

Mesmo se perder a Copa do Mundo, o Brasil já venceu

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

De Santa Cruz Cabrália a Sochi, a relação entre Brasil e Alemanha na Copa da Rússia

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Sochi (RUS)

A Alemanha surpreendeu quando anunciou Santa Cruz Cabrália como sede da seleção na Copa do Mundo de 2014. Mais especificamente a vila de Santo André, um pedaço de terra abençoado pela natureza brasileira, cujo acesso mais fácil é feito apenas por balsa. Não se tratava de um local com o selo Fifa, mas mesmo assim, em parceria com empresários alemães que já investiam na região, a DFB construiu o Campo Bahia.

Lá, por um mês, os jogadores tiveram dias espetaculares. Com o sol baiano na cabeça e o Litoral do Descobrimento a perder de vista, todo elenco e a comissão técnica passaram tardes com seus familiares e amigos se divertindo na praia; Conheceram a cultura local através dos índios Pataxó, visitaram a escola municipal e fizeram doações para o campinho local, cantaram e pularam com os brasileiros ao som de Lepo Lepo. Além disso, ainda ganharam uma Copa do Mundo.

Em meio à tranquilidade e o isolamento geográfico encontrado pela DFB, a Alemanha pôde se preparar adequadamente para o Mundial. Somente um treino aberto - exigido pela Fifa - e um dia de folga; Muitas viagens, mas sempre com o retorno para a vila de Santo André garantido. Até mesmo após a vitória na semifinal contra o Brasil, quando tudo indicava que o time seguiria direto para o Rio de Janeiro, a opção foi retornar à Bahia. Foram campeões porque mereceram no campo, promoveram uma grande revolução em toda estrutura do futebol alemão, mas o ambiente criado em território brasileiro também foi fundamental.

Alemanha e Santa Cruz Cabrália, uma história de amor que terminou em título
Alemanha e Santa Cruz Cabrália, uma história de amor que terminou em título Google - NÃO USAR

Não é segredo que a seleção brasileira usa tudo que foi feito pelos alemães como inspiração. Este jornalista foi convidado por Tite para falar sobre a preparação da Alemanha em 2014 para a comissão técnica brasileira no ano passado. Meu livro "40 dias com a campeã do mundo - histórias e bastidores da Alemanha no Brasil" foi comprado em razoável quantidade pela CBF e distribuído internamente.

Porém, não é necessariamente aplicar o mesmo modelo, copiar o que foi feito pelos alemães, mas sim conhecer, entender e identificar o que poderia ser aplicado à realidade do Brasil. E assim foi feito, com toda experiência de profissionais como Edu Gaspar, coordenador de seleções, de longa carreira na Europa. 

"Família é a base de tudo. Minha esposa, meus filhos, amigos, alguns jogadores trazem amigos. É super importante pra gente. Sem a família é complicado, porque a gente fica tão focado, concentrado, que alguns momentos com a família é super importante. Ter as pessoas que você gosta perto de você é importante", explicou Paulinho nesta quarta-feira.

Um dia antes, tinha sido Alisson o defensor do tema familiar. "Família é tudo pra gente, são eles que estão do nosso lado nos momentos bons, comemorando, mas principalmente nos momentos difíceis, de derrota, de frustração. Tê-los aqui dá uma força maior, é um problema a menos não ter a saudade. Fico três, quatro dias longe da minha família, da minha esposa, e já fico com saudade".

A CBF fez toda logística para jogadores e integrantes da comissão técnica levarem seus familiares e amigos para a Rússia. A maior parte está hospedada no Hotel Pullman, localizado a dez minutos do Swissôtel Resort, casa da seleção neste Mundial. A hospedagem está sendo paga pelos atletas e pelos profissionais.

Os momentos de convívio com os familiares têm sido constantes e sempre registrados nas redes sociais. Nesta quarta, Dona Vera, mãe de Gabriel Jesus, acompanhada da família e dos famosos "parças" do jogador, esteve no local de treinos do Brasil. 

Na segunda-feira, dia de folga geral, foram muitas as fotos publicadas dos jogadores passeando na praia, se divertindo, aproveitando o intenso calor de Sochi. As temperaturas batem na casa dos 30oC durante o dia, e mesmo as noites são bem quentes também. Situação muito diferente da que viveu a seleção em 2014, quando ficou concentrada na gelada Teresópolis.

A entrada pela praia do Campo Bahia em Santo André, no município de Santa Cruz Cabrália
A entrada pela praia do Campo Bahia em Santo André, no município de Santa Cruz Cabrália ESPN.com.br

O próprio hotel onde todo elenco está favorece ao clima descontraído. Os jogadores têm frequentado o lobby, além da área comum, onde hóspedes também têm acesso. Os russos, porém, não estão muito preocupados com os brasileiros. Aliás, essa é uma característica bem evidente da cidade. Acontecerá uma Copa do Mundo em Sochi, mas os russos turistas estão muito mais dispostos a aproveitar a praia de pedras e o mar quente, do que propriamente assistir jogos ou tirar fotos com famosos.

Pela ruas, na orla, nos resorts espalhados por Sochi, ainda impera a tranquilidade e o clima familiar, com pais caminhando com pouca roupa rumo à praia, levando os filhos e todos brinquedos possíveis. "Tivemos pouco tempo aqui, não dá para ter muita impressão, mas a primeira impressão é positiva. Muito bonita a cidade, a praia, o hotel possui estrutura ótima, café da manhã com vista para o mar, campo com totais condições para nos prepararmos da melhor maneira", disse Alisson logo no segundo dia de Rússia.

Santa Cruz Cabrália e Sochi têm muito mais em comum do que brasileiros e russos poderiam imaginar.

Comentários

De Santa Cruz Cabrália a Sochi, a relação entre Brasil e Alemanha na Copa da Rússia

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Habemus escalação para o começo da Copa do Mundo

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Viena (AUT)

Pela primeira vez Tite escalou o Brasil com Alisson, Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Paulinho, Casemiro e Philippe Coutinho; Willian, Gabriel Jesus e Neymar. Se não houver surpresas com lesões ou suspensões, escalará novamente essa equipe titular contra Suíça e Costa Rica, dois primeiros adversários na Copa.

Ficou evidente que contra times que priorizam a defesa e são bem compactos, a opção em ter Philippe Coutinho como meia central faz todo sentido. No amistoso contra a Rússia, em março, a situação foi a mesma. Assim, Tite ainda guarda no bolso a escalação com Fernandinho desde o início, deixando o meio-campo mais forte na marcação.

No primeiro tempo contra a Áustria, assim como acontecera contra a Croácia, o Brasil teve dificuldade para criar nos primeiros 20 minutos. Na verdade, em Viena se estendeu um pouco mais, inclusive, mas a diferença é que a seleção brasileira foi pouco ameaçada, justamente o contrário do jogo contra os croatas.

Time que iniciou amistoso Brasil x Áustria
Time que iniciou amistoso Brasil x Áustria Getty

Gabriel Jesus foi o melhor na parte inicial, se movimentando muito, abrindo espaço para os companheiros e tendo 100% de aproveitamento nos passes no último terço de campo - 8 de 8. Coutinho começou discreto e cresceu a partir de 25 minutos, quando passou a quebrar a marcação adversária com velocidade, passes rápidos e muitos dribles. 

A partir do gol, impedido de Jesus, a partida ficou mais tranquila. O ponto negativo do primeiro tempo foi Danilo, que fora bem contra a Croácia, mas desta vez se mostrou incapaz de parar David Alaba.

Já o segundo tempo começou bem tenso, com Prödl recebendo o cartão amarelo e Casemiro se desentendendo com Baumgartlinger. Quando a Áustria resolveu ser mais ofensiva, inclusive com a entrada do atacante Burstaller como referência e Arnautovic sendo deslocado para a direita, o contra-ataque foi oferecido aos brasileiros. E Neymar deixou Dragovic sentado no chão.

A partir do segundo gol, não teve graça. A linha de cinco defensores austríacas não assombrava mais. Completamente desmotivada e já modificada com as alterações, a Áustria não ofereceu qualquer perigo. Cabia mais, e quase coube com um golaço de Coutinho, que no final das contas teve grande atuação. Menção honrosa para Willian e para Casemiro.

Outro ponto positivo foi a presença de Neymar em campo por 83 minutos. Ainda vacila em alguns lances, mostra falta de ritmo em outros, mas está totalmente recuperado e vai certamente fazer um grande Mundial.

Comentários

Habemus escalação para o começo da Copa do Mundo

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Sobre enfrentar sistemas defensivos na Copa do Mundo: a realidade do Brasil

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Viena (AUT)
Seleção brasileira realiza treino em Viena
Seleção brasileira realiza treino em Viena André Mourão/MoWA Press

Alisson, Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Paulinho, Casemiro e Philippe Coutinho; Willian, Gabriel Jesus e Neymar. Essa é a escalação mais ofensiva que a seleção brasileira tem com o atual elenco e dentro da variação tática 4-3-3 na fase ofensiva e 4-1-4-1 quando tem que marcar o adversário.

Neste domingo, será o time que entrará em campo para encarar a Áustria, no último amistoso antes da Copa do Mundo. Muito provavelmente, será o mesmo que começará contra Suíça e Costa Rica.

Os três próximo jogos do Brasil serão contra equipes que têm no sistema defensivo o ponto forte. Os austríacos marcam com linha de cinco defensores, tendo Lainer e Alaba fechando pelos lados, além de Dragovic, Prödl e Hinteregger. À frente, uma linha de quatro atletas, bem próxima e compacta, diminuindo ao máximo os espaço para quem ataca.

Contra a Alemanha, na vitória de virada por 2 a 1 no último final de semana, a defesa funcionou muito bem, apesar da falha do goleiro Siebenhand no gol de Özil. A saída para a transição defesa-ataque é rápida e depende muito do lateral do Bayern. Com a bola, avança no 3-4-3 ou 3-4-2-1, como Sylvinho, assistente técnico de Tite, define.

É, basicamente, o mesmo conceito aplicado por Óscar Ramírez na Costa Rica, mas sem o mesmo talento à disposição que tem Franco Foda. Foi o padrão adotado nos últimos amistoso, assim como nas eliminatórias, tendo Gamboa e Oviedo como peça fundamentais nas duas alas.


Já Vladimir Petkovic é quem tem em mãos melhor pé-de-obra. A Suíça não tem o mesmo padrão tático, mas carrega as virtudes defensivas dos austríacos: compactação, boa marcação alta e baixa, conceito defensivo bem estabelecido e absorvido pelos jogadores.

A variação suíça tem sido o 4-3-3 na fase ofensiva para o 4-1-4-1 na recomposição ou o bem tradicional em tempos modernos 4-2-3-1 para 4-4-2, as famosas duas linhas de quatro. Valon Behrami e Granit Xhaka são os responsáveis pela saída de bola e alteração de esquema, com o segundo recuando entre as linhas ou avançando para o meio ao lado de Blerim Dzemaili ou Remo Freuler.

A Sérvia, terceira adversária, não deve propor o jogo contra o Brasil, mas tem ideias um pouco mais avançadas ofensivamente. Com o técnico Mladen Krstajic, a variação tem sido a tradicional citada dois parágrafos acima, do 4-2-3-1 para o 4-4-2. E por ser o derradeiro jogo da fase de grupos, a classificação pode mudar completamente o panorama esperado.


Contra tudo isso, e não necessariamente contra todos, a opção Coutinho por dentro é excelente. O meia do Barcelona ganha liberdade para flutuar como um meia, mas vai naturalmente cair pela esquerda e deixar esse setor com absurda qualidade ao lado ou trocando de posição com Neymar e ainda tendo os avanços de Marcelo - Casemiro precisará repetir os movimentos de Real Madrid para a cobertura. Na direita, Willian dá amplitude e jogo forte no um contra um, com Danilo segurando ao lado dos zagueiros. Por dentro, Paulinho, como o próprio já explicou, colabora mais na recomposição, mas não perde o "pisar na área".

Organização defensiva, velocidade na transição, concentração, muita movimentação quando tem a bola, ultrapassagens dos laterais ou dos extremos, chegada na grande área, posse de bola com finalizações certas, controle do jogo, todos esses são conceitos desse time brasileiro que têm sido exaustivamente treinados nos últimos meses. A seleção precisará precisará de paciência muitas vezes para quebrar a marcação adversária e não se desesperar.

O Brasil tem que evoluir durante a Copa para ser campeão, até mesmo pelos percalços que surgiram - ausência de Daniel Alves, lesão de Neymar, queda técnica de Renato Augusto. De qualquer modo, o trabalho da comissão técnica está sendo muito bem feito.


Comentários

Sobre enfrentar sistemas defensivos na Copa do Mundo: a realidade do Brasil

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Vladimir Putin garante legado da Copa, defende acusado em escândalo de doping e cita aviso a Roman Abramovich

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Londres (ING)

Vladimir Putin durante o Q&A que teve transmissão ao vivo para toda Rússia
Vladimir Putin durante o Q&A que teve transmissão ao vivo para toda Rússia Russia Today

Anualmente, Vladimir Putin vai à televisão falar com a população. Trata-se de um grande espetáculo, em que o presidente russo responde perguntas feitas por personalidades, jornalistas e cidadãos espalhados pelo país. Nesta quinta-feira aconteceu o show de 2018.

Foram quatro horas e vinte minutos (o recorde é 4h47, de 2013) de assuntos variados, importantes, curiosos e até mesmo religiosos. Falou sobre a III Guerra Mundial e citou frase famosa de Albert Einstein: "Não sei com quais armas será lutada a Terceira Guerra, mas a Quarta será com gravetos e pedras", indicando a reconstrução da civilização; Disse que a suposta interferência russa na eleição de Donald Trump nos Estados Unidos é uma "piada"; Garantiu que as tropas russas não deixarão a Síria, afirmou que gostaria de colaborar na investigação do envenenamento do espião Sergei Skripal na Inglaterra, colocou a Rússia como ameaça ao Ocidente para explicar as novas barreiras econômicas criadas contra o país e citou a fé em Deus surgindo em momentos de dificuldade para as pessoas.

Recomendo para quem quiser se aprofundar nos assuntos citados, procurar mais sobre essa longa entrevista nos sites internacionais, como a CNN ou até mesmo a Russia Today, canal estatal, mas que traz trechos na íntegra. A seguir, análise da parte esportiva de todos show.

COPA DO MUNDO

Legado. O brasileiro se cansou de ouvir essa palavra nos meses que antecederam o Mundial de 2014, e sabe muito bem que ela foi usada de maneira tendenciosa e mentirosa. Foram milhões desperdiçados em alguns estádios que se tornaram elefantes brancos ou estão abandonados; Obras de transporte público prometidas e nunca cumpridas; Um verdadeiro espetáculo de como a maioria dos políticos jamais esteve realmente preocupada com o legado da Copa.

Putin fez questão de usar novamente essa palavra. Os russos, em sua maioria, não sabem o que aconteceu no Brasil. O presidente garantiu que o legado é um dos principais objetivos do torneio. O tema surgiu, inclusive, de maneira constrangedora. Em um estúdio externo, montado próximo ao estádio Luzhniki, estava Valery Gazzaev, ex-treinador do CSKA Moscou e atualmente político. Gazzaev tinha a tarefa de fazer uma simples pergunta ao presidente, mas passou minutos elogiando-o e discursando sobre o futebol russo. Foi quando o jornalista ao seu lado questionou: "E a pergunta"? Constrangido, o ex-técnico levantou a bola: "Toda comunidade do futebol entende que você está muito ocupado com o trabalho, mas pedimos que tenha atenção com o futebol". E terminou, sem perguntar.

Putin, naturalmente, pegou de primeira a bola levantada. "Pelo que entendi, estamos falando do legado da Copa do Mundo de 2018, o que vamos fazer com toda aquela grand estrutura, talvez você esteja certo. Nós conseguimos cumprir um desafio que outros países não foram capazes, receber os Jogos Olímpicos. Pegue a infraestrutura em Sochi como exemplo, ainda está em uso. Gastamos muito dinheiro e concordo, precisamos trabalhar em benefício do esporte. Deve haver times infantis, ligas juvenis nesses locais que melhoraram muito com o próprio financiamento, e esses estádios, que não são apenas campos, têm tudo para receberem shoppings, cafés, restaurantes, não apenas clubes esportivos. Foram projetados para serem espaços onde as pessoas possam praticar esportes".

Sochi tem uma das obras mais caras da história da humanidade, cheia de denúncias de corrupção: a rodovia Adler–Krasnaya Polyana, que liga o parque olímpico à cidade, custou mais de US$ 9 bilhões - como comparação, para os Jogos Olímpicos de Vancouver foram investidos US$ 1,5 bilhão. Por fim, ainda comentou sobre a seleção russa, que segundo ele tem conseguido bons resultados recentemente e acredita que não vai desapontar os russos na Copa.

DOPING

Ícarus, último filme vencedor do Oscar na categoria documentário, explica bem o escândalo de doping que atingiu a Rússia. Penalizou o país esportivamente, após ficar comprovado a manipulação de diversos exames realizados por atletas russos durante a competição. O tema surgiu na entrevista não pelas acusações, e sim por uma pessoa muito ligada a elas: Vitaliy Mutko. Cabe a explicação sobre quem ele é.

Mutko é o homem forte do esporte russo há mais de uma década. Político desde o final da União Soviética, no futebol foi presidente do Zenit São Petersburgo e fundador e primeira mandatário da federação russa. Tornou-se ministro do Esporte e assumiu um cargo no Comitê Executivo da Fifa. Era o chefe do Comitê Organizador da Copa, até cair por causa do escândalo de doping e seu envolvimento político no caso.

"Devemos olhar os fatos, não os aspectos emocionais do trabalho dele (Mutko). Os locais da Olimpíada de Sochi... Mutko esteve envolvido nisso. Os estádios da Copa do Mundo, isso foi amplamente feito pelo Mutko. Eu entendo tudo, mas não faço julgamentos emocionais, meus julgamentos são baseados em fatos. Não há outro ponto: sabemos que ele foi atacado em conexão com o escândalo de doping, e assim sucessivamente. Nessas circunstâncias, é simplesmente impossível mandá-lo para a aposentadoria. Eu repito: ele tem muito potencial. Deixe-o trabalhar".

ROMAN ABRAMOVICH

Roman Abramovich, proprietário do Chelsea, não teve o visto de trabalho renovado pela Grã-Bretanha. Em meio à tensão política que envolve as duas nações, claramente o empresário sofre retaliações por ser russo e muito ligado ao presidente Putin. A próxima temporada dos Blues está totalmente indefinida, porque não há perspectivas para contratações e até mesmo os planos para a construção de um novo estádio foram abandonados.

"Eu avisei eles sobre isso e recomendei que nossos negócios mantivessem o capital na Rússia", afirmou Putin, em tom profético, quando questionado sobre Abramovich. Mesmo assim, mantendo sempre seu lado nacionalista em evidência, destacou que o Ocidente estava "cometendo um grande erro" e que decisões arbitrárias como essa são "contraprodutivas aos envolvidos e à economia global".

Comentários

Vladimir Putin garante legado da Copa, defende acusado em escândalo de doping e cita aviso a Roman Abramovich

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Cortar ou não cortar Renato Augusto, eis a questão

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Londres (ING)
Renato Augusto, durante os treinamentos da semana passada
Renato Augusto, durante os treinamentos da semana passada CBF

E não é simples.

Na manhã desta quarta-feira, Renato Augusto, acompanhado do médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar, foi a uma clínica em Londres realizar exames no joelho esquerdo. Nenhuma lesão foi diagnosticada, apesar da inflamação no local, o que deu segurança à comissão técnica para seguir na recuperação do atleta.

Há uma semana Renato não treina com os companheiros. Tem feito trabalhos à parte com o fisioterapeuta Bruno Mazziotti, mesmo profissional responsável pela sua reviravolta física na carreira, nos tempos de Corinthians. Também trabalha com o jogador na China.

A comissão técnica não pensa no corte do jogador. A recuperação, nas palavras de um membro da comissão, está indo muito bem. No entanto, mesmo com o exame negativo, não há previsão sobre a volta de Renato Augusto aos treinamentos normais. Fágner e Douglas Costa, que se apresentaram machucados, já estão totalmente liberados clinicamente e recuperando a forma.

Esse é o ponto da discussão.

As dores no joelho esquerdo dificilmente resultarão em corte. É um problema tratável e Renato Augusto estará liberado mais cedo ou mais tarde, talvez antes da estreia do Brasil ou durante a fase de grupos. Vale a pena manter no grupo um jogador que não esteja com as melhores condições físicas?

Rapidamente podemos lembrar e citar Neymar. Ele também não está 100% fisicamente, mas já está liberado pelo departamento médico. Além disso, é imprescindível para o time. Renato não vai chegar na Copa bem e já não é uma peça fundamental na formação titular.

Foi extremamente importante durante as eliminatórias atuando pela esquerda do meio-campo, fazendo muito bem a cobertura no setor com os avanços de Marcelo e Neymar e sendo fundamental na saída de bola próximo a Casemiro. Além disso, é um dos líderes do grupo e sempre foi a voz tática do treinador em campo, jogador muito inteligente. Mereceu a vaga entre os 23 convocados. Agora, porém, a situação é outra.

Caiu tecnicamente, perdeu o lugar entre os 11 e é a última opção para o meio-campo, setor que Tite optou por levar um jogador a menos, para que Taison fosse convocado e Coutinho se tornasse opção como central. Faço questão de reforçar: Renato Augusto mereceu a convocação, mas agora a permanência dele no grupo pode ser perigosa para as necessidades que o Mundial gera.

Temos exemplos recentes em Copas quando o Brasil precisou de um reserva, que não estava à altura da necessidade e a improvisação aconteceu. Renato se tornou a última opção entre os meio-campistas, e se Fernandinho for titular, caso alguém se machuque ou fique suspenso, Fred entraria no setor e ele seria a única peça no banco. Nesse caso, não dá para contar com o jogador do Beijing Guoan, infelizmente.

Caso queira fazer a troca na lista, com a avaliação de inflamação no joelho esquerdo em mãos, Tite pode convocar qualquer jogador até 24 horas antes da estreia. Não precisa chamar alguém da lista dos 12, que é apenas burocrática. Maicon, Arthur, Paquetá e Giuliano seriam, provavelmente, as primeiras opções.

Comentários

Cortar ou não cortar Renato Augusto, eis a questão

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Pontos fortes e fracos da seleção brasileira na vitória sobre a Croácia

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Liverpool (ING)
Tite durante Brasil x Croácia, em Liverpool
Tite durante Brasil x Croácia, em Liverpool Lucas Figueiredo/CBF
O Brasil sofreu nos primeiros vinte minutos contra a Croácia. Foi pressionado e Alisson trabalhou para evitar o primeiro gol da partida. Desde o início teve mais posse de bola e tentou propor o jogo, mas teve muitas dificuldades para superar a marcação alta croata. Conseguiu a primeira finalização apenas aos 21 minutos, e a partir daí correu pouquíssimos riscos.

Faltou, porém, principalmente no primeiro tempo, mais criatividade. No geral, a seleção teve ótimo aproveitamento nos passes (88.6%), com 609 certos de 687 no total. Na primeira etapa, acertou somente 29 no último terço do campo, enquanto na etapa final foram 39. O crescimento coletivo passou pela saída de Fernandinho (jogador com mais faltas, quatro) e a entrada de Neymar, com o deslocamento de Philippe Coutinho para a faixa central. Hoje, o melhor Brasil de Tite é com essa formação.

Willian foi o melhor jogador em campo. Entregou o que se espera dele: jogo forte pelos lados, jogadas de 1x1, amplitude para o time, recomposição defensiva e muita habilidade e velocidade. Foi a principal arma ofensiva, quebrando constantemente a marcação croata e criando chances.

Outro destaque foi Thiago Silva, que recuperou a posição de titular em definitivo. O zagueiro liderou a estatística de passes, com 93 certos e 98 no total. Foi fundamental no início da transição defensiva-ofensiva.

Os dois laterais, Danilo e Marcelo, lideraram o time em desarmes, dois cada. Atuação muito segura do jogador do Manchester City, extremamente forte na defesa e eficiente nas jogadas de utrapassagem pela direita com Willian. Não se pode e não se deve esperar de Danilo partidas a la Daniel Alves. São atletas muito diferentes em todos conceitos do jogo.

Já Gabriel Jesus não teve uma tarde feliz. O autor do gol da vitória no amistoso com a Alemanha não conseguiu finalizar em 61 minutos, enquanto Roberto Firmino e Neymar foram os jogadores que mais bateram a gol, com três cada um, em 34 e 49 minutos respectivamente. Há disputa entre os atacantes centrais, mas Tite não deve mudar até o início da Copa. Depois, se o rendimento de Gabriel cair, uma mudança pode ocorrer.

Por fim, Paulinho foi um ponto negativo. O meia do Barcelona costuma entregar para a seleção verticalidade, chegada na grande área e muitas vezes aparece praticamente como um segundo atacante. Desta vez, não conseguiu fazer tudo isso.

Parece bastante evidente que o nível atual da seleção é inferior ao já apresentado nas eliminatórias. O time precisa evoluir, até porque passou por mudanças no time-base. Espanha e Alemanha, com times mistos, tropeçaram na semana. Brasil e França venceram seus amistosos. Essa é a lista de favoritas ao título da Copa, na opinião deste jornalista.

Comentários

Pontos fortes e fracos da seleção brasileira na vitória sobre a Croácia

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

Sobre volantes e meio-campistas no futebol atual

Gustavo Hofman
Gustavo Hofman, de Liverpool (ING)
Fernandinho, em ação contra a Inglaterra
Fernandinho, em ação contra a Inglaterra Pedro Martins/MoWA Press

Volante. Jogador de pouca qualidade técnica, que atua defensivamente no meio-campo, cabeça de área.

A linha acima tem definições clássicas sobre o volante no futebol brasileiro. Termo utilizado no país há muitas décadas para designar os jogadores com maior responsabilidade de marcação no meio-campo. Porém, com o passar dos anos, "volante" se tornou algo pejorativo, porque normalmente vem com "não sabe passar", "não tem qualidade", "só toca de lado".

Tite vai escalar o Brasil com Casemiro, Paulinho e Fernandinho. Três volantes, certo? Não é bem assim, e somos obrigados a discutir semântica.

Para todos que entendem a posição com a definição inicial deste texto, discordarei radicalmente. Para quem ainda usa o termo, mas com interpretações modernas do jogo, teremos um acordo.

Particularmente, para evitar distorções, gosto de usar "meio-campistas". Não são necessariamente todos volantes de antigamente, mas todos que se adaptaram ao futebol atual - ou seja, o volante brucutu ainda existe, mas claramente está em extinção nos grandes times do planeta.

Meio-campistas são atletas que atuam na faixa central do campo e têm capacidade de atacar e defender com a mesma capacidade.

Casemiro, por exemplo. Sem dúvida ele é o jogador do Real Madrid com maior obrigação defensiva do meio para frente, mas sua movimentação demonstra a força ofensiva que tem e a importância na saída de bola e construção das jogadas merengues.

O mapa de movimentação abaixo tem as ações com bola do meio-campista na temporada do Real no Campeonato Espanhol e na Champions League.

Casemiro, na temporada 2017-18
Casemiro, na temporada 2017-18 ESPN Trumedia

Mais à direita, Casemiro terá a companhia de Paulinho no jogo contra a Croácia. O ex-jogador do Corinthians há muito tempo se tornou uma arma no ataque do Brasil. O "pisar na área", que Tite tanto fala, é executado muito bem por Paulinho.

No Barça, o meio-campista evoluiu taticamente com o jogo de posições catalão e trouxe algo novo ao clube: 
velocidade e força física por dentro. Abaixo, gráfico que mostra as ações com bola dele na liga espanhola e na Liga dos Campeões.

Paulinho, na temporada 2017-18
Paulinho, na temporada 2017-18 ESPN Trumedia

Por fim, Fernandinho. A escalação dele e não de Philippe Coutinho na faixa central indica maior força defensiva, como escrevi no post de sexta-feira e o próprio jogador explicou na coletiva. Classificá-lo como um mero volante à moda antiga, no entanto, seria ignorar tudo que fez na temporada europeia.

Com Pep Guardiola como treinador, Fernandinho se tornou um jogador muito mais dinâmico e participativo nas ações ofensivas. Desarma com incrível precisão, pressiona muito os adversários e arma com eficiência as jogadas a partir da intermediária defensiva.

Fernandinho, na temporada 2017-18
Fernandinho, na temporada 2017-18 ESPN Trumedia

"Ideia de equilíbrio. O Fernando traz as características do Atlético, do Shakhtar,  foi adaptado no City, mas é um passador, um articulador. Pelo lado esquerdo traz também uma marcação forte. O Renato é mais armador", explicou Tite na coletiva de imprensa, quando o questionei sobre a ideia de jogo com essa formação no meio-campo.

Ou seja, para fecharmos e resumirmos, estamos falando sobre qualidade individual dos atletas e suas funções em campo, muito além das clássicas definições por posição. 

Comentários

Sobre volantes e meio-campistas no futebol atual

COMENTÁRIOS

Use a Conta do Facebook para adicionar um comentário no Facebook Termos de usoe Politica de Privacidade. Seu nome no Facebook, foto e outras informações que você tornou públicas no Facebook aparecerão em seu cometário e poderão ser usadas em uma das plataformas da ESPN. Saiba Mais.

mais postsLoading